Alataj entrevista X-Coast

Magia e mistério pairam entorno do produtor de música eletrônica X-Coast, um recente talento revelado direto das profundezas do underground sérvio para cena eletrônica global. 

Tão difícil quanto encontrar informações completas sobre sua identidade, é encaixar seu som dentro de uma determinada prateleira de estilo. Isso porque ele flutua com extrema fluidez entre o house com mais punch de pista e aquele flow da dance music mais suave e enigmático. Atualmente baseado no Brooklyn, X-Coast mistura uma vasta gama de referências em seus releases, que já passearam por selos do calibre de Hot Haus, Shall Not Fade e Dansu Discs.

Seu mais recente release é também o primeiro de sua própria gravadora, Riviera Music. Move apresenta quatro faixa originais que exemplificam bem essa habilidade de X-Coast para flutuar entre diferentes abordagens. Dos 110 ao 140 BPM, ele nos guia por uma bela jornada musical. 

Abaixo, tentamos descobrir um pouco mais sobre a história em torno deste artista (ou seria uma ilha?) misterioso:

Alataj: Olá, Bojan! Tudo bem? Obrigado por nos atender. X-Coast possui uma certa dose generosa de magia e mistério, não é mesmo? O que exatamente te motivou para criação do projeto?

X-Coast: Olá, pessoal do Alataj! Obrigado por tirar um tempo para ler essa entrevista. Não se sabe como surgiu a ilha X-Coast. Alguns afirmam que nunca existiu, mas para outros sempre esteve lá. Se você procurar, a encontrará. Meu primo tinha uma agência de turismo na época e vários cupons de viagem, então aproveitei a chance de viajar para fora da Sérvia pela primeira vez e acabei na X-Coast. Isso foi em 2012 e, desde então, sou o representante das ilhas no planeta Terra.

Mango Bay se tornou um grande sucesso nas plataformas digitais, com mais de 1 milhão de plays no Spotify, por exemplo. Quais foram as principais referências que moldaram a criação desta faixa?

Sim, parece que os algoritmos trabalharam a favor de Mango Bay. Essa faixa foi produzida para representar uma cena de um ritual de dança que ocorre no X-Coast em Mango Bay. Você terá a chance de presenciar quando visitar. É algo espetacular!

Seu estilo de produção possui uma abordagem agressiva e geralmente voltada para a pista. De onde vem suas principais inspirações para os momentos de produção musical?

A inspiração aparece como um sonho, um presente do poder superior. Vem da criação de uma conexão com X-Coast. Às vezes, não é tão fácil estabelecer uma conexão, então temos que sentar na sala de ritual por horas, senão dias e nada parece certo. Requer dedicação e sacrifício. A inspiração final chega apenas àqueles que são dignos.

Claramente, suas produções apresentam a atmosfera real da house music. Entretanto, é possível observar traços de outras culturas musicais presentes em sua música. Como você chega até esses elementos?

Há traços de ambient, chill out, downtempo, new jack swing, house, techno, electro, trance, breakbeat, jungle, drum & bass e elementos de sound design presentes em X-Coast. Não podemos deixar de ser influenciados por muitas coisas, afinal, este não é um projeto de apenas uma pessoa.

Como você avalia o atual momento da música eletrônica na Sérvia? O público jovem está realmente interessado em consumir música eletrônica de qualidade? Há bons clubs? Como o governo enxerga a cultura relacionada as cenas house e techno?

Desde que chegamos a era da internet na Sérvia, as coisas progrediram em ritmo acelerado. Conversamos com o mundo moderno e todos sabemos como deve ser uma festa moderna de house/techno, todos sabemos como você deve se vestir quando vai a uma festa. Aqueles que parecem não saber estão apenas fingindo. O governo manda a polícia invadir os clubes às vezes, mas já estamos acostumados. Lembramos dos tempos mais difíceis. Eu só acho que as pessoas deveriam dançar mais.

Hot Haus, Shall Not Fade e Dansu Discs estão entre os selos que você trabalhou recentemente. Como é seu relacionamento com cada um deles? Como cada uma dessas gravadoras contribuiu na sua evolução enquanto artista?

Gostaria de dizer que temos um relacionamento forte com esses labels. Durante muito enviamos faixas, eles raramente respondiam. Continuamos tentando. Nunca desistimos. E então, um milagre acontece e um lançamento sai. Comemoramos por semanas. Gostaria de agradecer ao DJ Haus, Lil KGW e The Dansu Boys.

Para finalizar, uma pergunta pessoal. O que a música representa em sua vida?

A música conecta.


Alan Medeiros é publicitário, sócio-fundador do Alataj e nome por trás da Beats n' Lights Management.

RELATED POST

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

INSTAGRAM
SIGA-NOS