Se existisse uma confederação da boa música eletrônica no Brasil, certamente hoje o dia estaria a altura para um brinde regado a champanhe ao fim do expediente. Isso por que, apesar das inúmeras complicações financeiras e midiáticas que a nossa cena e o país como um todo vivem, há mais um fim de semana histórico se encaminhando por nossas pistas, especialmente em São Paulo. A terra da garoa recebe 3 grandes eventos: ODD com Fort Romeau, Dekmantel Showcase by Gop Tun e SUBDIVIONS com XDB.

O XDB é um dos principais nomes da cena eletrônica da Alemanha. O DJ e produtor nascido e criado na simpática cidade de Göttingen, no estado de Baixa Saxônia, é o nome por trás da Metrolux Music, gravadora que alcançou grande prestígio através de seus releases em vinil.

Grande pesquisador, XDB é o tipo de artista capaz de surpreender em todas as suas apresentações. Isso por possuir características fundamentais de um bom DJ. Boa ténica, repertório vasto e diversificado, ricas influências e feeling. A forma como ele constroi seu set no Boiler Room, por exemplo, mostra um pouco do que essa excepcional figura é capaz de levar a pista.

Esse fim de semana ele estreia no Brasil, em tour assinada pela Hypno. A passagem por aqui – infelizmente – terá apenas uma apresentação, mas certamente será no clima propício para que XDB desenvolva sua arte em alto nível. A segunda edição da SUBDIVISIONS recebe o alemão, que tocará ao lado dos brasileiros e entusiastas locais, Oliver Gattermayr, Battu e Manara.

Para uma entrevista a altura desse grande artista, convidamos um dos mais respeitados profissionais de música eletrônica no Brasil, mestre Ale Reis, para formular as perguntas. O Ale é fã declarado do XDB e gentilmente aceitou o convite feito pelo Wesley Razzy. O que você confere a seguir é um bate papo entre DJs, pessoas que levam a sério a nossa cultura musical. Música de verdade por gente que faz a diferença!

Ale Reis: Você acha que ainda a melhor pesquisa que um DJ pode fazer é diggin in record shops ou a internet consegue substituir isso? Quais algumas de suas favorites records shops no mundo (incluindo second hands)?

XDB: A internet esta cheia de informações e é essencial para aqueles que querem comprar discos e não tem as lojas certas em sua cidade ou conseguem viajar até elas. Também ajuda na pesquisa em geral mas não substitui o cheiro e a sensação de quando você entra em uma loja física de discos e conversa com o dono ou pessoas com gostos semelhantes. Eu estive em centenas de lojas durante os últimos 30 anos e é sempre um grande sentimento verificar o que cada uma tem para oferecer e mesmo se elas não tem o que eu estava procurando, nunca saio sem comprar pelo menos um vinil, apenas para apoiar o proprietário da loja. A sensação de fazer uma pré-seleção e ouvir os discos em qualidade original por quanto tempo e quantas vezes quiser é melhor que nada e isso me faz feliz de deixar a loja com algumas novas “gems” na sacola. Você pode encontrar varias lojas de discos em Berlin de muita qualidade. Power Park, por exemplo, é realmente muito boa. Se tiver a oportunidade de visitar Tokyo, então você tem que verificar Technique e todas as Disk Unions. Eu adoraria ter a oportunidade de conhecer Gramaphone Records em Chicago um dia no futuro. Eu tenho certeza que poderia gastar uma fortuna lá.

Ultimo release da Metrolux foi em 2013. Existe alguma previsão de um novo release?

XDB: Wow! O tempo está passando muito rápido. Sim, o novo release está pronto para a decolagem e inclui algumas musicas atemporais cuidadosamente selecionadas. MLM 06 – Various Artists – Edition 3. Mais informações em breve

 Recentemente você fez uma lista primorosa de 100 tracks “that you really love” (now 107 with Forever Monna) postada em sua timeline durante um tempo. Você poderia citar os seus 5 favorite labels de todos os tempos ?

XDB: Desculpa mas é impossível citar apenas 5 favoritos então vamos fazer uma lista mais longa e começar com os primeiros nomes que vem na minha mente: 430 West, UR, Warp, R&S, +8, Mosaic, Mahogany, KDJ, Sound Signature, FXHE, Metroplex, Axis, M Plant, Prescription, Rephlex, Peacefrog, Trackmode, Moods&Grooves, Svek, Basic Channel, Rhythm & Sound, Chain Reaction, Dance Mania, Relief, Red Planet, Transmat, DJ International, Cabinet Records, Trax Records, Alleviated Records, Tresor, Music Man, B12, Reflective, Planet E, Strictly Rhythm, Sex Tracks, Power Music, Retroactive, Teknotika, Sähkö, Isophlux, Nurture, Source, Workshop, Philpot, Playhouse, Force Inc, Out To Lunch, United States Of Mars, Groove On, Clone, Delsin… a lista continua

Alguma gig inesquecível e qual o club que você sente mais a vontade tocando?

XDB: Eu nunca vou esquecer o show na pista 3 do Freerotation alguns anos atrás. Foram apenas duas horas de set tocando Oldschool + Newschool Electro + Electronica e as pessoas iam a loucura, o que foi inesperado para mim. Ainda me lembro de cada disco que toquei nesse set e foi super bem do início ao fim. Eu me sinto confortável quando a cabine do DJ e equipamento me permite fazer o meu trabalho. Bom exemplo desse conforto é Rex Club em Paris.

O que torna alguém um excelente DJ?

XDB: Um excelente DJ é alguém que sabe ler a atmosfera do club e se conecta a multidão. Alguém que não está tocando apenas o que vai funcionar. Alguém que surpreenda, com um repertório versátil e uma seleção de faixas inesperadas. Alguém que sabe como manter o equilíbrio certo entre executar a arte e a sua função de uma só vez. Alguém que faz a maioria das pessoas ir para casa com um sentimento bom.

O que você acha do “Black Market” do Discogs? Você utiliza o Discogs pra comprar seus discos?

XDB: Eu gosto do Discogs para obter informações sobre os artistas e seus lançamentos. É ótimo ter a responsabilidade de verificar o catálogo completo de alguns selos interessantes. Eu também estou comprando discos via Discogs, mas tentando não apoiar os vendedores que querem apenas ganhar dinheiro vendendo cópias de alguns novos lançamentos com alta demanda. Esses “tubarões” compram o máximo de cópias possível, apenas para revender no site e fazer lucro.

O que você gosta de ouvir fora do club diariamente?

XDB: Ouço principalmente música eletrônica e coisas do tipo. Música comercial de rádio me deixa doente.

Para finalizar, nos conte como era a cena eletrônica quando você começou a tocar.

XDB: O primeiro show e residência na minha cidade natal foi em 1993, mas eu comecei a comprar discos em meados dos anos 80. É uma cidade pequena e a cena era um bando de jovens famintos por organizar festas e se apoiar, mutuamente. Ainda tenho muitos mixtapes dessa época, algumas das faixas ainda estão em alta e se tornaram clássicos.