O papel da música na formação de uma sociedade

É 2020 e pessoas das mais diversas camadas da sociedade estão enfrentando realidades pessoais para passar por um dos períodos mais difíceis de toda a humanidade.

É fato que a pandemia do novo Coronavírus, que trouxe a COVID-19 e seus inúmeros problemas, mexeu com as estruturas das organizações sociais em países ao redor do globo, mas há muita gente que diga que esses alicerces já não vinham tão firmes e seguros assim mesmo antes do microscópico vírus.

Internet, smartphones, telas, redes sociais: parece que a gente passou a dar mais atenção para o que era artificial ao invés do que era natural e agora temos uma oportunidade incrível de resgatar aquela que, para mim, é a mais incrível de todas as artes: a boa e velha música.

Basta entrar em qualquer grande portal de notícias por aí para saber que a música não tem nem papel secundário ou terciário; ela vem depois das publicações de Esportes, Política, Fofocas, Televisão e mais, e isso é prova clara de quanto o globo é dependente de notas e instrumentos musicais para viver em harmonia.

É só voltar um pouco no passado para relembrar como a música se mesclou à cultura mundial e nos proporcionou momentos incríveis e, sempre que esteve andando lado a lado da sociedade a transformou para melhor.

Desde a invenção de instrumentos como a guitarra elétrica até a popularização da música eletrônica, os sons criados e reproduzidos por seres humanos através de coisas reais sempre se conectaram com as pessoas e embalaram as fases mais incríveis de suas vidas.

A adolescência nos Anos 90 foi marcada de várias formas: das raves britânicas à visceralidade de Kurt Cobain, dos acordes poderosos até as batidas hipnotizantes, e estes são apenas dois dos exemplos de quando a música nos impactou positivamente e mudou a história.

Desde que o mundo é mundo, tivemos nossos sonhos, formaturas, gritos de protesto, momentos de lazer, de fúria, de consolo e de tristeza atrelados a compositores, intérpretes, instrumentistas, produtores, DJs e mais, que nos colocaram em lugares melhores com discos de vinil, fitas K7, CDs, shows, festivais e fizeram da rotina algo mais leve sempre que sussurravam em nossos fones de ouvido.

O Rap salva vidas e molda ideais revolucionárias, o Rock é libertador, o Pop coloca um sorriso em nossos rostos e a Música Eletrônica é válvula de escape; não dá pra negar: a música sempre fez parte da construção de todas as áreas das nossas vidas e do estagiário ao presidente da nação mais poderosa do planeta, se ela não está presente, a coisa desanda.

Novos momentos estão por vir e uma nova era se desenha à frente dos olhos de todo mundo, mas podemos afirmar sem medo de errar que de nada adiantará uma revolução social e, principalmente, o afastamento de elementos plásticos como um feed de rede social se não embalarmos os nossos novos pensamentos com muita música. E eu tenho certeza: isso irá acontecer.

A música conecta.