Entrevistas
Harry Romero Harry Romero Harry Romero Harry Romero Harry Romero
Harry Romero Harry Romero Harry Romero Harry Romero Harry Romero
Harry Romero Harry Romero Harry Romero Harry Romero Harry Romero
Harry Romero Harry Romero Harry Romero Harry Romero Harry Romero

Alataj entrevista Harry Romero

Logo após lançar o single The Tribe assinado pelo novato duo DOWNLow, a Adesso Music presenteou os ouvintes com um excelente remix de ninguém menos que Harry Romero.

Com o privilégio de ter sido criado em uma família musical — sua mãe mergulhou no ar com os ritmos latinos de merengue e cumbia, enquanto seu pai, um ex-tenor da ópera, praticava suas escalas e ouvia Beethoven — Harry desde cedo procurava constantemente expandir-se musicalmente… e foi o que aconteceu. Hoje é um artista super reconhecido, com lançamentos por Nervous, Defected e Crosstown Rebels.

Nesta oportunidade, pudemos falar um pouco mais com Harry sobre seu novo remix entregue pela Adesso Music, uma faixa que com certeza agitaria qualquer pista de dança graças a bateria robusta, vocais quentes, synths e BPMs acelerados.

Alataj: Harry, recentemente entrevistamos o DOWNLow sobre seu primeiro lançamento oficial, The Tribe. Eles disseram que o manager enviou uma mensagem perguntando quem eles queriam que remixasse a faixa, e eles sugeriram de brincadeira o seu nome, porque jamais imaginaram que fosse algo tangível ter um artista do seu tamanho produzindo um remix pra eles agora. Como foi que rolou essa história com você e o que te levou a topar essa produção?

Harry Romero: Bom, meu manager enviou os detalhes e perguntou se eu gostaria de remixar. Assim que ouvi, já soube o que queria fazer. Estou animado com o projeto! Este é o Harry animado.

Importaria-se de nos explicar como surgiu a ideia para o remix e como você a executou? Quanto tempo acabou levando?

Foram dois dias inteiros. Normalmente, quando ouço uma faixa para remixar, saber que a ouvi finalizada me ajuda. Após isso, é importante recortar e trabalhar com partes curtas e poderosas. Então, volto algumas horas depois. No dia seguinte, me certifico de que as transições soam bem.

E quanto à Adesso Music? Tem acompanhado de perto os lançamentos da gravadora? O que tem achado da iniciativa?

Acho que eles devem manter a consistência, assim terão uma ótima jornada.

É louco que nós estamos fazendo a entrevista do Brasil, e coincidentemente, no mesmo dia do remix de The Tribe, você também lançou o seu remix para Mania de Você, clássico da icônica Rita Lee, em uma coletânea de remixes que conta com muitos expoentes brasileiros, como DJ Marky, Gui Boratto e Tropkillaz. Como surgiu esse convite e como foi a experiência da produção? Você tem proximidade com algum desses artistas?

Conheço o trabalho de Gui na Kompakt Records, fiz minha pesquisa! É muito legal que João Lee, filho de Rita, tenha a visão de fazer um projeto eletrônico diferente. Tive que me familiarizar com a música dela e entender seu poder principalmente nos anos 70 e 80. Foi legal fazer parte disso e deixar o meu toque.

Estamos no meio de algo diferente de qualquer outra coisa que já tenhamos experimentado antes: a pandemia do novo coronavírus. Como está sendo pra você? Serviu para refletir e repensar algo em relação à sua vida ou profissão?

Foi uma chance de parar. Eu não parava há 25 anos. Foi uma forma forçada de me fazer desacelerar e dar valor as minhas bênçãos. Fortaleci minha relação com meus filhos e com minha esposa, além de me concentrar mais enquanto produtor. Tenho abordado minhas produções de uma forma mais artística e experimental. Acho que nunca vou sentir falta de estar na estrada – o que sinto falta é de me conectar com as pessoas na pista de dança. Estou sentindo falta daquela conexão humana com o público.

Uma pequena viagem no tempo agora: como foi ter tido o privilégio de crescer em meio à efervescente cena houseira de Nova Iorque nos anos 90? E como você coloca em perspectiva o que era a cena clubber naquela época em relação aos dias de hoje. Você acha que evoluiu ou aquela foi a era de ouro? O que melhorou e o que piorou?

Correndo o risco de parecer um DJ rabugento, a melhor forma de descrever é que sabíamos que estávamos vivenciando algo especial. O que não sabíamos é que estávamos testemunhando a história.

Quem são os artistas de house que empolgam os seus ouvidos atualmente?

Cinthie e Salome Le Chat são duas que vêm à mente. Gosto da vibe da Cinthie e estou ansioso para conhecê-la. Ela se dedicou à arte e ao ofício da música. Tenho muito respeito por quem faz isso com autenticidade.

De volta pro futuro: o que Harry Romero pode nos adiantar sobre o que está por vir pela frente?

Tem uma collab muito especial chamada El Ritmo por Vega e Romero saindo na minha gravadora Bambossa, sempre quis fazer uma faixa com Louie Vega. Também tenho uma faixa com um cantor chamado Shyam, a qual estou terminando enquanto conversamos.

No Alataj, sempre fechamos nossas entrevistas com esta pergunta: o que a música representa na sua vida?

Caminhamos e falamos em um ritmo. Representa o seu interior!

A música conecta.