READING

Jack quer dançar: saiba mais sobre a nova pista da...

Jack quer dançar: saiba mais sobre a nova pista da Tantsa

Na próxima sexta a Tantsa, uma das festas expoentes do movimento independente de São Paulo, apresenta sua edição Chesango. O line up está mais uma vez poderoso e conta com os talentos de Bjarki, Tadeo, RHR, Mari Herzer e eaMokha na pista The Cave, espaço tradicional da festa dedicado ao techno. A novidade, além das estreias internacionais, fica por conta de um novo stage, esse dedicado ao movimento house de Chicago.

O DNA musical da Tantsa é inegavelmente dançante. Marcelo Madueño, um dos cabeças da festa, comenta esse background que dita o ritmo da festa: “A gente vai crescendo e os interesses mudam, mas vemos que a expressão corporal através da dança nos conecta além da mente com a música, independente de qual gênero, ou se você dança sozinho ou acompanhado”. A escolha das batidas de Chicago para dominarem a pista 2 muito se deve a isso. Com a The Jack (nome dado ao novo espaço) o time da Tantsa quer seguir na vanguarda musical da cidade e promete uma busca por referências fortes para compor o projeto.

Após essa edição, a Tantsa deve ter mais 3 ou 4 ainda esse ano. Ou seja, claramente o foco está em qualidade e não quantidade. Quanto ao crescimento da The Jack ao longo de 2018, Madu comenta: “Vamos começar com uma pista menor e mais intimista e crescer conforme o nosso público fiel absorva, novos fãs entrem em contato e haja uma troca de experiências”. Aproveitando o calor dessa novidade importante para cena house paulista e brasileira, convidamos Anhanguera, DJ Magal e Philipi para escolher suas faixas preferidas do Chicago House e, claro, comentar esse movimento tão importante para a história da dance music global. Confira:

Anhanguera

Robert Owens disse uma vez durante uma entrevista ao site Electronic Beats que enquanto trabalhava em um hospital de Chicago nos anos 80, escrevia algumas letras no papel higênico de um banheiro privado. Bring Down the Walls foi uma das faixas que surgiu assim. O vocal de Robert Owens ganhou corpo com a produção de ninguém menos que Larry Heard. Larry, um dos pioneiros da house music, adquiriu sua primeira drum machine 909 em 1984 pra fazer seus beats eletrônicos. Robert Owens conta que Larry levou Bring Down the Walls em tape pra ser testada no Paradise Garage, que por sua vez levou o público à loucura antes mesmo de sair pelo famoso selo de acid house de Chicago, Trax.

DJ Magal

Tive o privilégio de receber os primeiros discos de acid house entre os DJs daqui – isso em meados de 87/88, numa época em que não havia internet nem pré audição dos discos. Minha pesquisa era feita pelos artigos e textos dos semanários NME e Mellody Maker. Foi lá que vi uma matéria sobre um novo label. Trax Records de Chicago ficou mundialmente famoso entre os DJs: Adonis, Mr Fingers, Robert Owens, Future e Mr Lee são apenas umas das contribuições feitas pela Trax através dos anos.

Philipi

Tive o prazer de comprar o disco do Joe Smooth na loja Vinyl Kitchen, em Ghent, na Bélgica enquanto trabalhava no estúdio do Soulwax. Sem dúvida alguma essa é uma das minhas músicas favoritas de todos os tempos.

Mais informações sobre o evento aqui.

A MÚSICA CONECTA.


Alan Medeiros é publicitário, sócio-fundador do Alataj e nome por trás da Beats n' Lights Management.

RELATED POST

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

INSTAGRAM
SIGA-NOS