Entrevistas
Monki Monki Monki Monki Monki
Monki Monki Monki Monki Monki
Monki Monki Monki Monki Monki
Monki Monki Monki Monki Monki

Alataj entrevista Monki

Uma mixada aqui, uma produzida ali, uma troca de passes lá e uma partida de futebol no campeonato britânico acolá. Parece loucura conciliar a vida agitada de uma DJ e produtora britânica com a de uma jogadora de futebol profissional, mas é isso que acontece com Lucy Monkman e ela tira de letra todas as atividades que se propõe.

Mais do que cumprir sua agenda agitada, ela ainda é fundadora e curadora do label & Friends, um selo que nasceu do desejo de Monki criar livremente e também impulsionar outros artistas dentro do cenário. Falando em criação, seu último lançamento foi o EP Yurican Soul, que marca sua estreia no Hot Creations de Jamie Jones.

O EP é um conjunto de duas faixas com boas inspirações para suas criações. Nós conversamos com a artista para sabermos mais sobre esses e outros projetos. Acompanhe.

Alataj: Olá Lucy,obrigada por conversar com a gente! Vamos começar esse papo falando sobre seu EP Yurican Soul, um conjunto de duas músicas potentes para a pista de dança. Como nasceu esse projeto? Como aconteceu o processo criativo no estúdio?

Monki: Ei! Ambas as faixas foram feitas com uma grande lacuna entre elas. Com Yurican Soul, eu comecei com a linha de baixo. Na época, eu estava ouvindo muito Masters At Work e algumas de suas back tracks despojadas que costumam ser usadas como tools. O vocal veio de um antigo disco do Defected. Eu tenho acesso ao catálogo de suas acapellas e eles têm algumas ótimas. The Original é de AWA Band, uma faixa lançada em 2000. Demorou um pouco para descobrir em que idioma estava o disco! Eu queria um vocal que se encaixasse bem com a percussão e soasse bem numa vibe diurna. Yurican Soul assinou com a Hot Creations primeiro e eu tive que fazer um lado B, estava falando com Jamie por e-mail e acabei fazendo algumas perguntas a ele. Eu tentei algo com uma linha de baixo de arpejo e consegui um bom ritmo. Eu amo trabalhar com vocais, a maioria dos meus discos têm vocais. Eu queria algo falado e um pouco de língua e bochecha. Queen Rose fez um ótimo trabalho e adoro seu tom de voz.

Soubemos que suas  inspirações para a criação dessas faixas vieram de um dos seus heróis da música, Louie Vega, e o som da velha escola de Nova York. Conte-nos um pouco mais sobre essas referências e como conseguiu traduzi-las na música.

Sim, o Yurican Soul se inspirou no Louie. Eu amo seus discos há muito tempo, eles têm muita alma neles. Quando eu estava na Radio 1, ele apareceu no meu programa e tivemos uma longa conversa. A entrevista que foi ao ar durou apenas cerca de 10 minutos, eu acho, mas a conversa real durou bem mais de uma hora. Eu admiro seu amor pela música. Eu não planejei fazer um disco LV, eu nunca poderia. Mas sua música sempre me traz alegria e quando estou no estúdio quero me divertir.

Uma das faixas possui a participação de Queen Rose. Como aconteceu esse encontro entre vocês? O que surgiu antes, a base da faixa ou a intenção de trabalharem juntas?

A faixa veio primeiro e então eu decidi que queria um certo tipo de vocal nela. Eu já fiz AnR’d antes de pequenas gravadoras a grandes, então acho esse processo de partes entre peças e colaboração muito interessante. Enviei o instrumental para Adrienne, que é a AnR chefe da Defected, e disse a ela o tipo de coisa que eu estava procurando. Ela pensou na Quen Rose imediatamente e foi a partir daí.

O lançamento acontece pela Hot Creations, uma gravadora imponente no mercado. A vontade de lançar no label era antiga? Como aconteceu esse encontro?

Sim, eu queria lançar no HC há muito tempo. Quando comecei a produzir, criei uma lista de gravadoras com as quais queria lançar e o HC estava lá desde o início. Eu conheci Jamie em um festival em Malta, mas não por muito tempo, eu apenas disse ‘Oi’ no estande. Toquei seus discos por muito tempo na Radio 1 e recebi uma apresentação formal alguns anos atrás por e-mail. Nós mantivemos contato e eu continuei mandando batidas para ele.

Falando em label, você comanda sua própria gravadora, & Friends, desde 2018. Você acredita que hoje é imprescindível para um artista ter seu próprio espaço para criar mais livremente?

Não, não acho que seja essencial, mas é bom ter a liberdade de lançar sua música quando quiser. Para mim, pessoalmente, é mais um hub para apoiar artistas e todos os anos farei um EP no & Friends, é claro. Temos sido muito mais consistentes com os lançamentos este ano e espero continuar assim, temos alguns records fantásticos alinhados.

Sua trajetória na música está diretamente conectada com a rádio desde os primeiros momentos. O que te brilha os olhos nessa forma de compartilhar música? De alguma forma o trabalho que você faz dentro da rádio impacta o trabalho que faz dentro da cabine da pista de dança?

O rádio foi realmente uma porta de entrada para mim para tanta música. Eu era muito jovem para ir a clubes quando descobri meu próprio gosto pela Dance Music. Então, o rádio era o lugar onde eu ouvia e descobria discos. Alguns dos melhores DJs do rádio fariam você se sentir parte de algo sem sair do quarto. É assim que o rádio me fez sentir quando adolescente. Eu acho que estar em um estúdio de rádio e estar em uma cabine são duas experiências e habilidades muito diferentes. Mas aprendi muito com ambos.

Não podemos deixar de falar sobre o momento glorioso que o Reino Unido vive com o retorno das pistas de dança em algumas cidades por aí, não é? Mas antes disso todos vivemos momentos de muita tensão e sofrimento. Como você passou por esse período pandêmico e quais são suas expectativas para os próximos meses em relação ao coronavírus?

Ah sim! Liverpool acaba de dar uma festa incrível organizada por Yousef e seu label, Circus. Parece que houve algumas lágrimas e estou surpresa, tem sido incrivelmente difícil para tantos setores, mas a vida noturna tem sido uma das mais atingidas e uma das locações bem cuidadas pelo governo, na minha opinião. Os últimos 18 meses foram desafiadores, acho que a parte mais difícil foi não entender bem quando ia acabar; mas também tenho muita sorte. Tenho outras paixões fora da música que poderiam prevalecer enquanto eu não estivesse mais em turnê. Na verdade, foi uma boa mudança de ritmo de vida. Adoro me manter em forma e também jogar futebol de qualidade. Portanto, concentrei-me principalmente na minha saúde.

Além de artista, você também é esportista e é jogadora do Dulwich Hamlet Football Club, certo? Num mundo onde não havia lockdown, como você concilia essas duas tarefas? De alguma forma sua carreira e vivência no esporte impactam a forma com que você gerencia ou enxerga sua carreira na música?

É um equilíbrio muito difícil e à medida que envelheço não fica mais fácil! Eu amo as duas coisas, meu amor pelo futebol surgiu muito cedo, quando eu tinha apenas cinco anos. Sempre quis ser uma jogadora de futebol profissional, mas simplesmente não era uma carreira para uma mulher quando eu era mais jovem. Tenho sorte agora que posso fazer um pouco de ambos. Mas sim, você está certa, isso afeta muito a forma como conduzo minha carreira musical, mas para mim está tudo bem, porque fazer as duas coisas me deixa feliz. Depois que as festas não são mais uma coisa que eu frequento, eu tenho que ter certeza de descansar o suficiente e comer bem durante a turnê. Eu geralmente tento fazer shows na sexta-feira à noite porque meus dias de jogos geralmente são no domingo. Mas voltar a jogar futebol foi muito benéfico para a minha saúde!

Para finalizar, uma pergunta tradicional do Alataj: o que a música representa em sua vida?

Alegria.

A música conecta.