Birdee Birdee Birdee Birdee Birdee
Birdee Birdee Birdee Birdee Birdee
Birdee Birdee Birdee Birdee Birdee
Birdee Birdee Birdee Birdee Birdee

Alataj entrevista Birdee

Ao ouvir Birdee pela primeira vez é fácil perceber que estamos prestes a entrar em uma jornada eclética com Disco, House, Funky, Indie e referências french, tudo muito dançante e envolvente, como essas próprias características carregam. Uma riqueza musical que só um artista de longa data poderia trazer em suas produções, afinal, ele não é recém chegado na cena.

Pelo menos não com o pseudônimo de Birdee, Marcello De Angelis já tem mais de uma década de devoção à Dance Music no mundo e agora juntou toda a experiência para trazer produções incríveis com seu novo disfarce.

Fazendo um breve apanhado de alguns de seus feitos, lançou pela Southern Fried Records de Fatboy Slim, remixou Vato Gonzalez, The Whip, Herve ‘, Malente, Louis La Roche e Mason. Recebeu apoio de nomes como o do próprio Fatboy Slim, Oliver Heldens, Laidback Luke, Vanilla Ace, Punks Jump Up, Solidisco e The Aston Shuffle. Seu single Shake it foi inserido na compilação da Cream Ibiza 2011, sem contar o suporte constante que recebe da BBC Radio 1. Lançou dois EPs pela ISM Recordings, gravadora voltada para a Disco Music e teve um remix feito por Aeroplane para a adorável Glitterbox.

O último feito dele é a faixa Free Yourself com Nick Reach Up e a diva Barbara Tucker. A verdade é que nem precisávamos citar tantos feitos; basta ouví-lo para apreciar um tipo de som que entra pelos ouvidos e cai diretamente no peito. Um deleite puro para os amantes dessas sonoridades. Batemos um papo com ele para conhecer melhor essa mente musical cheia de grandes ideias:

Alataj: Olá Birdee, tudo bem? Obrigada por essa oportunidade. O seu trabalho é incrível. Existe uma riqueza musical em suas produções; a forma como você coloca os elementos, a melodia e o vocal super harmonizados, a base instrumental, enfim, precisamos saber como você chegou até isso. Conta pra nós como se desenrolou sua trajetória com a música no passado e como você caiu no eletrônico.

Birdee: Obrigado pelas amáveis ​​palavras, estou realmente feliz por você gostar da minha música! Comecei a tocar piano quando tinha 6 ou 7 anos, meus pais estavam muito entusiasmados por eu ter formação em música clássica. Estudei piano por muitos anos, mas depois comecei a tocar violão em bandas de rock locais em minha cidade natal, Rovereto, na Itália. No início dos anos 2000 entrei para uma banda que assinou contrato com a Virgin Records e fizemos uma turnê bastante grande na Itália. Mas nesse ponto comecei a me dedicar cada vez mais à música eletrônica e Dance – tinha ido a Londres por alguns meses em 1998 e isso mudou muitas coisas para mim musicalmente. Mas mesmo antes disso, eu tinha ouvido todo o Exit Planet Dust do Chemical Brothers em um show de rock; o cara do som colocou pra tocar depois que a banda terminou e eu fiquei encantado. Então eu realmente entrei no Big Beat na época e comecei a produzir dance music… o Big Beat tinha muitas amostras de Funk, Soul e Disco, então a partir daí foi realmente uma evolução natural.

Em sua biografia vimos que você nasceu na Itália e se mudou para Los Angeles, momento em que o projeto Birdee nasceu. Os dois países possuem culturas bem diferentes, inclusive musicais. Você possui algum artista ou estilo de música que não eletrônica que influenciaram na criação e evolução deste projeto? De alguma forma esse mix de culturas também te influenciou?

Sim, como eu disse, eu gostava muito de rock quando era criança e grande parte vem da Califórnia, muitos artistas que inspiraram minha trajetória musical inicial são daqui: Red Hot Chili Peppers, Jane’s Addiction, Primus, Faith No More … foi quando o chamado movimento “crossover” se tornou muito popular e muitas bandas de rock estavam fundindo rock com funk. Então, sempre me senti realmente atraído pela cena musical da Califórnia e de Los Angeles.

Eu não sei o quanto eu realmente absorvi minha formação musical italiana, mas provavelmente está em algum lugar da minha música – eu definitivamente fui influenciado por algumas das coisas mais engraçadas da Irma Records como Jestofunk, ou pelas coisas que a Change estava fazendo no início dos anos 80 .

Ainda sobre a Itália, este é um país bastante fértil para música eletrônica, especialmente para o Techno, mas também houve uma safra muito rica nos anos 90 para o House e temos a forte presença do atemporal Ítalo Disco. Como você enxerga a cena italiana hoje e que você trouxe de lá?

Sim, você está definitivamente correta. Eu não ouvia muito Ítalo quando era criança, mas o som estava em todo lugar… eu cresci nos anos 80 na Itália então você podia ouvir em praticamente qualquer lugar. Havia muito Ítalo ruim por aí, haha, alguns eram muito bregas. Havia uma discoteca realmente famosa muito perto da minha casa chamada Cosmic, tenho certeza que você já ouviu falar, é onde Daniele Baldelli residia, mas na época eles realmente não chamavam aquela música de Ítalo Disco. Eu sempre me lembro de pessoas se referindo para esse estilo como Afro ou Funky.

Na verdade, eu nunca fui ao Cosmic porque eu era muito jovem quando ele fechou, mas muitos dos caras mais velhos estavam sempre falando sobre isso, acho que era um lugar realmente mágico.

Hoje, a cena italiana que sinto é bastante forte, é claro que Tiger e Woods foram fundamentais para dar um pontapé inicial na cena de edição moderna e sua contribuição foi inestimável. Você tem Dj Rocca, Re-Tide, Micky More e Andy Tee, Babert, Moplen, mas não parece haver uma “cena” real. No entanto, meu bom amigo Rocoe, em Milão, administra uma grande gravadora e uma festa incrível chamada Body Heat e também faz parte da Body Heat Gang Band, ele sempre tenta reunir pessoas e reservar dj’s interessantes para suas festas – e criar uma cena. Há muita energia boa e muitos produtores talentosos, espero que continuem crescendo.

Notamos a forte influência da Disco Music clássica nas suas produções, que é um movimento que sustenta muito do que se ouve hoje nas pistas de dança e que dê uns anos pra cá tem se sobressaído. Há também uma forte presença do French Touch e Indie Dance. Parece que essas ramificações estão criando mais força agora com movimentos como a Glitterbox. Como você enxerga essas vertentes no mercado? Existem outras festas e movimentos voltados à esses estilos que contribuem para esquentar o mercado?

O Glitterbox é definitivamente o melhor exemplo da mudança que tem acontecido nos últimos anos, onde DJs como Joey Negro, John Morales ou Dimitri From Paris estão novamente tocando nos palcos principais de festivais e clubes como Ministry ou Hi Ibiza, algo que parecia impossível há cinco anos. Claro que também é devido ao trabalho de dj’s ‘legais’ – quero dizer da melhor maneira possível – como Jeremy Underground e Palms Trax e até Purple Disco Machine que isso foi possível. Definitivamente é ótimo ver uma multidão de festivais dançando ao som de um clássico Disco e Funk. O Reino Unido parece ser o epicentro da cena; eu pessoalmente toquei algumas festas incríveis nos Jamm e Xoyo em Londres, e algumas realmente boas para a equipe do Chase The Compass, que também está estimulando as vibrações do disco. Novamente Body Heat em Milão é outra grande festa. Eu também acabei de voltar de uma turnê pela Austrália, onde a cena discoteca é muito, muito forte, provavelmente devido ao fato de o Dr. Packer e o Late Nite Tuff Guy serem de lá. Foi definitivamente uma turnê incrível e abriu os olhos.

Você lançou recentemente uma collab com Nick Reach UP com participação da diva Barbara Tucker, comente um pouco sobre esse trabalho e como foi esse processo de criação.

Eu me encontrei com Nick quando ele veio a Los Angeles para assistir ao Grammy – ele é uma lenda da cena da música que assinou o Prodigy para XL na época, entre outras coisas, e ele gerencia um ato que foi indicado ao Grammy. Então nos conhecemos e a pista se juntou muito rapidamente. Em duas horas tivemos uma ideia. Logo percebemos que precisávamos de um vocal forte sobre a faixa e Nick sugeriu que tentássemos perguntar a Barbara. Eles haviam trabalhado juntos no passado e se conhecem muito bem. Fiquei emocionado! Honestamente, é um sonho realizado gravar um disco com Barbara Tucker e estamos todos super felizes com o resultado.

E falando sobre produções,você tem lançado bastante coisa, várias collabs e remixes legais. Como é esse processo em estúdio? O que te influência na música nessas horas e quem são os antigos mentores e os novos nomes que você acompanha?

Sinceramente, diferente a cada vez. Eu realmente não tenho uma fórmula que eu sigo, mas sim, definitivamente a música que estou ouvindo em um determinado momento tende a influenciar meu processo. Eu tenho uma configuração bastante básica, o Ableton Live, uma placa de som Apollo Twin, um Juno 106 e um SH101 – embora esses estejam de lá em casa, na Itália. Em termos de inspirações, os grooves de Joey Negro são sempre incríveis; Dimitri From Paris também não erra; a bateria do Dr. Packer é imbatível; e o Late Nite Tuff Guy também tem algumas edições incríveis, é claro, assim como The Reflex. Novamente falando do jogo de edição Peter Croce, conhecido como Mr PC, tem alguns realmente bons, e o Young Pulse também é sempre muito impressionante. As produções de Michael Gray estão sempre no ponto e eu tive a sorte de fazer um remix para ele. Seamus Haji teve um par incrível de anos, eu sempre acabo tocando algumas coisas dele – o mesmo vale para Yuksek, JKriv e Yam Who?, tanto o material solo quanto o Qwestlife. São muitos nomes, haha, há muita música boa por aí. Acabei de perceber que esqueci o Mighty Mouse e tenho certeza que esqueci muitos outros. É uma cena muito forte.

Estamos vivendo um momento inédito no mundo. Com essa situação muitos planos foram cancelados, adaptados, pausados. Como está sendo esse hiato para você? Quais os rumos que 2020 tomarão para Birdee? 

O 2020 realmente começou muito bem para mim na turnê pela Austrália. Eu estava pronto para viajar muito mais e então tudo parou. Pessoalmente, acho que a raça humana precisa de um momento para refletir sobre o que está acontecendo e por que está acontecendo, obviamente é algo que vai além dos nossos interesses e problemas pessoais. A conversa sobre nosso tratamento do planeta, nosso tratamento de animais e mudanças climáticas já estava em andamento há algum tempo, mas nenhum governo ou organização realmente tomou uma atitude. Agora, o vírus está nos forçando a parar e é nossa chance de realmente fazer algumas mudanças significativas em nosso estilo de vida, para que isso não aconteça novamente. Mesmo no mundo dos DJs, há 15 anos, um DJ “ocupado” tocava duas vezes por semana, agora você tem pessoas fazendo 7 ou 8 vôos por semana. É loucura e não é sustentável. Todos nós precisamos diminuir o ritmo se queremos sobreviver.

Para finalizar, uma pergunta pessoal: o que é música para você?

Música é minha língua, eu diria. Sou melhor em expressar meus sentimentos com música do que com palavras ou ações. Pode parecer cafona, mas é assim que eu me sinto … e, para mim, a sensação mais incrível é como isso une as pessoas. Nunca me senti tão feliz como quando estive em um show incrível ou em uma boate ou em um ótimo show.

É um sentimento que não consigo descrever, mas quando você olha em volta e vê que todo mundo está sentindo a mesma vibração – esteja você tocando ou no meio da multidão, é alucinante. É o poder da música, não há nada como isso.

A música conecta.

+++ Relembre do V.A. This Ain’t No Disco da Glitterbox