A ascensão brasileira nos sets dos principais nomes globais de House e Techno

Que momento estamos vivendo, senhoras e senhores! E quando digo isso não tem a ver com pandemia ou qualquer outra situação negativa, apesar de que ela tem ajudado um pouco neste sentido – você já vai entender o motivo. Estou falando desse momento brilhante que nosso país vive em relação ao cenário da música eletrônica em nível global, a visibilidade que nossos artistas nacionais tem alcançado, atingindo gravadoras de renome, recebendo suporte de grandes figuras da música em seus sets e cravando nossa bandeira cada vez mais países a fora.

Sem sombra de dúvidas vivemos o momento mais efervescente da história neste sentido, principalmente quando falamos em produção musical. A crescente vem sendo exponencial e sem previsão de cair desde os últimos três anos e, ao vislumbrar este belo panorama, decidimos entender e analisar como chegamos até aqui. Talvez você, produtor musical que busca um patamar privilegiado dentro desse mercado tão acirrado possa tirar daqui boas ideias e inspirações para dar continuidade ao seu trabalho? Acredito que sim, já que enxergamos vários fatores que influenciaram este resultado.

A qualidade do trabalho, contudo, não ganharia visibilidade sem a atuação das gravadoras, tanto nacionais quanto internacionais, que há anos vem realizando um intercâmbio de artistas e excelentes conexões que foram imprescindíveis neste sentido. Muito também se deve aos brasileiros que se estabeleceram em terras estrangeiras e de lá fundaram seus labels e iniciaram um trabalho de exportação de amigos, parceiros e demais artistas que chamavam a atenção da curadoria. O intercâmbio também tem acontecido com frequência entre label parties. Artistas e profissionais internacionais mais acessíveis tem realizado boas trocas entre artistas, colocado não apenas produtores, mas DJs em seus radares, abrindo portas para que eles também se apresentem em outros países e mostrem seus trabalhos.

Neste sentido, não dá pra deixar de lado a evolução do trabalho das agências de bookings nacionais que vem incansavelmente buscando a prospecção dos seus artistas para cada vez mais longe, dando um suporte importante em suas carreiras e posicionando-os internacionalmente de maneira consistente. A chegada no Brasil de portais e plataformas de streamings importantes merece seu destaque. O Boiler Room, por exemplo, colocou DJs e, consequentemente, produtores no radar de outros profissionais do mercado e, mais uma vez, temos uma bela conexão.

E se você acha que esqueceríamos das mídias sociais, engana-se. O avanço dessas plataformas facilitou todos esses intercâmbios e conexões que falamos até agora. Mostrar seu trabalho pelo SoundCloud, Mixcloud, Spotify, entre outros programas, se tornou uma tarefa muito mais fácil com o boom de redes sociais como Facebook, Instagram, Twitter e seus infinitos recursos. Em tempos de pandemia vemos artistas de grande calibre constantemente online em suas redes e muito mais receptivos a uma boa conversa e, por que não, avaliação de novos trabalhos. A pausa nos eventos, aliás, proporcionou momentos mais intensos nos estúdios e na curadoria dentro das gravadoras no mundo todo.

É… neste sentido a pandemia até que trouxe pontos positivos, convenhamos. Hoje temos acompanhado as lives que estão sendo realizadas por artistas de todo o mundo e recebemos uma chuva de suportes de grandes nomes da música aos nossos artistas. É claro que tudo isso se reforça, e muito, com nossos conterrâneos que hoje ocupam um lugar privilegiado entre os highlights mundiais do cenário. Há muitos anos nosso país exporta nomes conceituados e que até hoje são grandes heróis pelos quatro cantos do mundo como DJ Marky e Gui Boratto. Hoje, junto a eles temos uma gama de artistas que têm igualmente colaborado para estabelecer o alto nível da nossa música. ANNA, Wehbba, Victor Ruiz e outros nomes são destaques absolutos nos melhores clubs e festivais ao redor do mundo, dando ainda mais visibilidade e despertando cada vez mais o interesse de profissionais do mercado em nossos artistas.

Nós até pensamos em citar muitos dos nomes que tem recebido merecidamente o devido destaque, mas a lista é grande. Não tão grande quanto nossa admiração, respeito e orgulho pelo ótimo trabalho que vem sendo realizado. O Brasil é um país rico em cultura de uma forma inimaginável e a amplitude artística que vislumbramos é consequência disso. Do Norte ao Sul encontramos diferentes sonoridades produzidas por figuras que resgatam e enaltecem referências e raízes culturais diferentes e também por isso vemos artistas com um produto único e de tamanha qualidade. Basta uma bela e simples soma de tudo isso que falamos, um bocado de talento e tá aí o resultado. 

Que a crescente siga constante e que nossa bandeira siga percorrendo o mundo da música.

A música conecta.