Transportar a energia transcendente do Warung Beach Club para um festival é algo realmente difícil. A tour do club por algumas das principais cidades do país é capaz de fazer isso em eventos menores, mas quando estamos falando de festival, uma experiência onde tudo é colocado a prova e os sentimentos estão a flor da pele, fazer isso com maestria exige um trabalho de ponta.

Trabalho esse que tem sido desenvolvido muito bem pela crew do Warung, que esse ano caminha para quarta edição do evento que já pode ser considerado um dos principais pilares do calendário nacional. Como isso foi possível? Graças a uma combinação única de fatores, que começa pela escolha do local.

A Pedreira Paulo Leminski em Curitiba, assim como a Praia Brava, é dona de uma energia pulsante. Um daqueles raros lugares que você se sente impressionado ao pisar pela primeira vez por lá. Aberta em 1990, ela possui um espaço de 103.5 mil m² e pode receber até 30 mil pessoas. José Carreras, Paul McCartney, David Bowie, INXS, The Killers, Iron Maiden e AC/DC são apenas alguns dos nomes que já passaram por lá. Durante o festival, ela é dividida em 3 palcos, que transmitem – cada um dentro de suas peculiaridades – a magia do Templo.

A escolha por Curitiba também foi importante. Apesar da história do Warung ser inegavelmente negada ao litoral de Santa Catarina, pode-se dizer que o club “nasceu” na capital paranaense, já que seus fundadores possuem raízes fixadas por ali e, historicamente, a presença do público da cidade nas noites do Warung foi e é fundamental no processo de crescimento da marca a nível nacional. Durante o festival, essa história se repete, já que boa parte do público do evento é da própria Curitiba.

Por último, mas não menos importante, está a curadoria artística. Ao longo desses quase 4 anos de evento, nomes como The Martinez Brothers, Âme, Recondite, Tale Of Us, Rodhad, Hot Since 82, dubfire, Paul Ritch, Nastia, Sasha e Jamie Jones já marcaram presença no program. Aquele padrão Warung de qualidade que a gente já conhece mas sempre fica feliz ao ver um novo anúncio.

Esse ano temos as estreias de Nicole Moudaber, Hernan Cattaneo, Stephan Bodzin, Chris Liebing e Roman Flügel, aliados a um timaço nacional que conta com figuras como Anna, Victor Ruiz, Leo Janeiro, Boghosian e Eli Iwasa. Mais uma vez, tudo conspira a favor para o já conhecido “melhor dia do ano”, como assim é chamado o dio em que o festival acontece. Nos encontramos sábado para mais uma celebração daquelas.

A música conecta as pessoas!