Faixa a faixa

Faixa a Faixa | FMENEZS – Togo EP [Not Another]

É de um conterrâneo que vem o 30º release da Not Another. O EP Togo, lançado no último dia 16, corresponde à estreia do DJ e produtor FMENEZS na gravadora que nasceu na mesma cidade que ele: Recife.

Fã de música eletrônica desde o começo dos anos 2000, o artista foi influenciado a discotecar pelo universo que cercava seu irmão mais velho, já que nos anos 90 tocava nos bailes funk da capital pernambucana. FMENEZS passou por muitos aprendizados e estilos sonoros até fundar o seu projeto atual, em 2018.

De lá pra cá, com cerca de uma dezena e meia de lançamentos por selos como Medrado Music, Dynamica, Stellar Fountain e Transensations Records, definiu sua identidade entre as melodias do Progressive House e do Melodic Techno e chegou a se apresentar na Europa e morar por um ano em Portugal, até a eclosão da pandemia. Um de seus feitos mais notáveis foi o suporte do ídolo Tony McGuinness para Limbo, uma collab com Caio Assis.

Com Togo, FMENEZS entregou um EP bastante melódico e repleto de elementos étnicos, que remetem da cultura africana à ancestralidade dos povos indígenas da América pré-colombiana. Saiba mais sobre o disco nas palavras de seu criador.

Togo | Foi a primeira faixa concluída, em maio do ano passado. A primeira coisa que fiz na música foi um loop bem definido de bateria e percussão, o que acabou criando um espaço para um baixo mais contínuo e melódico. Essa base me permitiu compor melodias e ambiências menos aparentes que criavam o clímax para o vocal, o último elemento a ser inserido na faixa.

Daí surgiu o nome Togo, advindo de um canto africano. Um caso curioso sobre a faixa é que alguns dias depois de ter dado o render final, meu HD simplesmente foi pro espaço e perdi o projeto daquela música e de todos os outros desde o começo da trajetória de produção. Por sorte, eu tinha enviado pro George (um dos responsáveis pela Not Another) uma versão pelo Soundcloud para ele escutar e ele acabou baixando e guardando. Ficamos desesperados até encontrar ela no computador dele em Recife [risos].

Incas | A última música a ser finalizada, Incas foi concluída em pouquíssimo tempo, coisa de três ou quatro dias. Com uma bateria mais limpa e poucos elementos, usei minha TR8 para criar mais tensão na evolução da bateria e fiz uma conversa crescente entre duas linhas de baixos com características diferentes. Em quase todas as minhas criações, eu costumo criar o hook da música no final, escuto com atenção e procuro algo que se encaixe com a história da música. 

Achei um sample de flauta peruana que encaixou como uma luva no contexto da faixa, dando alusão ao povo Inca com toda sua força e imponência. Um detalhe curioso da música é que antes de fazê-la, eu tinha pego meu filho de dois anos pra brincar no microfone e acabamos gravando algumas coisas no projeto, depois que vi o áudio, quis salvar algo dali pra por na música. Processei ele falando “miau” e coloquei em dois trechos da composição, uma no começo e uma no último drop.

Terena | Por fim, a minha queridinha. Perdi as contas de quantas vezes me emocionei escutando ela no processo de criação. Realmente me toca muito e sempre que eu a escuto, assisto a um videoclipe criado por mim, na minha cabeça. As cenas são iguais e a história se repete: um jovem que vai trabalhar a pé por conta que seu carro quebrou, vivendo uma vida fadada a uma rotina chata, movido pela obrigação de trabalhar em algo que não gosta. 

Até que, no percurso, andando, ele encontra uma menininha vestida de índia e começa a segui-la num caminho cheio de plantas e muita beleza natural. Por acaso ele nunca consegue alcançá-la, que após algum tempo, entrou em um caminho sem volta chegando a uma aldeia de índios animados e dançantes, prontos para um ritual. Então oferecem um chá ao homem, que entra em uma viagem por toda sua vida nas nuvens. Ao final da trip, ele volta a sua vida encantado com tudo que estava ao seu caminho, e que nunca havia reparado nos detalhes. 

Eu sempre tento imaginar o que a música me passa e qual a mensagem que ela me diz, não costumo ir atrás de um conceito em si, mas o conceito me acha de alguma forma. Toda música que crio tem uma mensagem, ao menos para mim. Terena foi a faixa mais demorada para ser finalizada, passou por várias revisões, mas sempre manteve essa mesma essência, música tribal com elementos indígenas e regionais. 

A música conecta.