A intenção dessa lista não é falar dos melhores selos, nem os que fizeram mais sucesso esse ano. É apenas uma visão própria de alguns labels no formato de vinil, que tiveram grande impacto nesses 12 meses, seja por sua originalidade, por renovar um gênero de uma maneira contemporânea ou por uma sequência de lançamentos sem perder a qualidade. Sem dúvida muitos bons selos ficaram de fora mas decidimos manter a lista pequena, apenas 6 compõe essa matéria para a Troally. Segue abaixo um pouco de cada um deles.

Discobar

Criado por dois grandes amigos, Guillaume Taillieu e Lamache (que tocou no Brasil começo do ano e esta confirmado no Sunwaves em 2017), que fazem parte das cenas de Londres e Paris. A intenção do selo foi unir os elementos e artistas de ambas cidades e fizeram isso muito bem. Esse ano, novos talentos como Robin Ordell, Alex & Digby e Zendid fizeram parte da família Discobar e ouviram suas músicas sendo tocadas por nomes como Ricardo Villalobos, Fumiya Tanaka, entre outros

Hardworksoftdrink

A cena de Frankfurt/Offenbach têm ganhado seu espaço novamente nos cases dos maiores DJs. Muito disso graças a Cédric Dekowski e Felix Reifenberg que tiveram um ano especial com varias produções incríveis. Grande parte dessas produções estão na HWSD.

Acting Press

Quantidade nem sempre é qualidade. Acting Press teve apenas 2 lançamentos esse ano, mas que lançamentos! Um dos melhores EPs do ano com Globex – Inversia 1 e outro EP de Xali’p com 3 faixas transcendentais de ambient music.

Meliflow

Criada por Vera (Perlon) e Alexandra (Sunrise RO) em maio desse ano, Melliflow já conquistou seu espaço como um dos selos mais tocados por grandes DJs neste ano. Spacetravel, And.rea, AK41 e Z@p fazem parte dessa nova história e o selo promete continuar trazendo bastante grooves minimalistas com fortes características de electro.

Sketches

Selo dos brasileiros Ale Reis e Renee, Sketches tem conquistado os cases de grandes Djs em seu pouco tempo de história. Seu primeiro lançamento, um EP de Stekke, teve um remix de Thomas Melchior que merece tranquilamente estar entre os melhores remixes desse ano. Um selo vindo do Brasil que começou com o pé direito e de muita qualidade.

Libertine

Selo de Yoshi e Sbri, italianos que moram em Berlin. Libertine começou como uma festa underground em lugares imprevistos e nesse ano lançou o selo com muita força. Já são 6 lançamentos com um som contemporâneo de techno e electro. Artistas como Önur Ozer, Saverio Celestri, Riccardo e outros fazem parte dessa forte família.

Música de verdade, por gente que faz a diferença.