Sean McCabe Sean McCabe Sean McCabe Sean McCabe Sean McCabe
Sean McCabe Sean McCabe Sean McCabe Sean McCabe Sean McCabe
Sean McCabe Sean McCabe Sean McCabe Sean McCabe Sean McCabe
Sean McCabe Sean McCabe Sean McCabe Sean McCabe Sean McCabe

Alataj entrevista Sean McCabe

Uma pessoa realmente comprometida em compartilhar conhecimento, histórias, anseios e outras maravilhas que só conseguimos captar de alguém com uma boa experiência profissional, talento e humildade para trocar ideias. Essa é a impressão que ficou de Sean McCabe com o bate-papo que tivemos com ele. O artista é um grande mestre da House Music e seu crescimento exponencial não é por acaso. O início de sua carreira aconteceu em 2003, através da produção de músicas para games e desde então ele se tornou um aficionado pela criação e aprofundamento das habilidades dentro desse universo.

O artista já passou por gravadoras respeitáveis dentro do estilo como Z Records comandada por Dave Lee -, Tribe Records, D-Rom, Quantize Records entre outras, além de lançar suas faixas em sua própria gravadora, a Good Vibrations Music, selo em que está trabalhando mais do que nunca nos últimos meses, enquanto não retorna às gigs e viagens tão aguardadas por todos. Seu último lançamento é o single Wanna Dance, em colaboração com Turbojazz e vocais do consagrado cantor e compositor Javonntte.

Sem mais delongas por que a conversa é muito gostosa e traz assuntos bem interessantes e muito conhecimento. Realmente vale à pena. Aproveite!

Alataj: Olá Sean, tudo bem? Obrigada por falar conosco! Você está situado em Bristol, cidade que não é tão distante de Londres e que deve se conectar bastante com o cenário de lá. Como foi seu primeiro contato com a música eletrônica? De que forma a cultura que você vivenciou influenciou na sua música hoje?

Sean McCabe: Ei, estou bem, obrigado. É ótimo conversar com você. Moro em Bristol desde 2012, que é um lugar muito criativo para se estar, perfeito para mim. Eu me mudei para cá de Bridgend em South Wales, onde passei minha juventude.

Eu conheci a música eletrônica pela primeira vez aos 12 anos no final dos anos 90, ouvindo DJs na rádio como Danny Rampling e o Deli-G de Bristol. Esses eram os que tocavam o tipo de House mais Soulful da época. Eu ouvia Masters At Work, Kerri Chandler, David Morales, Joey Negro, artistas assim.

A partir de então, eu ‘peguei o bug’ e me deparei com a criação musical de games em 1998 no Playstation 1 chamado Music, que era um DAW baseado em drag e drop loop. Isso me deu um gostinho de produzir arranjos música eletrônica e fiquei obcecado por isso. Mas eu queria aprender a fazer música melhor, como a que estava ouvindo no rádio. Mais tarde, progredi para o uso de Reason e, eventualmente, Cubase.

Como eu era muito jovem para ir a clubes na época, a única outra coisa que me influenciou foram as lojas de discos. Eu iria comprar discos todos os sábados e passava o dia todo ouvindo e falando sobre música. Acho que o importante sobre as lojas de discos é que dá a oportunidade de conhecer muitas pessoas diferentes da música. É um lugar onde você pode fazer ótimas conexões para o resto da vida.

Por meio dessas conexões, conheci a produtora Southern Divide, da qual Deli-G fazia parte. Passei a maior parte da minha adolescência e início dos 20 anos no estúdio deles, aprendendo o máximo que pude sobre produção, remixagem, composição e arranjos.

Quando eu tinha idade suficiente comecei a ir junto com Deli para suas apresentações. Houve também um evento em Cardiff chamado L’America, onde vi nomes como Louie Vega, Frankie Knuckles, CJ Mackintosh, Danny Krivit e Jazz N Groove. Tudo isso influenciou fortemente meu estilo hoje.

Seu novo lançamento é a faixa Wanna Dance, em colaboração com Turbojazz, uma faixa de Deep House que ainda conta com dois ótimos remixes. Como aconteceu a ideia desse projeto? Como se deu o contato com Turbojazz?

Surpreendentemente o Turbojazz entrou em contato comigo em fevereiro de 2020 no Instagram para trabalhar nesta produção com ele, o que foi uma coisa muito legal vindo de alguém que respeito o trabalho. Ele me disse que tinha esse vocal de Javonntte, para o qual ele havia feito alguns beats, e então me enviou os stems para verificar.

Como acontece com muitas colaborações nunca sei bem o que esperar ou mesmo sei o que vou fazer de antemão. Antes de concordar com qualquer remix ou colaboração, eu costumo tocar no Rhodes enquanto ouço para ver se é algo com que meu som funcionará bem. Depois disso, deixo as ideias fluírem naturalmente e vejo o que acontece.

Trabalhar em colaboração é uma experiência diferente da criação solo? Quais as vantagens desse formato?

Sim, é uma experiência muito diferente para mim pois significa que não preciso adivinhar o que estou fazendo tanto e me sinto mais relaxado. Além disso é útil ter outra pessoa para apresentar as ideias. Eu geralmente sinto que posso trabalhar mais rápido lançando algumas ideias e sempre há a opção de deixar a outra pessoa dar sua opinião quando eu bato em uma parede com ideias.

Minha maior dificuldade geralmente é fazer arranjos e, nesse ponto, geralmente tenho que deixar uma ideia de lado até me sentir inspirado o suficiente para saber aonde levá-la em seguida.

Com este especificamente, as batidas estavam se acertando desde o início, então não precisamos fazer muito mais para colocá-las no conjunto. Isso geralmente é algo que levo muito tempo para fazer e meu processo de criação de beats pode ser bem complicado, com muitas camadas para torná-lo interessante, mas isso também torna muito complicado misturar e me leva muito tempo. O que eu gostei sobre o que o Turbojazz me deu foi que eles eram bem simples, mas estouraram os alto-falantes e estavam girando bem. Então ter essa parte pronta me dá uma boa vantagem.

Também os vocais já estavam arranjados sobre os beats, então isso ajudou na estrutura e no arranjo. Era praticamente uma faixa completa, mas ainda sem música.

Eu também acho que ter esses elementos prontos para usar cria algumas restrições no processo criativo, o que eu acho que me ajuda com a direção e com que tipo de vibe devo seguir. Às vezes é difícil decidir o que fazer com uma tela em branco.

Como foi o workflow de vocês na hora de criar essa faixa?

Normalmente quando começo qualquer ideia tento imaginar um certo clima ou vibração de outra faixa, às vezes não específica. O objetivo não é copiar, mas apenas usar para fazer as coisas andarem. Então as coisas geralmente mudam muito rapidamente. Com isso, Turbojazz tinha uma sensação bouncy, dubby e simplista. Eu estava pensando em álbuns como Lil Louis – Club Lonely e aqueles primeiros discos do Blaze que tinham aqueles acordes curtos. Eles eram simples, jazzísticos, emocionantes e fizeram sua cabeça balançar instantaneamente.

Eu segui esse sentimento e rapidamente criei uma progressão de acordes usando um som de teclado da Spectrasonic Omnisphere e uma linha de baixo animada para segui-lo no Arp Odyssey. Uma vez que eu tinha o groove principal comecei a adicionar alguns elementos extras como Rhodes reverso para breakdowns, Poly 61 stab chords para levantar o groove, um gancho de sintetizador SH-09 e solo, terminando com um pouco de piano perto do final.

Javonntte é uma das vozes mais conhecidas de Detroit e deu uma leveza especial para a faixa. A ideia já era trabalhar com ele desde o início da criação da música? Como foi o contato com o artista?

Estranhamente nunca nos falamos de verdade. Turbojazz era o personagem entre todos nós para fazer isso acontecer. Mas na verdade eu queria fazer algo com Javonntte, já que descobri algumas de suas faixas para a Melange and Boogie Cafe Records alguns anos atrás. E então este projeto surgiu do nada! Ele tem um estilo vocal de vibração único que eu amo e também é um músico super talentoso.

As faixas receberam dois remixes que a trouxeram roupagens bem diferentes, mas ainda com muita qualidade musical. Como foi a escolha dos artistas? Você já imaginava que o resultado seria algo diferente como foi?

Eu acho que é importante para um lançamento como este ter uma variedade de estilos em um lançamento, então procuramos por remixes que tragam algo diferente. O estilo de Moondance dá um toque de House obscuro e profundo. Acho que o estilo dele se encaixa muito bem na música e na voz de Javonntte. E o EVM128 é conhecido por seu estilo eletrônico Broken Beat, então eu sabia que ele seria capaz de subir outro nível novamente.

Quando você cria algo sozinho é difícil imaginar de outra forma. Por isso é sempre emocionante ouvir a opinião de outra pessoa sobre isso. Esses remixes pareciam revigorantes para mim.

Você contou que a faixa foi criada no período de isolamento, que é um momento bem crítico para a indústria do entretenimento, porém tem dado muita oportunidade para artistas ficarem mais no estúdio. Como você está passando por esse período?

É definitivamente uma época estranha e realmente mudou meu pensamento sobre a criação de música dançantes, especificamente música voltada para clubes. Tenho pensado muito mais sobre como ampliar o escopo das músicas que quero fazer e com que propósito.

Acho que para muitas pessoas isso deu a elas mais tempo para serem criativas, mas para mim foi quase o oposto por ter meu filho fora do berçário durante esse tempo. Mas significa que eu tenho tendo mais tempo de qualidade com ele, então isso é um bônus. Aproveitei isso e trabalhei apenas em alguns projetos.

A maior mudança, entretanto, foi não ter gigs. O que eu mais amo no DJing é criar uma vibe na pista de dança, levando os ouvintes em uma jornada e essa conexão com as pessoas. Eu realmente estou perdendo essa parte.

Podemos esperar mais novidades vindo de Sean McCabe para 2020?

Tenho trabalhado em muito material novo este ano, mas é difícil dizer com certeza quanto dele estará pronto em 2020.

Temos um projeto de remix de um antigo disco de Victor Simonelli chamado Was It Just A Game que será lançado no meu selo Good Vibrations Music no final deste ano, em vinil. Isso incluirá remixes meus, Black Sonix e Motion Severn. É um projeto muito influenciado pela House dos anos 90.

Há também uma faixa que eu fiz chamada Take It On Up em breve no selo De La Groove Records de Paris. Um dos últimos shows que fiz antes do lockdown este ano foi para a festa deles no Djoon em Paris. Esse foi ótimo!

Outra coisa em andamento é um projeto de vocal falado com o compositor de Chicago Harold Matthews Jr. Estamos trabalhando com ele na produção de um álbum para Good Vibrations Music com uma mistura de estilos como Hip-Hop, Broken Beat, Afro e Deep House. Estou muito animado com este e esperamos ter um single do projeto em breve.

Fora isso, estou trabalhando em mais projetos solo para Good Vibrations Music, remixes para o selo Z Records de Dave Lee e colaborações com Karmasound, Erik Rico, Mike City, HanLei, Black Sonix, Alex Dinham e Haze City da Boogie Cafe Records. Além disso, estou trabalhando em algumas faixas com o amigo de longa data Dave Jones, sob o nome de Motion Severn. Eu imagino que a maioria deles estará pronta para o próximo ano.

Para finalizar, uma pergunta pessoal. O que a música representa em sua vida?

Geralmente sou uma pessoa introvertida e tímida, que fica quieta em grandes grupos de pessoas. Eu sou a última pessoa que você encontraria falando em público. Mas a música sempre me deu mais confiança para ser eu mesma e uma saída para me expressar. Alguns de nós precisam de uma forma de arte para nos sentirmos livres e sermos nós mesmos. Quando estou fazendo música ou mesmo como DJ fico confuso e às vezes me sinto uma pessoa diferente. Então eu acho que, em última análise, a música representa liberdade para mim.

A maior mudança na minha vida, porém, são algumas das conexões que fiz através dela. Eu fiz alguns dos meus amigos mais próximos através da música e eu não teria conhecido meu amor, com quem agora tive um filho, se não fosse pela música. Trouxe tantas pessoas maravilhosas para minha vida e sou muito grato por isso.

A música conecta.