READING

Sempre em busca de novos sons, Bufiman chega ao Br...

Sempre em busca de novos sons, Bufiman chega ao Brasil para o Dekmantel

Jan Schulte é o homem por trás de Bufiman, projeto que reflete seu lado mais percussivo, dançante, exótico e selvagem. Ele ainda administra outros projetos musicais, mas nesse celebra maior liberdade para experimentação e entrega as pistas uma atmosfera bastante original e fora dos padrões.

Seu perfil corajoso e instigante conquistou o crew Dekmantel e hoje Jan é uma das apostas do coletivo. Isso fica claro após o lançamento do EP Peace Moves (entrevistamos o designer Michiel Schuurman, responsável pela capa do EP) lançado ano passado e na forma como o produtor musical tem se relacionado com o label. No próximo fim de semana Bufiman toca no Dekmantel São Paulo, mas claro que a gente já trocou uma ideia com ele antes disso:

Alataj: Olá, Jan! Obrigado por nos atender. Sua história na música já começa de forma interessante simplesmente pela sua cidade natal: Dusseldorf. Como foi crescer no mesmo lugar em que o Kraftwerk se desenvolveu? De que forma a atmosfera da cidade contribuiu para sua formação musical?

Bufiman: Pra ser sincero, descobri que Kraftwerk era de Dusseldorf quando tinha 19 ou 20 anos [risos]. Mas eu escutava as suas músicas quando era criança e desde então, me senti conectado à elas. Dusseldorf é uma cidade de contrastes. É um lugar pequenao e acolhedor, mas internacional e industrial. Tem áreas surrealmente elegantes e áreas difíceis também, muitas pessoas são repugnantemente conservadoras, mas a Academia de Belas Artes é uma das mais famosas e modernas do mundo. Este caldeirão de contrastes sempre moldou a cena local para se tornar radical e explorar novas dimensões.

Não há duvidas que a percussão é uma marca registrada de sua música. É possível dizer que trabalhar de forma categórica esse elemento se tornou uma paixão?

Era uma paixão antes de começar a trabalhar com isso. Eu não tinha muito equipamento nos primeiros anos de produção, então de alguma forma aprendi a me expressar através de samples e gravação de percussão básica ou supostamente simples.

Dekmantel, Baumusik e Music For Dream são alguns dos selos que você já colaborou como Bufiman. Quais fatores são determinantes na hora da escolha de uma gravadora para trabalhar?

Principalmente o contato pessoal. Eu preciso sentir uma conexão, tanto musical como interpessoal.

Ao escutar suas últimas produções, percebo um ar bastante corajoso no que diz respeito a quebra de padrões. Podemos dizer que produzir algo inovador tem sido uma de suas prioridades?

Obrigado! Uma grande parte do meu trabalho no estúdio é experimentar sons e efeitos e quando um som me faz lembrar de algo que eu já ouvi, eu paro e experimento coisas diferentes.

Depois de ouvir todos os tipos de música, não importa o gênero, tempo ou lugar, meus ouvidos ainda têm esse profundo desejo de ser surpreendido. Então, é possível dizer que tentar parecer o mais diferente e surpreendente possível é parte do meu processo de produção.

Ano passado eu entrevistei Michiel Schuurman, designer que cuidou da sua capa no EP Peace Moves. Quão preocupado você tem sido com os aspectos complementares de um lançamento?

Me sinto honrado por ter o trabalho de Michiel Schuurman para o EP Peace Moves. Ele é um designer incrível, muito progressivo e à frente de seu tempo. Eu estive completamente envolvido no processo de design da maioria dos meus lançamentos, mas nesse, eu apenas confiei no Michiel e Dekmantel.

No primeiro momento, fiquei chocado, pois nenhum dos meus lançamentos tinha sido tão colorido, a maioria dos layouts eram bastante minimalistas e geográficos, foi um grande contraste – mas quanto mais eu olhava mais eu adorava.

O que você espera dessa passagem pelo Dekmantel São Paulo? O que seus amigos DJs tem falado sobre a energia das pistas brasileiras?

Minha última experiência na América do Sul me mostrou que, apesar de eu me ver como uma pessoa positiva e acessível, os padrões de sinceridade e companheirismo estão em outro nível do que na Europa.

Então, como será um festival como o Dekmantel em São Paulo? Sendo que já é incrivelmente emocionante e intenso na Europa.

Aqui do Brasil percebemos que há um cena muito qualificada na Alemanha. Voltando nosso olhar aos jovens, você sente que há uma nova geração interessada em fomentar o nosso mercado na Europa como um todo?

A cena cresceu muito, há uma enorme quantidade de cabeças jovens entusiastas da música que cresceram com internet, então eles já têm conhecimento e desejo por sons novos ou incomuns. Isso é bom para a cena no geral.Eu particularmente adoro a situação, pois sou capaz de aprender tanto com a geração mais velha quanto com a mais nova.

Para finalizar, uma pergunta pessoal. O que a música representa em sua vida?

Um cosmos de alegria e emoções sem fim.

A música conecta as pessoas! 


Alan Medeiros é publicitário, sócio-fundador do Alataj e nome por trás da Beats n’ Lights Management.

RELATED POST

INSTAGRAM
SIGA-NOS