Drumcomplex Drumcomplex Drumcomplex Drumcomplex Drumcomplex
Drumcomplex Drumcomplex Drumcomplex Drumcomplex Drumcomplex
Drumcomplex Drumcomplex Drumcomplex Drumcomplex Drumcomplex
Drumcomplex Drumcomplex Drumcomplex Drumcomplex Drumcomplex

Alataj entrevista Drumcomplex

A fonte alemã do Techno segue próspera em revelar ao mundo artistas dedicados a essa vertente ja há algumas décadas. Arnd Reichow, artisticamente conhecido como Drumcomplex, faz parte da rica safra anos 90 e desde lá segue fiel como DJ e produtor essencialmente do estilo, além de se tornar também head label e curador da gravadora Complexed Records.

Esses anos de dedicação imersiva ao gênero o tornou um dos provedores da cultura Techno na Alemanha, conquistando posições privilegiadas em nível global ao passar pelo crivo de artistas como Carl Cox, lançando em sua gravadora Intec Digital, OFF, Ei8ht, e também contando alguns capítulos na antiga Space Ibiza e Gashouder de Amsterdã.

Hoje, o artista se dedica profundamente às suas produções autorais sem deixar a vida das pistas de lado. Fato é que ele se mantém bastante ativo no seu país e fora dele. Sua mais nova obra é o EP Techno?! – que será lançado na sua gravadora no dia 1 de Maio deste ano – e é composto de três faixas que levam a sério o nome escolhido para o projeto musical. Conversamos um pouco com o artista para entender com profundidade sua leitura sobre o universo em que atua:

Alataj: Olá Drumcomplex, tudo bem? Obrigada por nos receber. Você vem de uma terra muito prolífera em relação à essa vertente. Com certeza um ponto crucial na sua formação artística. Conta para nós sobre sua história com o Techno. Como tudo começou? 

Drumcomplex: Primeiro de tudo obrigado por me receberem, gostei bastante. Estou bem e saudável.

No começo dos anos 90 eu estava musicalmente interessado em Metal e Punk e, na verdade, nem um pouco em música eletrônica. Mas quando um amigo meu me levou para um clube em Düsseldorf, em 92, onde tocava Acid House e Techno eu me apaixonei imediatamente pelo som. Depois disso você me encontrava todo final de semana em um clube de Techno e eu comecei a comprar vinis em várias lojas de discos e praticar discotecagem em casa. Em 93 toquei pela primeira vez em um pequeno clube da minha cidade natal

São praticamente 25 anos de carreira, fazendo um apanhado: o que você sente que mudou drasticamente na cultura eletrônica e o que permaneceu? 

Para mim o que foi e ainda permanece é o Techno como um termo genérico no tempo em que muitos sub-gêneros se desenvolveram, mas como eu disse, é para mim simplesmente Techno.

Ao longo dos anos, houve tendências que foram e vieram como na moda. Muitas coisas estão voltando à tona novamente; esse som tecnóide mais rápido está de volta ou influências de trance que já tínhamos nos anos 90. Não vejo uma mudança dramática, mas apenas uma mudança saudável como a vida é.

O nome do projeto é justificado pela complexidade do estilo. Você segue uma linha energética, como podemos notar em faixas como Work the Bass, Over You e no remix da faixa Moroccan Chant No 2 de Carl Cox e Eric Powell. Quando você está em estúdio o que te traz inspiração para explorar essa complexidade? 

Quando estou no estúdio geralmente não tenho um conceito ou ideia exata de que tipo de estilo eu quero fazer. Muitos de meus colegas têm idéias ou visões antes de chegarem a uma pista. Eu sempre começo e a ideia só é desenvolvida durante a criação. Começo com um kickdrum e uma linha de baixo tocando com meus sintetizadores e, em seguida, isso geralmente acontece. Mas eu sou principalmente muito orientado sonoramente para a pista de dança e minha música geralmente é para o peaktime.

Conte-nos um pouco sobre a gravadora, a Complexed Records. Por que você decidiu iniciar esse projeto e o que costuma buscar desde que iniciou essa empreitada? Como é esse workflow?

Eu tive o sonho de criar minha própria gravadora por muito tempo. Eu sempre quis ter uma plataforma para liberar meu material do jeito que eu quero. Sem acordos com os outros; eu decido quando e como. Foi e também é importante para mim dar a amigos e novos artistas talentosos a chance de lançar suas músicas. Comecei em 2014 e já lançamos mais de 80 projetos musicais. Desde o início deste ano comecei a trabalhar com a Grise Agency, que assumiu o gerenciamento de etiquetas e me apoiou profissionalmente.

A vida noturna pode ser muito boa e também energeticamente difícil se não levada de maneira profissional. Você parece levar uma vida muito leve pelo que notamos em seus últimos posts durante a quarentena. Com tanto tempo de estrada, como você equaliza a vida profissional e pessoal?

Quando você viaja muito como eu e toca em uma cidade diferente todo fim de semana, é importante cuidar do seu corpo e da sua mente. Levar todas as festas ao limite é bastante contraproducente. Eu aprendi muito sobre mim e tive uma fase em que tive que lutar com meus demônios interiores também. Pratico muitos esportes, medito e tento comer comida vegana durante a semana. Sou uma pessoa de pensamento muito positivo e, especialmente nesta fase de quarentena, é muito importante manter-se mentalmente estável.

Diante do cenário atual, no qual a cultura das festas está totalmente interrompida, como você tem aproveitado seu tempo? O processo de criação musical tem fluído? E os quais são planos para quando voltarmos à ativa?

Honestamente esta é uma situação excepcional. A semana realmente não mudou muito para mim pois estou trabalhando em meu estúdio como de costume, fazendo minhas mídias sociais, programa de rádio, gravadora e tudo mais que vem com o trabalho. Atualmente tenho um bom fluxo de trabalho no meu álbum, mas sinto falta dos fins de semana para estar na estrada, conhecer pessoas, tocar tudo o que amo e por que sou DJ.

Para finalizar, uma pergunta pessoal. O que a música representa em sua vida?

A música é o meu motor em todas as fases da minha vida. Ainda me lembro de quando eu era criança, comemorando música pop no rádio. Se eu estou de bom humor ou de mau humor, a música está sempre comigo.

A música conecta.