Out Now | BaianaSystem – Navio Pirata [Máquina de Louco]

Tem poucos dias que contamos no Radar que o BaianaSystem estava prestes a lançar seu novo álbum. O prelúdio começou marcado pela colaboração com BNegão na faixa Reza Forte, que coloca na mesa o design sonoro de misturas estilísticas – fórmula imbatível deles – com falas sobre fé e proteção ancestral. Agora, a história toma forma através do álbum intitulado Navio Pirata, lançado no dia 12 de fevereiro, uma sexta-feira, que simbolizava o começo da rota para eles durante os carnavais, mas que dessa vez ficou somente no campo imaginativo. Com sete faixas, o álbum corresponde à fase um de três atos, ou melhor dizendo, três álbuns que no formato completo se chamarão OxeAxeExu, previstos para 05 e 26 de março, respectivamente.

Nessa primeira fase, a riqueza musical enaltece a mentalidade do projeto, na fusão de diversos ritmos e referências mundanas, mas principalmente, brasileiras. Além disso, cruzaremos com colagens feitas através de samples e algumas colaborações que fornecem ainda mais energia cultural ao projeto, como a cantora Céu, em O Que Não Me Destrói Me Fortalece, e os recortes das falas de Dona Ritinha, rezadeira do sertão da Paraíba, em Raminho. Mas, talvez o ponto alto dessa história seja a presença de artistas da Tanzânia em Nauliza. Convidados pelo vocalista do BS, os artistas Makaveli e DJ Jay Mitta colocam o Singeli, estilo musical africano, para interagir com a guitarra baiana e a identidade sonora da banda. Esse é o primeiro lançamento robusto do grupo, desde O Futuro Não Demora (2019).

A banda de Salvador possui uma capacidade única de compilar a pluralidade musical brasileira no mesmo espaço, enaltecer raízes e se posicionar como um manifesto político consciente e consistente. Por exemplo: a capa de OxeAxeExu já começa com um mergulho na realidade. Temos uma bandeira preta feita por Cartaxo que pinçou referências da obra The New Brazilian Flag #2, do artista Raul Mourão. Diferente do álbum anterior, que trazia uma mensagem mais esperançosa, aqui teremos pragmatismo e força para enfrentar o mundo que nos cerca. Um convite de resistência, de sobrevivência e um pouco de memória afetiva do que se viveu na espera de dias melhores. “Acreditar e continuar”, como eles mesmos se posicionam. O que dizer? É o BaianaSystem e toda sua genialidade mais uma vez.

A música conecta.