Não demorou muito para que uma nova polêmica invadisse a timeline do meu Facebook depois do caso Ten Walls. Dessa vez o assunto era bem menos importante, porém muito mais engraçado. Foi legal ver como tem gente criativa pra fazer piada com assunto besta em tão pouco tempo e como o público brasileiro é superficial quando o assunto é revolta nas redes sociais.

Acontece que o Amine Edge, que reconhecidamente não é uma pessoa muito inteligente – basta lembrarmos de algumas entrevistas e acontecimentos recentes – falou bobagem no twitter a respeito do remix que Alok e Gabe fizeram ano passado para a track “Lost”. Não vamos entrar no mérito da discussão se o remix foi para Frank Ocean ou para Amine Edge e nem sobre a qualidade das mesmas. Na postagem, ele dizia que o remix era um cocôzinho e que ele odiava a track com todo seu coração. Não precisa ser um gênio para suspeitar que o Alok não ficou nada feliz com a declaração e em resposta, mostrou como a remix do francês é simples e preguiçoso de se fazer em um vídeo com pouco mais de 5 minutos.

Em poucas horas as redes sociais estavam tomadas com postagens de ódio a Amine Edge. O mesmo público que o aceita em 5 festas por ano em sua cidade, agora estava o massacrando por ter dito algumas verdades em público. O resumo da ópera é o despreparo total dos artistas se comportando como crianças brigando em um recreio do ensino fundamental. Mas se você ficou preocupado com essa cena toda, a gente garante que as coisas vão ficar tudo bem. Hoje mesmo deve ser feito um pedido de desculpas de ambas as partes em público e desse acontecimento em diante, os DJs devem se comportar como verdadeiros amiguinhos. Não duvido inclusive que eles tocarão o remix do Alok em b2b na festa da UP CLUB que acontece esse fim de semana em Atibaia.

O que fica de útil disso tudo é uma declaração do curitibano Gromma, que resume exatamente o que eu penso a respeito desse rolé todo. No mais, vamos voltar a compartilhar música boa que é o que realmente interessa.

gromma