Alataj entrevista Hybrasil

Basta uma pequena olhada pela conversa que tivemos com Hybrasil para notar que não é a toa sua percepção musical e qualidade no trabalho. Dono de um background riquíssimo, o artista atuou em um programa de rádio por mais de 10 anos, foi promotor de eventos, passou por grandes estúdios de gravação como engenheiro de som de diversas bandas e realiza até hoje parcerias de sucesso, como com a grande referência do techno Radio Slave, com quem trabalha como engenheiro de som para o SRVD, projeto entre Slave e Patrick Mason.

Will Kinsella, verdadeiro nome do DJ e produtor irlandês, é também amante dos velhos costumes no mundo da música e, mesmo com o projeto iniciado apenas em 2016, já tem o apoio de inúmeros artistas de respeito do cenário eletrônico mundial com seu primeiro álbum Embers, lançado pela famosa Rekids e inspirado na cidade em que vive hoje em dia, Berlim. Tivemos uma breve e interessante conversa com ele sobre diversos aspectos de sua vida e carreira que vale a pena dar uma conferida:

Alataj: Olá Hybrasil, tudo bem? Obrigada por nos receber! Seu nome artístico, apesar de ter a palavra “Brasil” nele, provavelmente é uma referência à Hy Brasil, uma lendária ilha fantasma na Irlanda, estamos corretos? Conte-nos um pouco mais sobre essa escolha.

Hybrasil: Sim, isso mesmo. Hy Brasil é uma ilha fantasma que apareceu nos mapas de 1325 a 1800. Segundo a mitologia irlandesa, era uma ilha nublada, exceto por um dia a cada 7 anos em que era visível, mas não acessível. Um capitão do mar escocês chamado John Nesbit afirmou ter visitado a ilha em 1674, onde disse que conheceu um velho mágico que morava sozinho em um castelo. Há muita mitologia em torno da ilha, alguns acreditando que era o lar de deuses celtas, outros acreditavam que era habitada por monges que criaram uma civilização avançada lá. Outros acreditam que era uma Atlântida Irlandesa.

O Hybrasil sempre falou comigo em algum nível, é difícil de explicar. Eu nunca decidi por um pseudônimo e sempre trabalhei sob meu nome real até conhecer a ilha, suas origens e os mitos que a cercavam. Foi um momento eureka. Comecei a escrever músicas como Hybrasil em 2013, mas não lancei nada até 2016.

Na sua biografia, você relata que cresceu em Dublin, a cidade onde iniciou seu envolvimento com a música, especialmente como promotor de eventos e, que chamou nossa atenção, apresentador de rádio. Como foi esse programa e que influência ele teve ao longo de sua carreira?

Originalmente, cresci em Wexford e me mudei para Dublin aos doze anos. Meu primeiro encontro com música eletrônica foi através da Rádio Pirata, que me levou a comprar toca-discos e discos antes de eu pôr os pés em um clube. Quando me formei na faculdade, iniciei meu próprio programa de rádio, inspirado nos programas de Jeff Mills (The Wizard) no WJLB Detroit. Era um show noturno de três toca discos. Fiz isso por 12 anos, primeiro em uma estação de rádio irlandesa e depois na emissora nacional RTE.

O rádio para mim era extremamente importante. Ele me fez procurar novas músicas toda semana e me deu uma forma de iniciar a carreira como DJ. Com o passar do tempo, isso também influenciaria a música que eu estava criando e, muitas vezes, eu ia direto do meu programa de rádio para o meu estúdio, onde trabalhava em novas ideias.

As primeiras noites de clubs que eu promovi foram derivadas do meu programa de rádio. Eu levava DJs que apoiava no ar, pessoas como Jeff Mills, Radio Slave, Cari Lekebusch, Alan Fitzpatrick, Joseph Capriati, The Advent. Eu também fazia músicas para cada um desses shows e apresentava essas faixas ao vivo. Foi aí que minha jornada como artista ao vivo começou.

O rádio foi uma grande parte do meu desenvolvimento como artista. Houve um feedback entre a música que eu estava apresentando no meu programa e o que eu estava criando no meu estúdio para as festas que eu estava promovendo.

Ainda sobre sua cidade natal, Dublin possui um cenário eletrônico muito sólido e interessante já há muito tempo. Tem algo que você vivia nos seus primeiros contatos com essa cultura que sente falta hoje em dia?

Isso não é realmente exclusivo de Dublin, mas sinto falta da cultura da loja de discos quando todo DJ costumava comprar discos. Visitar uma loja todo fim de semana, tentar obter os últimos lançamentos, descobrir novas gravadoras e conhecer outros DJs. Foi um tempo muito legal. Também sinto falta da Rádio Pirata, sei que agora há rádio na Internet, o que também é legal, mas sinto falta da abordagem não estabelecida regional de fazer a minha maneira.

Você também é altamente respeitado pelo seu currículo como engenheiro de som, já que trabalhou nas gravadoras Temple Lane e Grouse Lodge Studios, duas gigantes do mercado mundial. Consegue nos dizer um dos diversos ensinamentos que essa experiência te trouxe e você carrega em sua mente até hoje?

Eu realmente amei engenharia de som e trabalhar com bandas. Foi quando eu realmente entrei na arte e na ciência de gravar e mixar áudio. Tive a sorte de ter trabalhado com alguns artistas incrivelmente talentosos. Aprendi sobre arranjo, composição e música em um nível muito mais profundo, trabalhando com artistas de diferentes origens, como World Music, Folk, Blues e Prog Rock.

As coisas que aprendi lá são importantes para mim toda vez que entro em um estúdio. Isso me deu confiança não apenas em minha própria capacidade como engenheiro, mas também em trabalhar com artistas de diferentes origens. Foi um momento incrivelmente inspirador e uma parte importante do meu desenvolvimento como artista.

Berlim é, sem dúvida alguma, um centro cultural inesgotável, com uma diversidade de estilos e movimentos musicais incríveis. Qual foi o motivo que te fez mudar-se para lá? De alguma forma a cidade te influenciou musicalmente?

Eu me mudei para Berlim para me concentrar no meu estúdio e trabalho de engenharia e muitos fatores me influenciaram musicalmente desde então. Trabalho com a Radio Slave e com a SRVD como técnico de estúdio. Há uma incrível cultura de vinil aqui e há muitas lojas de discos realmente boas. Eu tento ir a Hardwax pelo menos a cada duas semanas.

Encontrei algumas lojas de segunda mão realmente interessantes que vendem synths, samplers e baterias eletrônicas. Eu gosto de ir a Schneidersladen para verificar os módulos mais recentes e geralmente aprender mais sobre o mundo modular. Ir a Superbooth este ano foi realmente incrível. Todas as minhas experiências aqui influenciaram meu processo criativo.

Você acaba de lançar seu mais novo Álbum, Embers, pela gravadora Rekids, com 8 faixas de techno que nos pareceram muito hipnóticas. Qual foi sua intenção na hora de colocar este projeto em prática? Qual o feedback que tem recebido da pista de dança e artistas?

Embers se inspira em meu tempo em Berlim e nas pessoas que conheci aqui. Eu não acho que poderia ser diferente. Eu queria capturar essa experiência na música que estava produzindo. Eu também queria aproveitar as influências iniciais do Detroit Minimal e apresentar minha própria interpretação disso.

Quando eu escrevi ‘Hathor’, que é a faixa de abertura do álbum, o Radio Slave tocou na semana seguinte no Panorama Bar. Eu segui dessa forma com mais e mais músicas minhas que o Radio Slave estava testando em seus sets. Esse processo continuou por 3 meses, o que levou à criação do álbum.

Dave Clarke apresentou 5 das 8 faixas em seu programa de rádio White Noise. O álbum recebeu apoio de DJs como Laurent Garnier, Ryan Elliot, Len Faki, Alan Fitzpatrick, The Martinez Brothers, Monika Kruse, ANNA, Rolando e Marcel Fengler.

A colaboração com Rekids nesse projeto foi incrível, sou muito grato pelo apoio que recebi no geral.

Para finalizar, uma pergunta pessoal: o que é música para você?

Uma comunicação de ideias através de ritmo e frequência.

A música conecta.