The Music Mission busca apoio de gravadoras para o combate à pirataria digital

Pirataria é uma prática bastante antiga e cada vez mais comum no mundo digitalizado em que vivemos. No âmbito da indústria fonográfica, em especial, é impossível não abordar esse assunto porque o consumo de músicas de fonte pirata é superior ao próprio ato de acessá-las por meio de alguma origem registrada. Essa prática não só é ilegal como também impede que os artistas tenham acesso ao retorno financeiro por seu trabalho criativo – e precisa ser combatida por todos nós, amantes da música de qualidade.

A empresa britânica AudioLock atua há dez anos com serviços de combate à pirataria musical, mas seu trabalho sozinho é ineficiente contra um novo tipo de distribuição ilegal de faixas: os sites de assinatura pirata. Esses sites possuem uma interface similar aos principais portais de comércio online de músicas e cobram dos usuários uma taxa mensal para o download de faixas e outros conteúdos disponibilizados por eles.

Para ampliar seu poder de atuação e conseguir derrubar esses sites, a empresa criada pelo DJ e produtor Ben Rush deu vida ao projeto The Music Mission (A Missão da Música) em parceria com a também britânica Label Worx, lançado em março deste ano. A finalidade da iniciativa é obter o suporte, devidamente registrado, dos principais players detentores de direitos de propriedade musical para conseguirem, juntos, derrubar as fontes de distribuição piratas.

Estima-se que esses portais possuam um volume de acessos mensal superior a 11 milhões de usuários, enquanto as plataformas digitais autorizadas (como Beatport, Juno Download e Traxsource) somadas possuem cerca de 9,4 milhões de visitas por mês. Todo tráfego desviado das lojas registradas – que é convertido em vendas – deixa de gerar receita aos artistas por suas criações e diminui o fomento à toda indústria musical.

A The Music Mission já possui a colaboração de importantes labels da música eletrônica internacional, entre elas Defected, Armada, Toolroom e Anjunadeep. Artistas de toda a cadeia musical, produtores, veículos de mídia musical, donos de lojas digitais e físicas, assim como todos os profissionais que trabalham com música, direta ou indiretamente, também podem fazer sua inscrição para contribuir com o projeto.

Para conhecer mais sobre o projeto, você pode acessar ao manifesto no site oficial (em inglês).

A música conecta