Curitiba é referência no Brasil, e no mundo, por sua cena cultural diversificada e efervescente. Casa para coletivos, festas underground, baladas e eventos com curadoria voltados não só para a música eletrônica, mas para as artes e tudo que engloba a criatividade urbana da capital paranaense. É dai que surge o Subtropikal, festival de criatividade urbana voltado para a diversão, cultura, identidade, arte, criatividade e trocas de experiencia.

Não é de hoje que festivais se tornaram atracões que conseguem mesclar entretenimento com conteúdo voltado para a música, artes e troca de conhecimento. Referencias como SXSW, ADE e Sónar representam um pouco dessa evolução dos festivais, que oferecerem para o público muito mais do que uma oportunidade de curtir um som bom em um ambiente incrível. Ali você pode conhecer pessoas que se interessam pelas mesmas coisas que você, experienciar de primeira mão o trabalho de um artista e aprender mais sobre o que te cativa. É com esse foco que o Subtropikal quer usar a cidade de Curitiba, de portas abertas para o Brasil e para o mundo, para “promover conexões baseadas na criatividade e trazer um novíssimo conteúdo cultural que conversa profundamente com o estilo de vida do seu público.” Alguns de seus co-criadores incluem Carolina Zibetti – produtora cultural, envolvida no projeto lindíssimo Melissa Makers que envolveu 9 artistas de Curitiba interagindo com a marca Melissa para representar o local por meio de arte, moda e design -, Priscila Prestes – empresária musical e uma das sócias da 24bit – e Toshiro – artista visual que ganhou o premio RMC de melhor VJ esse ano.

O festival vai rolar entre os dias 13 e 21 de agosto de 2016. São esperadas mais de 15 mil pessoas em todos os eventos fechados com mais de 300 mil pessoas impactadas pelas intervenções artísticas. O Subtropikal existe em três esferas: a primeira, o fórum, que acontece no dia 19/08, traz personalidades que representam a economia criativa da cidade para debater temas como mobilidade urbana, cultura, desafios ambientais, inclusão e outros. A segunda parte é a mostra, que rola durante todo festival e conta com diversos locais, tanto fechados quanto ao ar livre que receberão mostras de arte, exposições e workshops relacionados ao tema de criatividade urbana. A última frente, claro, são as festas, o lançamento rola no dia 21 de maio com “Um Dia na Ópera” e o encerramento rola no dia 20 de agosto, com promessa de atracões e experiencias inéditas e selvagens.

O Subtropikal promete elevar Curitiba a um âmbito cultural ainda inexplorado, mostrando que a economia criativa da cidade não só esta viva, mas realmente está brilhando, gritando e pedindo para ser vista. Mal podemos esperar. A musica e a criatividade conectam as pessoas!