Alataj entrevista LouLou Players

Jérôme Denis não é um nome típico entre brasileiros. A escrita, os acentos e a pronúncia entregam que estamos falando de uma pessoa nascida em outro país. Essa impressão se inverte quase que 100% no primeiro contato visual com LouLou Players, criatura por trás do criador Jérome, um ícone da dance music na Bélgica que já há algum tempo se mantém como um dos players mais consistentes da cena brasileiro.

Loulou Players, como seu próprio nome já indica, é o responsável pela gravadora LouLou Records ao lado do também belga Kolombo. Juntos, eles construíram um relacionamento bastante sólido com o Brasil que não se limita ao público e se estende a uma rede de network muito forte com artistas e staff de algumas das grandes marcas da nossa indústria voltada a este meio – ambos os belgas são representados pela gigante Alliance Artists aqui no país.

Outra consequência desse intenso relacionamento de Jérôme com os brasileiros é a amizade com Pedro Mendes aka Illusionize, head da Elevation, gravadora que já recebeu algumas colaborações do belga desde sua criação e o terá no showcase de 28 de Dezembro no El Fortin Club. A data faz parte de uma grande tour de verão que ainda passa por festas do calibre de Club Vibe, Beehive, P12, Casa Rio Me, Amazon e a já tradicional noite de 2 de janeiro no Warung. Antes dessa maratona de gigs no verão brasileiro, nós falamos com ele:

1 – Olá, Jerome! Tudo bem? Cada vez mais você intensifica seu relacionamento com as pistas e o público brasileiro. Quão importante tem sido a cena do nosso país para o seu desenvolvimento?

Tudo bem por aqui, estou em Curitiba no momento, pronto para aproveitar minha turnê de verão. A cena brasileira mudou a minha vida. Comecei a tocar aqui há 5 anos, e desde então, tenho a sorte por meu perfil de artista vir crescendo cada vez mais e de tocar em lugares incríveis.

A imagem pode conter: 3 pessoas, pessoas sorrindo, pessoas sentadas

Como você avalia as suas transformações internas neste último ano? Você se sente um artista diferente quando comparado a temporada de 2017, por exemplo?

Na verdade, a situação é completamente louca, cada ano é sempre melhor que o anterior. Hoje tenho a sensação de ter me tornado um artista estabelecido no Brasil. Não consigo acreditar que posso ver meu nome como headliner das festas, estou vivendo um sonho. Isso me deixa tão feliz, pois eu simplesmente me apaixonei pelo país, a cultura, as pessoas e com certeza pela cena.

Atualmente, para quais caminhos musicais sua pesquisa tem apontado? Quais artistas e estilos estão sob o seu radar nos últimos meses?

Gosto de muitos estilos musicais diferentes na música eletrônica, mas como sou definitivamente um DJ de house, gosto de sempre ter sentimentos em músicas com groove. Alguns nomes que realmente chamaram minha atenção esse ano são: Classmatic, Sinner & James, Bruce Leroys, Ariel Merisio, Wilian Kraupp, Kormak e Flam Department.

A Loulou Players, sua gravadora em parceria com o Kolombo, é uma das grandes apoiadores da cena nacional. O que você pode nos contar sobre o histórico do label junto a artistas brasileiros?

Acredito que muitos produtores brasileiros chamaram atenção para o selo graças a esse toque especial de groove do Kolombo – ele tem sido por muito tempo um artista “chave” no território. Então, os produtores têm se interessado em como trabalhar nesse estilo musical e como desenvolver ou criar uma evolução nesse som. Isso é realmente incrível e interessante.

Como funciona seu relacionamento com outros labels, como Bunny Tiger, Elevation e Moom Records. Há algum ponto de encontro pessoal ou tudo gira de uma forma muito profissional apenas?

São todos ótimos amigos! Conheço Sharam Jey por alguns anos, somos amigos e até promovemos algumas festas juntos durante o Amsterdam Dance Event ou Barcelona Off Week. A Elevation do Illusionize também é um selo que estou em contato regularmente – o Pedro também teve alguns lançamentos de sucesso na Loulou Records. A propósito, tive uma ótima collab com ele na Elevation e tocarei no seu showcase no El Fortin. Moom Records de Sammy W e Alex E também está no mesmo caminho. Conheço eles há muito tempo, tive alguns lançamentos e remixes por lá e continuamos trabalhando juntos em vários projetos diferentes.

Quais profissionais brasileiros tem auxiliado você a chegar no nível a qual se encontra atualmente?

As duas pessoas principais são, com certeza, Fran Bortolossi e minha manager Gabi. O trabalho e conselhos estão no topo desde o começo e eles se tornaram dois dos meus melhores amigos! <3

A agência Alliance Artists também está me ajudando muito, tenho muita sorte de trabalhar com eles. É ótimo trabalhar com uma agência de tamanha qualidade e ser parte deste casting incrível.

A imagem pode conter: 2 pessoas, pessoas sorrindo, pessoas sentadas e área interna

Para fechar! Quais são seus principais projetos e planos para 2019?

Eu adoraria continuar trabalhando do jeito que estou. Espero vir várias vezes ao Brasil e curtir essas festas incríveis.

A MÚSICA CONECTA.


Alan Medeiros é publicitário, sócio-fundador do Alataj e nome por trás da Beats n' Lights Management.

RELATED POST

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

INSTAGRAM
SIGA-NOS