READING

Uma reflexão sobre a influência da cultura musical...

Uma reflexão sobre a influência da cultura musical latina para os sons de pista

Por Rafael Moraes

Os subúrbios de grandes cidades como Nova York, Chicago e Detroit na década de 70 são retratados como o marco inicial de resistência social, política e artística. Berços de grandes movimentos por direitos das minorias: mulheres, gays, negros, esses locais alimentaram e geraram diversos artistas de diferentes categorias e gêneros como Disco, Soul, Hip Hop, House. Nessas cidades surgiram os primeiros clubs onde era possível ao artista e ao frequentador, se expressar sem discriminação.

Ainda que inexplicável, no âmbito da House Music, existe uma capítulo fundamental nesse processo que é ignorado: os latinos. Descendentes diretos da cultura afro, com sua religião e cultura musical focada em tambores e instrumentos de percussão (piano, você sabe, é considerado um instrumento de percussão), essas pessoas chegaram nos Estados Unidos buscando refugio e ali se instalaram, mudando e transformando a cultura local.

Seja na incorporação da língua espanhola com a inglesa, na disseminação da culinária, na forma de se vestir e até mesmo no comércio de charutos, um dos poucos produtos não embargados pelos Estados Unidos. Eles são um ponto de convergência de uma infinidade de costumes que hoje fazem parte do dia-a–dia da cultura dos norte-americanos.

Nuyurican foi o nome dado aos Porto-Riquenhos de Nova York, primeiramente com o intuito de rebaixa-los, e logo incorporado e tomado como um nome de resistência. Artistas de Salsa e Latin Jazz, como Tito Puente e Ray Barreto, incorporavam o Spanglish em suas músicas e daí surgem inúmeras derivações como Latin Boogaloo e Latin Soul. Nomes que fizeram história e revolucionaram a música cubana, levando-a a patamares nunca imaginados, incluem Eddie Palmieri, Celia Cruz, Paquito D’Rivera, Ruben Blades, Willy Bobo. Artistas que influenciaram e transformaram a música de ícones do Jazz como Chick Corea, Wayne Shorter e Miles Davis.

Os jovens criados nos subúrbios de Nova York cresceram embalados por essas músicas, tocadas nos bailes, festas e nas discotecas. Clubs como Paradise Garage, The Loft, Studio 54 e The Gallery eram embalados por ritmos latinos, assim como pioneiros como Larry Levan, Nick Siano, Frankie Knuckles e David Mancuso incluíam o Latin Soul em suas noites, o que influenciou toda uma geração, chegando à Disco Music. Prova disso é o clássico selo Saulsoul Orchestra, com sua inconfundível mistura de arranjos de cordas, batidas funky e elementos ricos em percussão. Loleatta Halloway, Jocelyn Brown, Joe Batan, Inner Life e Skyy escreveram inúmeros hits e uma importante página da década de 70, influenciando toda uma geração pós-disco de produtores, músicos e DJs que vieram a criar o que hoje conhecemos como House, Techno e Hip Hop.

A MÚSICA CONECTA.

PS: Rafael Moraes estreia um novo radioshow do Alataj, focado em música latina, no próximo dia 17 de Agosto. Registre-se para receber em primeira mão. 


Equipe de reação do portal Alataj, focada em levar conteúdo cultural ao público antenado na música eletrônica.

RELATED POST

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

INSTAGRAM
SIGA-NOS