Alex Siegel Alex Siegel Alex Siegel Alex Siegel Alex Siegel
Alex Siegel Alex Siegel Alex Siegel Alex Siegel Alex Siegel
Alex Siegel Alex Siegel Alex Siegel Alex Siegel Alex Siegel
Alex Siegel Alex Siegel Alex Siegel Alex Siegel Alex Siegel

Alataj entrevista Alex Siegel

Não é raro encontrarmos artistas que, além de integrarem bandas, seja de Rock, Dance, Indie ou mesmo de música eletrônica, se aventuram em projetos paralelos onde são capazes de voar com muito mais liberdade e apresentar uma linha de som alternativa da que estão acostumados a tocar. Alguns não conseguem de fato se desvincular do seu projeto-base, mas outros são tão eficazes no resultado que passam a ganhar mais destaque ainda. Este é o caso de Alex Siegel, integrante da banda de Indie Rock Amo Amo e que tem também apresentado um trabalho consistente em sua carreira solo.

Diferente da banda, a linha sonora de seu projeto paralelo caminha para uma junção entre o Pop e o Lo-fi em uma atmosfera profunda, intimista e, honestamente, muito gostosa de se escutar. Após diversos lançamentos bem avaliados, Siegel apresentou seu mais novo trabalho intitulado Beauty Fades / Answer, um single duplo com faixas originais, uma delas em colaboração com o artista Dane Sandborg. Alex nos contou um pouco mais sobre as inspirações e o processo de produção dessas faixas além de sua história, metodologia de trabalho, conciliação entre os projetos em que atua e outros assuntos, em uma conversa exclusiva que tivemos com ele. 

Alataj: Olá Alex, tudo bem? Muito obrigada por falar com a gente! Você faz parte da banda Amo Amo que já vem misturando rock com música eletrônica com uma pegada mais Indie e psicodélica. Como surgiu esse projeto solo paralelo? Foi algo que aconteceu naturalmente ou você já tinha essa intenção anteriormente?

Alex Siegel: Oi! Meu projeto solo evoluiu para este momento de fazer batidas e escrever músicas, o que comecei a fazer quando tinha 15 anos. Faço minhas próprias músicas e também toco e componho com outras pessoas em bandas desde então.

Enquanto Alex Siegel, suas produções seguem uma linha Pop Lo-fi, com uma atmosfera profunda, suave e isso demonstra uma capacidade criativa muito grande. Como você faz para dividir sua mente criativa nos dois projetos? Quando surge uma ideia você já sabe para qual direção seguir?

Normalmente eu não sei o que uma ideia vai acabar se tornando quando aparecer na minha cabeça, e eu gosto dessa maneira. Escrevo pequenas ideias de letras o tempo todo e tenho zilhões de memorandos de voz de ideias de músicas no meu telefone. Às vezes, você esquece algo completamente e depois volta para você do nada – eu amo isso. Não há divisão em minha mente criativa – essa parte de mim gosta de brincar, experimentar e se divertir.

O single duplo Beauty Fades / Answer acaba de ser lançado e você conta que a primeira faixa foi criada após uma experiência psicodélica em um show da banda Death & Company. Nós ficamos curiosos para saber mais detalhes sobre este fato. Como você conseguiu traduzir o que viveu em forma de música?

Dead & Co, sim. Foi realmente no caminho de volta à cidade onde tive o estalo, se é que você me entende. Estávamos ouvindo Neil Young e eu o ouvi cantar pela primeira vez. A impureza e emoção de sua música me dominaram e eu lembrei novamente como a música pode ser incrível. Recentemente, tive uma experiência semelhante ouvindo o bom filho de Kendrick, mAAd city. Apenas define o nível do quão real e quão honesta a música pode ser.

A segunda faixa, Answer, foi criada em colaboração com Dane Sandborg e fala sobre dificuldades dentro de um relacionamento. Como se deu o início da parceria dessa faixa e o seu processo criativo para essa ideia bem sentimental?

Dane e eu estávamos brincando no meu estúdio. Partimos de uma progressão muito simples, apenas dois acordes, e a primeira coisa que deitamos foi no bassline de Dane. As palavras e a melodia vieram muito no estilo da consciência, e Dane disse: ‘As I sit by your side, I struggle to provide, and answer that you like’, descrevendo o sentimento de quando você não tem uma boa explicação para seu comportamento, não tem como consolar essa pessoa que você pode ter machucado com suas ações.

Trabalhar em diversos projetos mostra um background sonoro bem rico e imaginamos que você deve ter boas influências musicais em sua vida. Quais são elas? Hoje, o que ou quem te inspira na hora de criar?

Enquanto cresci eu era um grande fanático por reggae. Eu mergulhei profundamente em Gregory Isaacs, Dennis Brown, Delroy Wilson e Sugar Minott. Esses são apenas alguns dos meus favoritos. O ritmo e o sentimento das raízes reggae e rockers são a perfeição para mim. Em termos vocais, João Gilberto é uma das minhas maiores influências. Ele canta tão suave e sinceramente, realmente o traz como ouvinte. Eu aprendia a tocar na guitarra de Chega de Saudade e Getz / Gilberto e cantava em português. Eu estava obcecado. Há mais influências, provavelmente muitas para mencionar. Jimi Hendrix e Sublime foram meus primeiros anos ouvindo música. Miles Davis e Bill Evans são dois dos meus favoritos do Jazz. Hoje, algumas das minhas bandas favoritas são Phoenix e Tame Impala.

Podemos afirmar que estamos vivendo a pior crise no mundo do entretenimento, onde eventos foram cancelados e artistas obrigados a ficar em casa. Como você tem lidado com esse momento? Tem alguma ideia de como acontecerá no retorno das atividades?

Criativamente lidei com esse momento criando muita música em casa. Eu pude tocar em um festival de música D.I.Y no Minecraft, o que foi muito divertido. Agora estou respirando fundo e olhando atentamente o mundo ao nosso redor, enquanto nos envolvemos na luta contínua pelos direitos humanos e na luta para tornar toda forma insidiosa de racismo uma coisa do passado. Meu coração se parte todos os dias, mas tenho esperança.

Para finalizar, uma pergunta pessoal. O que a música representa em sua vida?

É este lugar dentro de mim onde tudo é possível, onde o eu de 12 anos está saindo com o eu de 70 anos, ainda admirado por tudo o que sentimos. É como pegar um sonho e poder mostrá-lo a outra pessoa através dos seus olhos.

A música conecta.