Entrevistas
YokoO YokoO YokoO YokoO YokoO
YokoO YokoO YokoO YokoO YokoO
YokoO YokoO YokoO YokoO YokoO
YokoO YokoO YokoO YokoO YokoO

Alataj entrevista YokoO

Desde o primeiro momento em que conheci o trabalho do francês Julien Beltzung, ou melhor, YokoO, foi paixão à primeira vista (ou escutada). A linha de grave sempre muito envolvente e a construção musical dos sets precisa. Eu consumia tudo o que saía do artista na internet e compartilhava com o máximo de pessoas que eu podia. Em 2017 consegui vê-lo ao vivo e posso dizer que vivi um set muito marcante na minha vida, ou seja, a admiração só aumentou.

De lá pra cá posso dizer que faltei pouquíssimos sets seus aqui no Brasil e ainda tive o prazer de recebê-lo no line-up do meu próprio evento, conhecendo um pouco mais sobre ele, suas ideias, espiritualidade, paixão pela música, viagem e uma boa festa. Então, quando soube do lançamento da sua nova gravadora, Satya, e que o entrevistaria, o sentimento foi de grande felicidade. 

YokoO é uma pessoa de espírito livre e grande honestidade em suas opiniões, então saber o que ele pensa sobre o cenário da música e suas intenções com os novos projetos foi muito bacana. Satya iniciou os trabalhos no final de abril, com o lançamento de Basics, um VA com faixas do artista e Mathew Dekay, Zone+ e Retza. Confira agora como foi nossa conversa.

Alataj: Olá Julien, como está? Que bom ter você aqui! Vamos começar logo de cara falando sobre esse seu novo projeto, o Satya. Em que momento você sentiu a necessidade de ter sua própria gravadora?

YokoO: Olá! Estou indo muito bem, merci! Neste momento, estou em um avião de Guadalajara para Los Angeles, enquanto digito isso. Nunca achei que começar uma gravadora fosse uma necessidade, mas sim um desejo crescente e uma continuação natural da minha expressão artística.

O primeiro lançamento da gravadora é um VA com quatro faixas bem conectadas ao Minimal House. Essa será a base sonora do label ou você pretende trabalhar esse aspecto livremente? 

Eu gostaria de pensar que a gravadora não estará ligada a um gênero específico, mas sim a um som que ressoe com o meu coração em um determinado momento. Agora, como DJ, sinto-me fortemente atraído pelas linhas mais rápidas, groovier, mais etéreas e hipnóticas do movimento minimalista do House. Eu imagino que os próximos lançamentos da gravadora refletirão isso.

Como foi a escolha dos artistas que lançam nesse VA junto com você? 

Eu carrego esses caras perto do meu coração e gosto profundamente da música de cada um. Todos os três me inspiram de várias maneiras. Só fazia sentido tê-los no centro da operação.

Estamos vivendo um mercado onde labels se tornaram marcas gigantescas e populares, ditando muitas vezes estilos sonoros predominantes nas festas e festivais e influenciando artistas na hora de produzir suas faixas, pois desejam conquistar o sucesso. Você acredita que esse cenário pode prejudicar a liberdade criativa e a ousadia na hora da criação? 

Eu acredito que tais gravadoras, sendo tão influentes quanto são, têm uma tendência a levar os artistas a criarem com limitações. A pandemia pode ter repercussões positivas sobre o assunto. O fato de DJs / produtores terem passado algum tempo longe do circuito de turnês, sem dúvida, gerou uma explosão de criatividade. Eu pessoalmente gostei de não ver outros artistas tocando suas músicas durante esse período e aproveitei a oportunidade para mergulhar um pouco mais fundo em minha própria criatividade.

No seu caso, sei que você é um artista que realiza tours longas, ficando um grande período de tempo fora de casa. Como funciona seu processo criativo na hora da produção?

De fato, sou conhecido como alguém que fica na estrada por longos períodos de tempo. Eu geralmente evito de tentar criar ao longo de minhas viagens, a menos que me sinta profundamente compelido / inspirado a fazê-lo. Eu gosto muito do conforto do meu estúdio em casa. Minha rotina diária me ajuda a mergulhar em estados de fluxo onde a criação se torna natural e um processo conduzido por forças separadas da mente pensante.

Além da criatividade em dia, a produtividade também é um fator importante no trabalho. Como você mantém o equilíbrio mental e físico para exercer todas as suas atividades em meio a uma agenda agitada?

Minha prática espiritual é tudo para mim. Tento esticar o tapete para meditar e praticar Yoga todos os dias. Gosto de estar sozinho e ter espaço para mim. Passo muito tempo alimentando meus níveis de energia, sendo saudável, comendo bem, praticando Yoga com a maior regularidade possível, respirando conscientemente e simplesmente sendo.

Sei também que você tem uma relação muito profunda com a Yoga e isso influencia na sua vida como um todo. Mas, especificamente na sua relação com a música, como essa prática impacta no trabalho que você realiza dentro do estúdio e nas pistas de dança?

A Yoga me mostrou um caminho para o infinito. Isso me ensinou a ver sem olhos. Está me sintonizando sentir em um espectro de frequência muito mais amplo e me conectar a um mundo energético que parece existir além das modalidades de espaço / tempo. Minha consciência dos infinitos universos de várias camadas está se expandindo lentamente para um nível de integração. O desejo constante de ascender e o trabalho que está por trás de tudo isso tem um impacto profundo na energia que está na fonte de cada pensamento que tenho e de cada ação que realizo. A energia vibracional superior fluindo para dentro e para fora do meu ser define meu relacionamento com meus ambientes interno e externo. Tudo está conectado, de alguma forma.

Estamos começando a ver um retorno gradativo das atividades de festas e festivais no mundo, mas acredito que ainda temos um longo caminho para percorrer. Você acha que essa pandemia vai mudar algo no nosso cenário quando retornarmos totalmente às atividades?

É verdade, estamos. Não sou ninguém para prever o futuro, mas testemunhei e experimentei uma mudança drástica enquanto tocava em alguns shows no mês passado. As pessoas estão demonstrando muito mais gratidão pelas reuniões sociais e, com razão, apreciando-as pelo seu valor.

Para 2021, podemos esperar mais novidades de YokoO e Satya?

Música fresca em ambas as frentes e, esperançosamente, alguma gravadora apareça mais adiante.

Finalizamos sempre com uma pergunta tradicional do Alataj: o que a música representa em sua vida?

A música é minha ponte para uma linguagem universal de emoções. É uma ferramenta de conexão e um meio de expressão. Ele representa as vibrações audíveis de diferentes sentimentos e invade a alma sem limites ou limitações.

A música conecta.