Entrevistas
Rosa Anschütz Rosa Anschütz Rosa Anschütz Rosa Anschütz Rosa Anschütz
Rosa Anschütz Rosa Anschütz Rosa Anschütz Rosa Anschütz Rosa Anschütz
Rosa Anschütz Rosa Anschütz Rosa Anschütz Rosa Anschütz Rosa Anschütz
Rosa Anschütz Rosa Anschütz Rosa Anschütz Rosa Anschütz Rosa Anschütz

Alataj entrevista Rosa Anschütz

O que você diria de uma artista que produziu seu primeiro álbum por três anos? A alemã Rosa Anschütz não teve pressa alguma para conceber seu primeiro trabalho em estúdio e a meticulosidade em sua produção não poderia ser diferente, já que o nome que foi dado ao trabalho é Votive, que significa um objeto dado como oferta, uma intenção, um feitiço em forma física. No caso de Rosa, é a música como uma forma de invocação.

Assim como em todos os trabalhos que cria em estúdio, Rosa colocou sua energia de forma visceral em Votice, um conjunto de anos de rituais diários: colagens de vocais, áudio criados a partir de voltagens elétricas e muito mais. É também um espaço altamente carregado de espírito / emoção, uma experiência religiosa.

A artista brinca e experimenta com elementos orgânicos, sintetizadores modulares criados por ela e camadas de seus vocais em faixas experimentais e Ambiance. Conversamos com ela sobre o processo criativo do álbum, carreira e outros assuntos.

Alataj: Olá Rosa, como você está? Obrigada por falar com a gente! Você é nascida em Berlim e fez o caminho inverso da maioria dos artistas, mudando-se para Viena há algum tempo. De alguma forma essa mudança impactou na forma com que você cria suas faixas?

Rosa Anschütz: Eu só queria fechar um grande capítulo e passar para o próximo.

Eu tendo a tomar decisões extremas e me afastar precisava acontecer de forma física, não ser apenas um estado de espírito.

Não esperava nada da cidade, pois só estive lá uma vez para me inscrever na universidade.

Acho que muita gente espera algo quando se muda para Berlim, mas o que conta de verdade é o que você está fazendo, não tanto onde. Eu confio na minha intuição.

Em termos de música, fui capaz de me concentrar, porque chegar a algum lugar inteiramente novo torna mais fácil me concentrar em uma coisa. No entanto, penso em encerrar o capítulo de Viena em breve e passar para o próximo.

Suas criações são muito experimentais, com uma atmosfera mais sombria e profunda. Como foi que você chegou nesse estilo sonoro em sua vida? Algum artista que lhe inspirou em especial?

A inspiração é algo que só acontece no momento de criar música, que também é um estado intuitivo de coletar sons que me fazem sentir bem.

É difícil dizer o que exatamente me inspirou depois, também não estou tentando rastrear.

Claro que vários estilos me influenciaram e pode ser qualquer coisa, música de todos os tipos e gêneros. No momento em que tento aspirar algo no som, parece-me honesto. É principalmente improvisação e eu aprendo muito sobre mim ao “re-ouvir” o que gravei.

Sua música é uma junção de instrumentos orgânicos, synths modulares e drum machines. Como acontece o workflow no estúdio? As faixas podem ser consideradas experimentações livres ou seguem um roteiro que tem em mente?

Mais uma experimentação livre. Eu uso o Ableton para gravar e apenas misturar e testar tudo com o que gravei. É um processo rápido. Gravar uma guitarra, por exemplo, aperte, lance e jogue um monte de efeitos nela. Ouça, remova e mova.

Às vezes, gravo melodias que tenho na cabeça no meu telefone e as acompanho até a tradução com instrumentos. Envio os projetos para Jan Wagner, meu produtor, e começamos a estruturá-los no estúdio em Berlim.

Um dos destaques em sua produção são seus vocais, que se misturam com os demais elementos de forma muito interessante. Como é esse processo criativo na hora da produção das faixas?

Intuição e principalmente escuta. Tenho experiência em canto coral e adoro criar harmonias, camadas de vozes.

Seu último trabalho é o álbum Votive, um conjunto de nove faixas fortes. Como aconteceu o processo de criação e produção desse projeto?

Foi um processo que se estendeu por alguns anos. A missão era dar às faixas uma capa alinhada, que se tornou o termo Votive (Votivo, em português).

O termo Votive é tirado da tradição cristã de oferenda, que você dá para agradar a um deus ou deusa. Ela foi traduzida em nove pequenos objetos, que ajustei para cada faixa.

Gostei muito de conectar os sons dessa forma, pois me deu suporte ao uso de minhas outras áreas de prática artística.

Conheci o termo Votive pois estava participando de um festival em Barcelona, caminhando muito pela cidade e acabei na Basílica da Sagrada Família. Eu estava me perguntando como essas ofertas, como objetos poderiam ser. Ouvindo as faixas de novo e de novo, penso muito na forma e na cor de cada uma.

Suas apresentações ao vivo levam o público a uma viagem sonora imersiva e hipnotizante. Como você define o melhor cenário para que o público possa aproveitá-la da melhor forma?

Minha música é uma oferta aberta a todos que desejam explorar juntos, que pode acontecer em qualquer lugar, em qualquer local que siga um código de respeito a cada indivíduo.

Infelizmente estamos afastados há alguns meses do público por conta da pandemia e é claro que isso afeta a todos nós. Como você tem passado por este período? Este momento, de alguma forma, influenciou a maneira de você criar suas faixas?

Tive o privilégio de poder aproveitar a situação para criar mais música. Tenho mais tempo, que normalmente seria gasto em shows e exibições. Também me encontrei em situações de desespero, ansiedade e decepção, pois tive tempo para repensar muitas coisas. Tentarei me apropriar desses sentimentos e reconhecê-los, conforme eles reaparecerem.

O que podemos esperar de Rosa Anschütz para 2021?

Muitos novos trabalhos em todos os tipos de campos.

Para finalizar, uma pergunta tradicional do Alataj: o que a música representa em sua vida?

É minha primeira nutrição e fonte de alegria.

A música conecta.