Bloody Mary Bloody Mary Bloody Mary Bloody Mary Bloody Mary
Bloody Mary Bloody Mary Bloody Mary Bloody Mary Bloody Mary
Bloody Mary Bloody Mary Bloody Mary Bloody Mary Bloody Mary
Bloody Mary Bloody Mary Bloody Mary Bloody Mary Bloody Mary

Alataj entrevista Bloody Mary

Nascida na França mas atualmente baseada em Berlim, Bloody Mary é uma DJ e produtora que cravou boa parte das principais conquistas de sua carreira ligada a cultura do vinil. Em 2010 ela lançou a Dame Music, imprint que já recebeu nomes como KiNK, The Jaydes e Attan em realeses de abordagem atemporal e fora da curva.

Nas pistas, BM traduz sua criatividade para dois formatos de apresentação: live e DJ set. Na outra esfera de seu trabalho, no estúdio, esta talentosa artista francesa ostenta lançamentos por alguns dos labels mais importantes da cena techno internacional, entre eles Afro Acid, Ovum e Missile. Às vésperas de seu debut no Brasil, Bloody Mary toca este sábado na Carlos Capslock em São Paulo, falamos com a artista. Confira abaixo:

Alataj: Olá, Bloody Mary! Obrigado por falar conosco. Você nasceu na França, mas atualmente mora em Berlim. De que forma o background e a cultura musical de cada um desses lugares impactou sua música ao longo dos anos?

Bloody Mary: Olá! Obrigada por me receber. Descobri o techno quando era adolescente e comecei a sair. Venho do sul da França e festas raves ilegais eram o melhor lugar para escutar música eletrônica naquela época. Me mudei para Berlim em 2005, porque me apaixonei pela cidade, e desde então, chamo a Alemanha de lar.

Quase 10 anos após a sua fundação, Dame Music segue como uma expoente do movimento Acid frente dance music. O que você pode nos contar a respeito do processo de construção da identidade musical do label?

Lancei o primeiro Dame-Music em junho de 2010. Naquele momento, a execução de uma gravadora de discos era difícil, pois todos começaram a tocar digital. Nos últimos anos, começou a virar “moda” tocar com discos nas mídias sociais, então o mercado se tornou mais estável (felizmente). Lanço música que amo, em algum lugar entre house e techno, feita por produtores que compartilham do mesmo estado de espírito musical que eu.

Você é uma artista completa que se apresenta tanto no DJ set, quanto em live acts. Qual destes dois formatos oferece a você uma maior conexão com o público?

Como DJ, adoro tocar em clubs ou locais especiais, porque gosto de estar perto do público. Fazer um DJ set permite que eu toque mais e seja mais versátil com a minha música. Como live act gosto de tocar em festivais, é apenas uma hora de apresentação e posso ir direto ao ponto e pegar um pouco mais pesado.

Na sua opinião, quais características são essenciais para a formação de um bom DJ? Qual a primeira coisa que você observa ao iniciar um set?

Ser fiel a sua arte e fazer tudo com paixão. Respeitar a música feita pelos outros e nunca se comparar com outros artistas. Ser curioso, procurar música em todo lugar e visitar lojas de discos para que você possa ser inspirado (mesmo que você não toque com discos).

Quando você é um artista que alcança certo grau de reconhecimento, é natural que você passe parte do ano viajando, esperando horas em aeroportos, dormindo mal e comendo o que é mais prático. Como você faz para conciliar sua saúde mental e física, em meio as viagens?

É muito importante sempre comer de forma saudável e se manter hidratado, mesmo quando se está viajando. Sou muito ativa durante a semana, divido meu tempo entre estúdio e academia. Praticar yoga também me ajuda a manter a mente equilibrada.

Em Abril você vem ao Brasil para tocar na Carlos Capslock, uma festa expoente do underground em São Paulo. Quais são suas expectativas? O que você tem ouvido falar a respeito da eletrônica brasileira?

Tive um feedback muito bom de amigos que já tocaram no Brasil e é sempre bom descobrir uma nova cultura. Carlos Capslock tem uma reputação muito boa aqui na Europa e pelos vídeos que eu vi na internet, devo dizer que estou muito animada.

Seu catálogo de releases é marcado por trabalhos importantes em labels como Afro Acid, Ovum e Missile. Particularmente, o que você considera essencial no processo de escolha dos labels com quem vai trabalhar?

Decidi trabalhar com Afro Acid, Ovum e Missile em particular, porque essas três gravadoras são dirigidas por produtores que sempre me inspiraram no estúdio.

Para finalizar, uma pergunta pessoal. O que a música representa em sua vida? Obrigado!

Para mim, música significa felicidade. É terapia para quando você não está se sentindo bem e quer escapar do mundo. Feche os olhos e deixe a música tocar. Obrigada por me receber, eu espero ver muitos de vocês em São Paulo!

A música conecta.