Renato Ratier é figura inquestionável quando se fala de música eletrônica no Brasil, não só pela fama e renome do D-EDGE Club, mas também pelas infindáveis iniciativas que seu nome está por trás, como o Warung Beach Club, onde é sócio proprietário e residente, o D-Edge Rio que em breve abre as portas, o Bossa, restaurante estúdio em São Paulo, o trabalho em moda da Ratier, lançamentos em selos como KompaktGet Physical, além de residente do Holzmarkt em Berlim. São muitas coisas na lista, e depois do lançamento do álbum “Black Belt” em 2013, o multifacetado Renato Ratier vem com o álbum “Youniverse”, em um conjunto de sonoridades mais densas e reflexivas.

O álbum começa com a faixa “Trippy”, que conta com a participação do Døøb, e é uma introdução para os tipos de sonoridade que virão ao longo do disco, já mostrando que se trata de uma obra para se escutar com calma e atenção. As faixas “Rain” e “Stars” carregam a estética geral de Youniverse tanto no som quanto no nome, onde a ideia é se sentir cada vez menor em relação ao todo enquanto os ouvidos captam as vibrações do som.

O miolo do álbum traz faixas com melodias e levadas variadas entre si, porém todas parecem rumar para grandes reflexões e abstrações trazidas pelo som, e pelos nomes das faixas. “Comments From Space” se vale da instrumentação mais silenciosa e com o passar do tempo a tensão vai aumentando com os elementos que vem aparecendo e crescendo. “Distance” forma sua melodia com temas dissonantes e a princípio desconexos que te levam para longe, já “Magnetic Field” conta com a participação do duo catarinense Stekke, e revela aos poucos sua atmosfera com elementos orgânicos e uma nota horripilante ao fundo digna de filme de terror, em uma faixa altamente hipnótica. E tudo se acaba na faixa “Marte” que possui um tema discreto e vai descomprimindo a sua mente para que aos poucos você volte para a terra.

Toda atmosfera do lançamento também é composta pela arte de capa, feita por João Reiser, eleito vencedor do concurso aberto pela D AGENCY para que designers do Brasil todo fizesse uma capa com as referências como NASA, galáxia, espaço, cosmos, energia, etc. Duas luas minguantes de tamanhos diferentes compõem a capa que traduz muito bem o álbum. São poucos elementos que deixam espaço para que você os olhe do ângulo que quiser, e que dentro do seu universo você encontre a resposta, pois somente lá se encontra uma verdade compatível com você. A música conecta as pessoas!