Criadas em Paris, as obras mais valiosas da carreira de Eliane foram elogiadas por sua pureza e contribuição para a área sonora. Chamadas de “realmente verdadeiras” se destacavam pelas “qualidades espirituais” e o poder de levar o som ao coração de cada um.

Depois de trabalhar em diversas universidades e estúdios de música eletrônica, Radigue viajou ao Tibete em 1975 para estudar a fundo o budismo. Apesar desse estudo ter interrompido seu desenvolvimento criativo, é possível observar a nítida diferença nas obras pós viagem, que traziam grande paz, tranquilidade e meditação.

Pioneira e visionária desde que começou seus trabalhos, Eliane Radigue criou uma obra autência, poderosa e única.