READING

Semana da Produção Musical | AIMEC: Sintetizadores...

Semana da Produção Musical | AIMEC: Sintetizadores Modulares

Por Rafael Araujo

Você já ouviu falar em sintetizadores modulares? Todo mundo provavelmente já deve ter visto as paredes de sintetizadores modulares no estúdio do Deadmau5 que ele divulga com bastante frequência nas suas redes sociais.

Resultado de imagem para deadmau5 studio

Existem diversas empresas especializadas neste segmento espalhadas pelo mundo. Aqui no Brasil tem gente competente se dedicando aos sintetizadores analógicos em módulos. O Vinicius Brazil do Rio de Janeiro (V Brazil Systems) que recentemente foi destaque na NAMM 2017 nos Estados Unidos com seu sistema e capricho, agora passa a ter a sua linha de produção feita nos também por lá. Seus módulos produzem uma sonoridade que encantou os gringos. Já a galera da EMW de São Paulo (Electronic Music Works) também produz e monta sistemas modulares nacionais. A EMW tem como sua principal característica a construção de sua linha de euroracks e sintetizadores utilizando apenas componentes não-obsoletos para sua fácil manutenção. O resultado são sons analógicos de infinitas possibilidades.
A imagem pode conter: área interna
Alguns dos usuários (produtores musicais) brasileiros que exploram esse universo são Gui Boratto, Dudu Marote, Fabrício Peçanha e Ícaro Ferre. É uma tendência que vem fazendo a cabeça de muitos produtores musicais nos últimos anos e no Brasil cada vez mais.

O sistema modular parece complexo e esse assunto um tanto quanto nebuloso. Mas vamos simplificar. Eles são instrumentos de grande flexibilidade e que possibilitam centenas de configurações de suas unidades de síntese sonora por meio de cabos (patchcables) nos painés de controle (módulos). Os maiores nomes nas décadas de 60 e 70 são Buchla e Moog. Lá atrás quem mexia com esses equipamentos eram nomes como Giorgio Moroder. Os resultados da exploração sonora são infinitos. Osciladores, ADSR (Attack, Decay, Sustain e Release), filtros, EQs, LFOs, arpeggiators. Tudo faz parte do infinito mundo dos sintetizadores modulares. É uma prática cara, os módulos são vendidos separadamente e praticamente não tem fim. A quantidade de cabos necessários para alimentar o sistema é enorme. E no Brasil, um sistema iniciante não sai por menos de R$3 mil.

Se você não quer investir tanto dinheiro em construir o seu eurorack, você pode ter uma experiência com os sintetizadores modulares através do software VCV. Um sintetizador modular virtual open source e com uma grande comunidade que compartilha seus patches. Disponível para Mac, Windows e Linux, o VCV Rack é o motor de todos os módulos. Você pode adicionar módulos, conectar cabos, editar parâmetros, salvar e carregar patches utilizando o seu computador e seu mouse. Pode conectar seu controlador MIDI e aproveitar as sonoridades de que um “modular system” tem. Divirta-se !

Saiba mais:

A música conecta as pessoas! 

Lembre-se:

O encerramento da SPM18 acontece sábado com um workshop exclusivo do Núcleo Atlas em parceria com o AlatajL_cio apresenta seus conhecimentos em torno do assunto construção de live act. Saiba mais aqui.

A imagem pode conter: 1 pessoa, texto


Equipe de reação do portal Alataj, focada em levar conteúdo cultural ao público antenado na música eletrônica.

RELATED POST

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

INSTAGRAM
SIGA-NOS