READING

Alataj entrevista Gregor Tresher

Alataj entrevista Gregor Tresher

Gregor Tresher está no time dos artistas capazes de transcender os diversos ciclos do mercado da música eletrônica, mantendo-se firme no mercado há quase 20 anos como DJ e produtor. Seu segredo, diz ele, é focar na melodia e no timbre das músicas, além de acrescentar um lado humano à elas, mesmo que sejam feitas com máquinas.

Nascido e crescido em Frankfurt, Tresher iniciou sua carreira nos anos 90 com o projeto Sniper Mode, emplacando dois álbuns aclamados pelo público e profissionais do ramo. Mas foi através de seu real nome que ele se encontrou na música e a partir de então conquistou respeito e notoriedade, que o levou a lançar faixas por gravadoras renomadas como Great Stuff — por onde lançou sua principal faixa até hoje, A Thousand Nights, em 2007 — Drumcode, Bedrock, Cocoon e também por seu próprio selo, GTO Recordings.

Com um álbum pronto para ser lançado mais uma vez pela Cocoon, selo de Sven Vath, Gregor Tresher conversou com a gente e contou um pouco mais sobre sua trajetória até aqui, conquistas e muito mais. Acompanhe:

Alataj: Olá Gregor, tudo bem? Estamos muito felizes em conversar contigo! São quase duas décadas trabalhando com música e uma carreira de muito sucesso. Como você se sente quando analisa sua trajetória e o respeito que conquistou no mercado?

Gregor Tresher: Olá! Sou muito grato por isso. Demorou algum tempo para fazer a carreira engrenar e é sempre uma luta no começo, mas acho que em algum momento a dedicação valeu a pena. Além disso estou feliz por poder continuar fazendo isso depois de todo esse tempo. É como eles dizem, é fácil fazer isso por um ano, a parte mais difícil de mantê-lo. Tento não me repetir e permanecer relevante não olhando para trás, mas para a frente. É disso que trata a música eletrônica, na minha opinião.

No início da sua carreira, você atendia pelo pseudônimo de Sniper Mode, nome que estava crescendo muito na época. O que fez você começar a utilizar seu próprio nome a partir de um certo momento?

Foi uma decisão consciente e foi uma boa coisa a se fazer olhando para trás. Depois que comecei a usar meu nome verdadeiro levei as coisas mais a sério e prestei muita atenção aos detalhes. Ao usar pseudônimos você sempre pode se esconder atrás dos nomes dos projetos, mas uma vez que esse é seu nome verdadeiro você precisa sustentar cada lançamento 100%.

Muita coisa mudou no cenário da música eletrônica desde o início da sua caminhada, para os artistas e também público, principalmente com a expansão da internet e tecnologias em geral. Comparando o que viveu na década de 90 e hoje, consegue nos citar um ponto positivo e outro negativo de todas essas mudanças?

Naquela época, você podia se destacar lançando música e quando as pessoas conheciam seu nome surgiam as oportunidades de tocar. Quando você tocava bem, as coisas continuavam. Agora não é necessariamente assim que as coisas acontecem hoje. Veja quantos dos grandes nomes não lançam músicas há séculos. Existem outras maneiras de fazer com que as pessoas o conheçam agora, especialmente as mídias sociais. Eu acho que, no final, a música de qualidade encontrará seu caminho de um jeito ou de outro.

Você possui uma extensa lista de lançamentos por gravadoras de renome como Great Stuff, Drumcode, Cocoon, entre outros. Qual foi o impacto dessas parcerias ao longo de sua carreira? Tem alguma gravadora que ainda gostaria de trabalhar?

Foi e ainda é uma maneira importante de controle de qualidade para mim. Quando você está executando sua própria gravadora, pode facilmente divulgar suas músicas mas, para mim, enviar músicas e demos para gravadoras de que gosto é uma boa maneira de obter uma segunda opinião e não me perder apenas em meu próprio julgamento. Se eu produzir uma demo e três gravadoras que eu gosto recusarem talvez eu deva avaliar a possibilidade de que a música que fiz não seja tão boa quanto eu acho. E sim, é claro que há selos com os quais gostaria de trabalhar. Vamos ver o que o futuro traz.

Falando em Cocoon, este ano você lança um álbum pela renomada gravadora de Sven Väth. O que podemos esperar desse novo projeto?

Estou trabalhando neste novo álbum há algum tempo e estou muito animado para lançá-lo no Cocoon. Eu tenho uma longa história com a gravadora e fiz alguns lançamentos ao longo dos anos, mas é claro que um álbum completo é outra coisa. Eu também entrei na agência em 2019, então as coisas meio que completam o círculo com o lançamento do álbum.

Sobre produção musical, você possui algum equipamento em especial que não vive sem na hora de criar uma faixa? Como você mantém sua capacidade criativa em meio a tours, gigs e outros compromissos?

Bem, provavelmente é apenas o meu computador. Eu tenho uma coleção de sintetizadores e equipamentos analógicos, mas no final nada disso é realmente insubstituível. Acredito que o equipamento é apenas uma ferramenta para transmitir suas ideias. Apenas a música importa no final, não da maneira como foi criada.

Voltando no tempo, se você pudesse dar um conselho ao Gregor Tresher há 20 anos atrás, qual seria?

Essa é difícil. Talvez não se preocupe muito quando a inspiração não chegar. Eu sempre achei muito difícil superar momentos improdutivos no estúdio, mas no final é bom saber que isso acontece com todo mundo e, eventualmente, você encontrará inspiração novamente. Ninguém pode ser criativo o tempo todo, e o tempo gasto no estúdio nunca é perda tempo.

Para finalizar, uma pergunta pessoal. O que é música para você?

Passado, presente e futuro.

A música conecta.


RELATED POST

INSTAGRAM
SIGA-NOS