Bernardo Ziembik é um DJ moderno, pronto para os diferentes desafios que uma pista de dança exigente pode lhe oferecer. Seu background musical é proveniente da bem desenvolvida cultura clubber do sul do Brasil e sua boa experiência, apesar de jovem, foi adquirida nas cabines de clubs e festas como Vibe, Levels e Terraza. O último deles tem Bernardo no time de residentes.

A imagem pode conter: uma ou mais pessoas, multidão e atividades ao ar livre

Atualmente, além de sua residência no Terraza, Ziembik também faz parte do coletivo detroitbr e fomenta eventos destinados a música eletrônica em Santa Catarina como a Go! e Quintal. Convidamos o DJ e produtor para falar um pouco sobre sua primeira experiência como profissional. O resultado você confere no depoimento a seguir:

Com a palavra, Bernardo Ziembik:

Comecei a tocar em 2006, mas considero a minha primeira gig aquela que tinha bilheteria e que recebi meu primeiro cachê [risos]. Era 2008, em Itajaí, um galpão de fábrica em uma das festas de um amigo meu, naquele estilo private party, que eu anteriormente inclusive ajudei a produzir flyer (não, não sou bom nisso) e já frequentava há algum tempo. Na época, psy era o gênero em alta por aqui e por isso os principais horários eram destinados ao artistas que tocavam esse estilo. Toquei com um amigo meu, que hoje já não toca mais, em um mixer bagaceiro que eu tinha. Lembro que durante a semana pré evento a gente dedicou algumas boas horas pra pensar em repertório e até mixagem. Chegando lá, a gente fez tudo diferente, óbvio. Como a festa de psy, tocamos com o BPM bem mais alto. Além disso, vários imprevistos aconteceram, como por exemplo a falta de luz no meio do set. Foi bem caótico? Totalmente. Mas foi meu início e o feedback foi legal. Lembro que na época renderam outras festas.