Tom Demac Tom Demac Tom Demac Tom Demac Tom Demac
Tom Demac Tom Demac Tom Demac Tom Demac Tom Demac
Tom Demac Tom Demac Tom Demac Tom Demac Tom Demac
Tom Demac Tom Demac Tom Demac Tom Demac Tom Demac

Alataj entrevista Tom Demac

Na contramão da maioria das figuras do cenário eletrônico, o britânico Tom Demac segue firme em seu propósito de focar apenas na propagação de boa música através de suas produções versáteis e sets muito bem comentados ao redor do mundo. Amante dos costumes e “culturas antigas”, ele não esconde sua vontade de voltar aos tempos onde as redes sociais não tomassem tanta energia à figura do artista e ele tivesse que levar seus discos de porta em porta nas lojas por aí.

Tom é um dos artistas que está sempre no radar e case de muitas outras figuras importantes da música, lançando seus trabalhos por gravadoras como Aus Music, Kompakt, Pets, Hypercolour, entre outras, além de já ter percorrido mais de 20 países ao redor do mundo, incluindo o Brasil. O novo lançamento do artista é uma colaboração de estreia com o DJ Skream para a Hot Creations na faixa EMF, que ganhou ainda um remix do label boss Jamie Jones. Conversamos com Tom sobre o lançamento e outros assuntos. Confira.

Alataj: Olá Tom, tudo bem? Obrigada por falar com a gente! Você é natural do Reino Unido, região que é solo fértil para a música eletrônica no geral enquanto história do cenário mundial, então não podemos deixar de perguntar: como aconteceu seu primeiro contato com a música eletrônica? Quando percebeu que queria fazer dela sua profissão?

Tom Demac: Estou bem, obrigado! Minha introdução à música eletrônica começou no Norte de Gales com Happy Hardcore e Jungle. Eu costumava colecionar pacotes de fitas de raves como Helter Skelter e Dreamscape e ouvi-las por horas a fio, aprendendo as rimas e gritos do MC. Alguns amigos mais velhos meus estavam todos ouvindo ‘Techno de verdade’, íamos todos fumar maconha no porão de um amigo enquanto todos eles se misturavam com os últimos discos de Jeff Mills, Joey Beltram e Neil Landstrumm. Eu era tão jovem na época, mas fiquei totalmente obcecado com os sons alienígenas, produções mínimas e texturas repetidas, era um som futurista para mim na época. 

Eu então mergulhei totalmente nisso, comprando todos os meus discos de John Berry e Mark Turner na lendária loja de discos Eastern Bloc, em Manchester. Fiquei praticamente em casa nos corredores da universidade, perdendo todas as minhas aulas para aprender a me produzir, e com essa dedicação desde cedo, só sabia que era isso que queria fazer pela minha carreira.

Você é conhecido por sua capacidade criativa muito inovadora, sempre se reinventando dentro de suas produções. Como você organiza sua rotina dentro do estúdio? Você tem alguma fonte de inspiração, além da música, que te move?

É definitivamente caso a caso e o que quer que eu esteja sentindo naquele dia. Acho que quando estou apenas tocando, sem qualquer inspiração ou ponto de partida definido, apenas levando por instinto, é aí que os diferentes lados da minha produção vêm à tona. E agora temos uma discografia que pula de gênero em gênero!

Seu próximo lançamento é uma colaboração de estreia com o DJ Skream para a Hot Creations. EMF vem em uma pegada break, porém com uma atmosfera mais sombria. Como se deu o processo de criação dessa faixa?

Fomos para um estúdio juntos na costa sul do Reino Unido, Devon Analogue Studio, apropriadamente nomeado de “uma casa de férias com ácido”!! Passamos três dias tocando em todos os incríveis sintetizadores no estúdio, com muito pouco sono! E a partir daí a ideia inicial para EMF foi gerada.

O remix de Jamie Jones trouxe uma nova roupagem à track com uma linha sonora bem característica dele. Como aconteceu essa colaboração? Como você avalia uma parceria com um artista do tamanho de Jamie Jones?

Enviamos a faixa para Jamie há um tempo atrás apenas para ver o que ele pensava. Ele sempre foi um fã de Electro e costumava bookar Anthony Rother com frequencia na sua festa Paradise nos primeiros anos. Os vídeos começaram a surgir online, Jamie largando a faixa para milhares de pessoas em grandes festivais … Ele queria assinar imediatamente, e o remix dele foi apenas a decisão lógica.

Vivemos em um mundo envolto pela tecnologia e mídias sociais, que por um lado facilitam o processo de produção e contato com o público mas, por outro, expõem demais o DJ que, hoje, é por vezes tratado como celebridade – isso sem contar a  mudança de comportamento do público dentro da pista de dança. Como você avalia isso? Tem algo dos tempos passados que você sente falta?

Eu sou um pouco mal-humorado velho idiota hoje em dia, e quase sinto falta de TUDO do passado! Eu luto com as mídias sociais para ser honesto, a necessidade constante de produzir conteúdo, então eu uso em ondas, mas provavelmente longe o suficiente, considerando os DJs influenciadores que usam isso como seu tudo. A música está em segundo lugar agora, ficando no banco de trás, é uma merda mesmo. Leve-me de volta a distribuir meus próprios discos do porta-malas do meu Peugeot 205 qualquer dia! Atenciosamente, o velho rabugento! 😉

Estamos passando por um período realmente conturbado no mundo do entretenimento, totalmente sem precedentes e que carrega consigo a necessidade de reavaliação do cenário e, por que não, de nós mesmos. Como você tem passado nesses dias? O que você acha que muda após o Coronavírus?

Eu estou bem, na verdade, considerando todas as coisas. Eu produzo música para muitos artistas em Londres e meu trabalho de mixagem e produção parecia ficar ainda mais ocupado com o lockdown. Algo pelo qual sou eternamente grato, pois entendo que não existem muitos por aí que tiveram a mesma sorte como eu tenho. Eu estava preocupado com o estado de nossa cena antes do Coronavirus, e estou ainda mais preocupado agora. Muitos clubs de Londres estão fechando em um ritmo acelerado, acredito que os clubs de Berlim estão realmente lutando para sobreviver a isso também. Mas há uma coisa que eu sei, e todos nós sabemos, a música eletrônica underground é resistente, e tudo de nós juntos é uma coisa poderosa, vamos superar isso e delirar juntos em breve!

Para finalizar, uma pergunta pessoal. O que é música para você?

Literalmente TUDO!!

A música conecta.