Entrevistas
Jungle Fire Jungle Fire Jungle Fire Jungle Fire Jungle Fire
Jungle Fire Jungle Fire Jungle Fire Jungle Fire Jungle Fire
Jungle Fire Jungle Fire Jungle Fire Jungle Fire Jungle Fire
Jungle Fire Jungle Fire Jungle Fire Jungle Fire Jungle Fire

Alataj entrevista Jungle Fire

Funk, Soul, R&B, música caribenha e africana são alguns subgêneros musicais que muitos artistas, sejam eles DJs e/ou produtores, usam em suas apresentações e composições. A música negra como um todo é dona de um swing único que é capaz de se transformar por  infinitas vezes para que algo novo possa vir ao mundo e ser dançado por muitos. Essa é a grande magia da música, não é mesmo?   

É exatamente em cima desse pool de referências e atitudes que o grupo Jungle Fire foi formado ainda no início da década passada na cidade de Los Angeles, um lugar que transborda o intercâmbio cultural entre cidadãos de todas as partes do mundo, fazendo da cidade o cenário perfeito para um grupo formado por oito pessoas que vivem para o Soul e Funk.

Não demorou muito para que o grupo flertasse com a pista de dança assim como a pista de dança flertasse com o som que o Jungle Fire faz, fazendo com que a Razor N Tape, gravadora especializada na fusão entre ritmos negros e latinos com a House Music, passasse a trabalhar eles, a exemplo o ultimo EP de remixes chamado Atómico que conta com artistas como Felipe Gordon, DJ Nu-Mark e JKriv.

Em nome do Alataj, Sharon Andrews bateu um papo com os caras sobre carreira, influências, planos futuros e tudo mais que comporta em uma entrevista. O resultado você confere logo abaixo.   

Alataj: Olá, pessoal! Obrigado por conversar conosco. Como vocês estão nos últimos 18 meses?

Jungle Fire: Obrigado por nos contactar! Temos feito tudo o que podemos para manter a sanidade, apesar de toda a loucura do mundo. Os últimos 18 meses têm sido muito desafiadores, já que não conseguimos sair, tocar ao vivo ou estar perto de muitas pessoas, mas encontramos tempo para escrever e gravar músicas para a banda, bem como ajudar uns aos outros e as pessoas em nosso círculos com seus projetos também. De certa forma, o bloqueio solidificou certas conexões e criou novas para nós.

Vocês criaram o grupo em Los Angeles, certo? Como está a cena lá? As pessoas estão começando a curtir festas e shows de novo?

No início de julho houve um aumento na atividade e as pessoas começaram a sair e tentar esquecer todas as adversidades dos últimos 18 meses. Houve um frenesi e todos estavam lutando para estar disponíveis para tocar. Isso diminuiu um pouco desde o aumento de casos e variantes. Esperamos que se estabilize em breve, para que possamos encontrar uma maneira de superar tudo isso que beneficie a todos.

Então a cena eletrônica daí está se recuperando? Algum club ou local de eventos fechou para sempre?

Essa é uma pergunta difícil! Muitos e muitos locais fecharam permanentemente, infelizmente. E com a apropriação de terras por “incorporadores” imobiliários muito ricos, parece improvável que novos lugares acessíveis sejam abertos para beneficiar o público em geral. Vimos muita ganância de proprietários de casas de shows onde, devido à alta demanda por música ao vivo, eles vão aumentar os preços das entradas e das bebidas sabendo muito bem que irão faturar muito, mas cortarão os honorários dos músicos pela metade. É muito desprezível. Realmente esperamos que isso também seja resolvido.

Vocês já retomaram o booking para apresentações em clubs e festivais? E o quanto vocês sentiram falta de estar em turnê?

Começamos a agendar algumas gigs em clubs e festivais, mas conforme os casos aumentam novamente, vários estão sendo cancelados. Infelizmente, essa é a realidade para muitos músicos. É ótimo tocar para as pessoas de novo e sentimos muita falta disso!
Adoramos tocar para pessoas de todo o mundo, aprendendo sobre e com elas, curtindo novos lugares, sons, gostos e experiências. Nós REALMENTE esperamos poder fazer isso novamente.

Notamos que cada artista reagiu diferente ao lockdown. Vocês conseguiram ficar motivados musicalmente e conectados com a banda nesse período?

Felizmente para nós, a música é uma vocação e não apenas um trabalho. Por isso, e também pela rede de apoio da qual fazemos parte com outros músicos como nós, nunca perdemos o amor ou a vontade de fazer música. Às vezes é logisticamente difícil de fazer acontecer, mas acontece.

Jungle Fire está fora de Los Angeles. Tantas influências diferentes em seu som – LA é de onde vocês são?

Gostamos de pensar que somos uma representação do que pode acontecer (definitivamente não é TUDO o que pode acontecer!) em um caldeirão como Los Angeles. Somos uma mistura de pessoas, tanto locais quanto viajantes, que gostam de música e pessoas de todo o mundo. Temos a sorte de ter vivido em uma cidade como LA, que oferece tantos caminhos para expressão e colaboração, mesmo que nem sempre seja fácil fazê-lo.

Há quanto tempo Jungle Fire existe? Quando começou? Como vocês todos se encontraram?

O grupo se apresentou pela primeira vez há 10 anos (2011) como parte do que seria uma apresentação única das batidas de break do Funk latino do início dos anos 70 para uma festa de B-Boy local. Joey Reina, nosso baixista, procurou alguns amigos para ajudá-lo a montar. Foi divertido, então mais alguns shows como aquele foram feitos e, apenas por diversão, o grupo de amigos decidiu passar um fim de semana fazendo música no estilo da música que havia sido tocada. Essas sessões foram em janeiro de 2012, e gravamos uma música original (Tokuta) e um Comencemos (um cover de Let’s Start de Fela feito em homenagem ao estilo funky de Phirpo y Sus Caribes) e pudemos ser considerados o início do Jungle Fire como um projeto. Depois dessas sessões, através de algumas conexões mútuas, conseguimos uma cópia de Comencemos para Gilles Peterson e Craig Charles na BBC e, antes que percebêssemos, estávamos em turnê pelo Reino Unido! Foi quando o grupo realmente se fundiu em uma banda, mesmo que nunca tivesse a intenção de ser um projeto de longo prazo.

Então, vocês são músicos, um live act e produtores. Vocês também são DJs?

Somos principalmente músicos e produtores. Alguns de nós têm experiência como DJs, embora nenhum de nós afirme ser DJs oficiais. É divertido ocasionalmente, sempre que não é possível tocar ao vivo, agitar uma festa com música legal que a maioria das pessoas normalmente não ouviria, mas definitivamente gostaria.

É possível dizer que sua música abrange diferentes gêneros. Como vocês descreveriam melhor o seu som?

Nosso estilo, que temos chamado de TropiFunk, é um amálgama de vários estilos de música da diáspora africana, mais especificamente artistas de estilos de dança populares do início dos anos 70 da África Ocidental Afrobeat e Makossa a la Fela e Manu Dibango, no Caribe (Irakere e Juan Pablo Torres) e os EUA (James Brown e Ray Barretto).

Com empresas como a Worldwide FM, Gilles Peterson hasteando a bandeira da música ‘global’, as paletas musicais estão se expandindo. Você acompanha a Worldwide FM em LA? Existe uma estação de rádio que prevalece em sua região?

Temos a sorte de ser amigos de vários radialistas em LA, como Garth Trinidad e Jeremy Soul, Novena Carmel e Anthony Valadez, entre outros, e temos sorte de ter recebido seu apoio. Mas também recebemos apoio de pessoas / grupos como os DJs de Paris na França e a Rádio Gladys Palmera na Espanha. É um ótimo momento para se inspirar globalmente, com certeza!

Então, a banda é Steve Haney e Alberto Lopez na percussão, Sam Halterman na bateria, Joey Reina no baixo, Sam Robles no sax barítono e flauta, Sean Billings no trompete, Pat Bailey e Jud McDaniel nas guitarras (e às vezes baixo!), Michael Duffy em Timbales e Otto Granillo tocam trombone. Eu esqueci de alguém? Porque vocês são em 10, certo?

Nossa banda se manteve fiel à formação original. Michael Duffy e Otto Granillo partiram há vários anos, embora suas contribuições permaneçam para sempre. Ambos têm projetos muito legais que valem a pena! Hoje em dia Miguel Ramirez (ou outros amigos sempre que não está disponível devido às suas funções como fundador da grande La Santa Cecilia) é o terceiro percussionista e a cadeira de trombone é frequentemente manuseada pelo trombonista brasileiro Fabio Santana ou Humberto Ruíz. Temos sorte de viver em uma cidade que tem músicos incríveis o suficiente que também estão na música que a banda escreve e toca!

Deve ser meio louco tentar tomar decisões em uma banda tão grande. Como vocês decidem sobre as coisas? Vocês fazem votação ou há alguém que dá a palavra final?

Embora nem sempre seja fácil, somos uma verdadeira democracia. Ninguém tem a última palavra sobre nada e operamos por consenso geral. Se a grande maioria de nós não gosta de algo, simplesmente não o fazemos. Isso mantém as coisas divertidas e sérias.

Vocês diriam que existem algumas grandes bandas ou artistas que são ou que têm sido uma inspiração para você? Se sim, quais? 

Com certeza! Mencionamos Fela, Manu Dibango, Irakere, Juan Pablo Torres, James Brown e Ray Barretto. Mas outros, como Phirpo, Osibisa Heads, Ebo Taylor, Alhaji Frimpong e WAR entre muitos, muitos outros continuarão com suas contribuições.

Parece que acontece alguma mágica quando grandes grupos se reúnem. Vocês também sentem isso? Se sim, por quê? 

Não há nada como a confluência de energias criativas que acontece quando um grupo de pessoas se reúne. É diferente de tudo que já experimentamos. O truque é estar em sincronia, mas quando isso acontecer, é a verdadeira mágica.

Ver todos vocês se apresentando me dá a sensação das magníficas Batucadas. Mas você precisaria de mais bateria para isso, certo?

Obrigado! Adoraríamos conjurar esse tipo de energia. Talvez algum dia.

O EP Firewalker on Colemine foi lançado em 2013. Há um relançamento acontecendo nesse 7”?

Felizmente, ainda está disponível! A Colemine fez um ótimo trabalho em mantê-lo em estoque. Essa música foi nossa composição de maior sucesso e estamos muito gratos por tudo que ela fez. Temos a sorte de ter parceiros como Colemine, Nacional e agora Razor-N-Tape que nos ajudam a divulgar nossa música de uma forma tão boa.

Vocês lançaram alguns discos de 7”. O que vocês tanto gostam sobre o formato de vinil preto de 7”?

É legal ter o foco de um 7 polegadas. Quando você pega, você sabe o que é e pronto! Não é bem a gratificação instantânea do streaming, mas muito mais legal!

Seu álbum foi lançado em 2020 pela Nacional Records. Esse foi o primeiro álbum de vocês? Quanto tempo demorou para fazer? Como foi a criação dele?

Nosso autointitulado lançamento de 2020 pela Nacional Records é na verdade nosso terceiro álbum (Tropicoso, de 2014, e Jambú, de 2017, o precedem). Como acontece com todos os nossos álbuns, foi um processo orgânico baseado em nosso processo de composição coletiva. A maior parte foi concebida como experimentos voltados para a pontuação do documentário “! 8th & Grand” sobre o famoso Auditório Olímpico de LA, que finalmente foi lançado em fevereiro de 2021.

O Nacional Records é um label que eu amo. Sinto que eles defendem muitos artistas indie e underground. É por isso que vocês os abordaram?

Nacional é muito legal! Eles definitivamente têm sua maneira de fazer, o que é incrível. Curiosamente, eles se aproximaram de nós quando Canyon Cody, que era um A&R com eles na época e um amigo da cena underground de LA, mostrou nossa música para Tomas Cookman, o chefe da gravadora. Como estava, tínhamos acabado de gravar e mixar o álbum depois de voltar da turnê no Reino Unido de 2013 e estávamos procurando alguém para lançá-lo. Foi muito fortuito!

E com a Razor-N-Tape? Como começou seu relacionamento com o selo? Vocês eram fãs do selo antes de seu primeiro lançamento, três anos atrás?

Colaboramos e / ou nos conhecemos através dos diferentes elementos do label. Vários anos atrás eles nos abordaram para fazer alguns remixes de algumas de nossas músicas e conhecer o trabalho de JKriv e outros em sua lista, estamos felizes em fazer isso. Essa também tem sido uma relação muito orgânica que estamos felizes de ter funcionado!

E sim! Definitivamente tínhamos agitado a música deles em nossos aparelhos de som e festas no passado.

Vamos falar sobre seu novo lançamento no RNT Reserve. Vocês podem comentar um pouco através das faixas?

Para nós, tudo começou há alguns anos, quando Patty B (uma de nossas guitarristas) fez um remix matador de LA Kossa apenas por diversão. Sempre quisemos lançá-lo, mas nunca chegamos a isso. Então, no ano passado, quando a pandemia começou, DJ Nu-Mark (também um amigo de longa data) nos pediu para tocar um remix dele e pedimos a ele para fazer um remix para uma de nossas novas músicas. Ele escolheu Atómico. Nós amamos essa mistura! Quando a RNT nos abordou sobre um acompanhamento para o primeiro lançamento de remixes, mostramos a eles para remixes. Nosso baterista, Sam Halterman (também conhecido como Samual Miles), também fez um remix incrível de nossa música Biri Biri, que ele fez para se divertir durante a pandemia, que a RNT também adorou. JKriv estava empolgado em pular em uma de nossas músicas e a gravadora fez com que Felipe Gordon também o fizesse. Estamos muito felizes com os resultados e esperamos que outros pensem da mesma maneira!

Como vocês se sentem sobre a sua música receber os remixes? Felipe Gordon é um remixer “infernal” de se ter a bordo, não é mesmo?

Ficamos sempre felizes quando pessoas legais gostam de nossa música! Fico feliz em poder fazer coisas que as pessoas querem trabalhar e colocar nos ouvidos das pessoas.

Quem decide quem serão os remixers de suas faixas?  Isso é decidido pela gravadora ou são pessoas com quem vocês desejam trabalhar?

É muito orgânico. Alguns são amigos, outros são oferecidos pela gravadora. Felizmente, é sempre um bom ajuste.

Há algum artista com quem vocês gostariam de colaborar?

Com certeza! Temos falado com os nossos amigos Bixiga 70, Brownout, Chico Mann (famoso no Antibalas) e vários outros que preferimos não falar para não estragar a surpresa. Definitivamente, alguns artistas muito legais!

Quais outros lançamentos vocês têm planejado para este ano?

Temos gravado alguns  vocais com nosso amigo de longa data (e às vezes convidado em nossos shows), Jamie Allensworth. Também gravamos algumas com o grande Afrodyete e temos estado ocupados escrevendo músicas para o nosso aniversário de 10 anos no próximo ano! Haverá muitas colaborações e ainda mais músicas originais do Jungle Fire.

Os últimos 18 meses foram repletos de desafios para o nosso cenário. Mas Covid à parte, quais são alguns dos desafios que vocês enfrentaram como banda para divulgar sua música?

É difícil divulgar quando não há foco percebido do público. Sem shows e experiências tangíveis, nosso público (que geralmente prefere esse tipo de experiência) fica um pouco perdido. Como acontece com todos, porém, estamos fazendo o nosso melhor para descobrir tudo.

Se vocês tivessem o poder de mudar algo na indústria da música, o que seria?

Vamos parar de chamá-lo e tratá-lo como uma indústria! Fazemos arte para elevar as pessoas, não coisas para consumir. Vamos elevar uns aos outros de maneiras significativas para que todos nos beneficiamos de estar na jornada de vida uns dos outros.

O que vocês estão buscando para o resto do verão e qual é a sua mensagem positiva para o resto de 2021?

Estaremos escrevendo e gravando muitas músicas! E ensaiando para quando pudermos voltar para a estrada.

Nossa mensagem positiva é: Nós amamos vocês! Vamos manter o amor fluindo.

Para encerrar, onde podemos encontrar vocês ao vivo em breve? E muito obrigada pelo seu valioso tempo!

Faremos alguns shows locais pela Califórnia, mas esperamos chegar na sua terra logo!

Obrigado por nos receber! Amor para todos vocês!

A música conecta.