Faixa Faixa| German Brigante – Genisys [Connected Frontline]

German Brigante é o tipo de artista que conquista o público, não somente por sua exímia habilidade nos decks, mas também por seu carisma e a notável capacidade de desenhar grooves cativantes, capazes de fazer o auge em qualquer pista de dança;

O DJ e produtor espanhol, já cruzou os quatro cantos do mundo apresentando seu estilo único e uma forte conexão com o público, fortalecendo em especial, uma grande base de admiradores aqui no Brasil e na Argentina. Com passagens pela Dirtybird, Diynamic, Exploited e Get Physical, Brigante tem sua assinatura marcada por um House distinto e envolve, com percussividade sempre saliente e característica. 

Agora apresentando seu mais novo Genisys EP, pela Connected Frontline – gravadora comandada pelo Stereo MC’s -, German apresenta uma envolvência melódica em torno do Afro House e Melodic House através de três faixas, que o artista apresenta em detalhes aqui no Faixa a Faixa. Confira:

Genysis | Aqui eu usei o Roland Juno 106 e o Moog Sub 37 para a melodia desta faixa. Eu procurei transmitir um toque angelical e harmônico, com um dos drops mais longos que já fiz em um disco. A música dos anos 80 me inspira, então eu queria criar uma boa tensão com pads e sintetizadores para explodir a pista de dança. Em relação à bateria, foi bem simples, usando meu Roland Tr 808 para Toms, Hats e Kicks. Na verdade, esta é uma composição com poucos canais, mas extrai o máximo deles.

Ombu | Concentrei-me nesta faixa pensando em um intro para um DJ set, e incluí plugins como Omnisphere, Diva e Kontakt para as percussões. O lead e o sintetizador principal vêm de um Moog Sub 37, então é isso que atrai mais atenção. É o mesmo que Genysis, com poucas faixas comprimidas ao máximo, essa era a música que eu tinha em mente para Connected. Francamente, eu queria criar um equilíbrio adequado entre a bateria e o sintetizador.

Temple | É a faixa mais elaborada das três, complexa e repleta de automatizações, trazendo Toms afinados do 808 para criar uma tensão. Eu usei um Moog Voyager para sintetizadores repetitivos com alguns cowbells, pianos, Kicks e samples de Hats. Quando eu estava em turnê na Índia, havia pessoas orando em um templo budista, então esse foi o som que me inspirou para o teclado ambiente que usei no drop, que só encontrei em um plugin. Experimentei essa faixa antes da pandemia e deu um bom resultado na pista de dança.

A música conecta.