Entrevistas
Fluxion Fluxion Fluxion Fluxion Fluxion
Fluxion Fluxion Fluxion Fluxion Fluxion
Fluxion Fluxion Fluxion Fluxion Fluxion
Fluxion Fluxion Fluxion Fluxion Fluxion

Alataj entrevista Fluxion

Fluxion é o pseudônimo de Konstantinos Soublis, um artista grego que possui a leveza mediterrânea em seus olhares musicais. O toque espontâneo e inusitado, se tornou parte de sua assinatura como produtor, ultrapassando fronteiras de gênero e limites artísticos para trabalhos que se destacam desde o fim dos anos 90.

Ele também é responsável por um dos grandes marcos da história da música eletrônica, mais em especial no que diz respeito ao Dub Techno. A trilogia Vibrant Forms se tornou um dos grandes hinos do estilo, mantendo-se até hoje num hall seleto e especial após duas décadas de lançamento do primeiro volume. Com passagens pela emblemática Chain Reaction e Echocord, além do trabalho por trás de seu próprio selo Vibrant Music, Fluxion permanece sendo sinônimo de fluidez criativa, revelando essa característica através de seus últimos lançamentos .

Conversamos com o artista, que recentemente integrou o V.A  de 20 anos da Echocord, e que trouxe para nós um pouco de seu olhar inspirador para além da linguagem musical. Acompanhe!

Alataj: Olá Konstantinos, tudo bem? Muito obrigada por nos conceder esta entrevista! Como você tem passado nesses últimos meses, e como tem sido sua rotina musical neste período?

Fluxion: Obrigado por me convidar. Os últimos meses foram verão e aproveitei o mar, o sol e algumas férias, as ilhas etc. Eu precisava recarregar minhas baterias e mudar de cenário após o lockdown e as rotinas “regulamentadas” da cidade durante a pandemia . Minha rotina musical tem sido produtiva ao finalizar ideias, mixar e combinar e selecionar no fechamento do meu próximo LP.

A Grécia se tornou um destino frequente para artistas da música eletrônica, integrando-se como um pólo dentro do cenário europeu. Porém, quando você começou na música eletrônica em meados da década de 90, como era esse cenário, e quais os principais desafios do país para o desenvolvimento de sua carreira?

Nos anos 90 as ondas musicais chegavam um pouco atrasadas. As pessoas que tiveram a oportunidade de viajar ou estudar em outras cidades como Londres ou Berlim foram expostas a novas ideias. Por isso foi difícil para mim encontrar pessoas com a mesma mentalidade e trocar de forma produtiva ideias na Grécia nos anos 90, eram poucas. Tive o privilégio de vivenciar a onda da música eletrônica estando em Londres na primeira metade dos anos 90 como estudante, e depois em Berlim na segunda metade da década. Então acho que isso formou a base da minha música. O que eu acho que a Grécia deu em termos de meu desenvolvimento musical era essa leveza mediterrânea.

A contemplação dos elementos musicais e a construção espontânea são as principais características da identidade sonora, resultando em uma ilusão auditiva que leva fragmentos de sons eletrônicos e acústicos. Imagino que a música concreta tenha forte influência em suas inspirações, certo? O que mais completa suas referências, para além da própria linguagem musical, na hora de produzir? 

Sim, gosto de espontaneidade e improvisação e é uma fonte de influência para mim. Também gosto de tocar quase tudo manualmente em todo o momento. Isso cria um sentimento ao vivo que eu quero na minha música. Não quero que meu som seja muito formalista. Quero que soe como se alguém o estivesse tocando, e não como uma pequena parte em loop. Isso confere ao som o elemento humano e, na minha opinião, torna-se instantaneamente mais acessível. Partes sobre partes que nem sempre estão perfeitamente alinhadas entre si, como uma banda não está. Isso e meu ajuste de frequências em tempo real é o que às vezes cria outras “leituras”, quando você ouve de novo.

A trilogia Vibrant Forms, em especial o primeiro e o segundo volume, foi um grande marco na história do Dub Techno mundial, quando lançado no fim da década de 90, e após duas décadas mantém-se como um trabalho revolucionário dentro da música eletrônica. Hoje, diante de tanta carga de informação e um mutirão de recriações surgindo a todo instante, você acha que é possível criar algo realmente novo como você fez com Vibrant Forms? Se sim, quão mais complexo seria esse processo?

Foi um momento capturado no tempo onde eu trabalhava todos os dias incontáveis ​​horas e onde uma peça terminava a outra começava a reconstruir tudo ou quase tudo o que a anterior tinha feito. Foi um trabalho muito unificado. Acho que chegou um momento em que a música eletrônica estava faminta por um pouco de “oxigênio”. Muitas das produções eram muito clínicas, muito quadradas, muito baseadas em samples, muito limpas. Eu acho que os trabalhos de VF conseguem criar um ambiente diferente para sons para se mover e interagir com mais liberdade. E improvisação.1-2 leva e depois foi para outra coisa. Então, foi espontaneidade, improvisação e motivação para criar um ambiente sonoro que funcionou para mim. Não tenho certeza se muitos novos artistas estão interessados ​​em criar seu ambiente, seu espaço … Sinto que não há muito interesse hoje em discotecar mais profundo ou para criar um ambiente com a maioria dos artistas .. Leva tempo. Como todos os outros estilos musicais, Punk, Rock, Reggae, todos eles começaram mais na vanguarda e em sua maturidade se desenvolveram em produtos comercializados e personas. A música eletrônica não faz diferença. Na verdade, ainda é um tipo relativamente “novo” de música e fortemente iconoclasta, e as pessoas gastam mais tempo para construir uma imagem do que uma estética sonora. Ainda tem um núcleo mais vanguardista, mas o que vende é a marca agora. Mesmo para pessoas que não gostam de música. Agora, mais do que nunca, há necessidade de novas ideias, em oposição à reciclagem de coisas mais antigas, que soam como se tivessem sido feitas há 20 anos.

E por falar em trilogia, este tipo de formato requer uma conexão extremamente coesa e forte o suficiente para manter a narrativa do projeto com seus propósitos e identidade, como você fez em Vibrant Forms. Você estuda repetir esse tipo de formato em projetos futuros?

Com a série VF, improvisação e espontaneidade foram a chave. Criando passagens musicais tocando com frequências, não tanto com notação. Essa é uma abordagem que me é familiar. Eu peguei emprestado elementos dessa abordagem e os uso junto com mais elementos de composição agora.

Ainda no gancho sobre narrativas, você já citou em outras entrevistas que um de seus principais objetivos na música é transmitir histórias. O conceito de criação dessas narrativas, certamente desabrocha através de um momento especial ou de um período da vida, ou até mesmo de um fragmento sonoro, certo? Durante esses últimos meses, em que passamos por um período pandêmico sem precedentes, foi possível criar alguma história que absorva esse contexto, através da linguagem musical? 

Gosto de histórias, gosto de criar trilhas sonoras imaginárias, combinando estilos e elementos. Meu foco principal é tirar do meu sistema e expressar o que sinto. Eu me lembro de antes estar tentando, mixando e trabalhando sem parar para ser capaz de capturar um momento que significasse algo para mim. Agora estou mais claro e entro no estúdio sabendo mais precisamente o que quero fazer. O último período com a pandemia foi um período que consegui terminar e fechar trabalhos, Perspectives em 2020, e agora Parallel Moves, em 2021. Os efeitos colaterais da pandemia afetaram a todos, mas não a vejo como uma fonte de inspiração.

Além da sua notável carreira como DJ e produtor, você também trabalhou muito tempo com publicidade e Sound Design. É interessante esse fato, pois em seus trabalhos como Fluxion você traz bastante o conceito do improviso, quase como uma aventura através das diversas possibilidades sonoras. Porém, no mundo da publicidade o conceito é em grande parte das vezes o extremo oposto. Esse seu ímpeto para o improviso, funciona como uma válvula de escape diante desse paradoxo?

Sim, eu fiz anúncios por alguns anos. É um trabalho comissionado e você segue um brief, o que significa que você pode ser criativo, mas em um eixo. Isso me deu a oportunidade de me envolver e explorar diferentes estilos musicais e trabalhar também com o som de maneiras diferentes . A intensidade e o prazo dessa indústria são muito agitados.

Ainda em 1999 você dava vida à Vibrant Music, que hoje já completa duas décadas de estrada abraçando grande parte de seus lançamentos, bem como de outros grandes artistas do cenário. Como você analisa a trajetória do selo, e como você vê o futuro da Vibrant Music nos próximos anos?

A gravadora agora funciona como uma válvula de escape para alguns de meus trabalhos e novas colaborações com pessoas de quem gosto.

Sua carreira e a história da Echocord se conectam desde 2009, quando lançou o primeiro EP por lá, o Inductance. Agora você está entre os 12 artistas que assinam a compilação especial de aniversário de 20 anos do selo. Quais os momentos memoráveis que você traz desta relação com a gravadora?

Primeiro, Kenneth Christiansen, o chefe da gravadora, é um cara muito legal. Tocamos juntos em showcases de gravadoras ao longo dos anos, em NY, Berlim, Zurique e outros lugares, bons momentos. Desde o primeiro trabalho ele me deu autonomia para poder fazer o que eu queria. Eu estava apresentando a ele ideias completas para o álbum e ele estava sempre me apoiando. Broadwalk Tales foi um álbum que tanto nos  intrigou quanto entusiasmou. É um  selo que carrega uma assinatura ao longo dos anos, e não mudou para seguir as novas tendências, mas continuou a ter seu próprio som. Estou muito feliz pelo Echocord!

E quanto às novidades que estão por vir nos próximos meses, o que você pode adiantar para nós?

No dia 15 de outubro meu novo álbum, Parallel Moves, foi lançado em vinil duplo, CD e digital. Estou terminando um novo set ao vivo que quero apresentar, uma versão club dele.

Em todas as entrevistas, finalizamos com uma pergunta que é clássica aqui do Alataj: o que a música significa para sua vida?

Uma forma necessária de expressão de coisas que não posso comunicar de forma diferente.

A música conecta.