20 anos de D-EDGE: uma seleção especial com 20 noites inesquecíveis do club

Em 2012, tive a oportunidade de ir a São Paulo para curtir um final de semana com as amigas em um “vale night” e o meu destino era certeiro: o famigerado Superafter do D-Edge. Eu não conhecia o club, aliás tinha ido poucas vezes à cidade, mas sempre ouvia falar das noites que rolavam lá e bom, uma festa que começava às 5h da manhã e seguia pelo domingo adentro me deixava muito intrigada. Se você já esteve lá provavelmente vai entender sobre a emoção dessa primeira experiência que relato agora…

Eu não conseguia acreditar naquelas luzes, naquela gente dançando, na atmosfera e, claro, na música que rolava. Os DJs eram residentes (infelizmente não me recordo os nomes) e a seleção musical desses caras me marcou demais naquela noite — que já era dia. Dançar parecia ser a única coisa certa a se fazer. Quando as janelas da pista resolveram se abrir (coisa que eu não sabia), o sol iluminou a pista gradativamente e aquele momento ficou marcado na minha memória. Quando elas se fecharam, a galera enlouqueceu ainda mais na pista, e assim fomos até uma da tarde… fui embora incrédula e pensando no quão lascada eu estava para trabalhar. Acordei à noite e só pensava em como tudo tinha sido incrível.

Tomei a liberdade para escrever em primeira pessoa, porque seguir de forma jornalística seria frio demais para contar uma história tão cheia de vida que são os 20 anos de existência do D-EDGE. Foram muitas noites de emoção e energia para seguir um roteiro informativo, então decidimos quebrar o protocolo. Você provavelmente já teve uma noite dessas. Mas afinal, o que faz uma noite ser a melhor de um club? A música? Os headliners? O quão inspirados eles estão? As companhias? O seu estado de espírito? A novidade? Ou um pouco de todos os pequenos/grandes detalhes?

A verdade é que não dá pra saber o blend necessário para chegar nesse lugar ideal, que é muito particular e normalmente aparece no dia seguinte em forma de sentimento quando você acorda. Desde que abriu as portas nos anos 2000, em Campo Grande, e aí em 2003, em São Paulo, o club tem sido responsável por contar grandes histórias da música eletrônica e inquestionavelmente colocar o Brasil no circuito, contribuindo para dar o tom àquilo que chamamos de cena.

E já que 2020 tem sido também sobre revisitar o passado, vamos compilar aqui 20 noites históricas, dessas que muita gente fala até hoje, além da minha e possivelmente da sua. Afinal, 20 noites em 20 anos é pouco para tudo o que foi feito naquela esquina da Barra Funda. Aliás, a gente teve que pedir uma mãozinha para a pessoa que mais frequentou o club disparado: Renato Ratier — e também para seu time. Não foi fácil e sabemos que outras inúmeras virão a ser lembradas por vocês e é isso que torna a história ali tão especial. Sonhos realizados ao ver aquele/aquela super DJ, causações na madrugada com as melhores companhias, romances que ali se iniciaram, corações partidos que a pista ajudou a curar, noites inesperadas de “vamo pro D-EDGE agora? vamo!”, horas e horas de dança… enfim, a gente sabe, mais do que nunca, como esses momentos valem muito.

+++ Alataj entrevista Renato Ratier

Seleção feita pelo staff do D-EDGE e DJs residentes

1. Afterparty Nokia Trends (2005)

Um daqueles festivais que deixou saudade (nos moldes da época) e, claro, o after rolou com tudo no club. Se liga no lineup: Ellen Allien, Tiefschwarz e Roman Flügel comandaram a pista principal por horas a fio.

2. Tiga (2009)

Tiga estava vivendo um momento forte na carreira quando veio tocar no D-Edge. Foi uma daquelas noites que mais parece show do que festa, porque o público estava em ebulição.

3. Derrick Carter (2010)

Um dos personagens mais emblemáticos da House Music de Chicago já havia passado pelo club anteriormente, mas a Freak Chic naquele ano deixou saudade no coração de quem estava lá…

4. Jeff Mills (2010)

Precisamos mesmo falar? Sortudos os clubbers que lá estiveram…

5. After Sonar (2012)

Mais uma sequência de festival que fez história. O after oficial do Sonar rolou no club com Seth Troxler, John Talabot, Four Tet e James Holden…saudade de um line desse, né minha filha?

6. Bonobo (2014)

Simon Green, conhecido como Bonobo, se apresentou no formato de DJ Set no club em uma sexta-feira histórica para a Freak Chic. A atmosfera delirante dessa noite foi algo único.

7. Miss Kittin (2014)

Conhecida para sempre como a diva do Electro, Miss Kittin já se apresentou mais de uma vez no club, mas na comemoração dos 14 ano a francesa fez história em uma noite classuda.

8. Hawtin, Bailey e Beyer (2014)

Imagine a cena: a tríade do Techno está na cidade, liga para o dono do club e pede para ele abrir em uma quarta-feira aleatória. Algo assim acontece uma vez na vida e a casa quase veio abaixo. Muitas faltas no trabalho no dia seguinte, pode ter certeza.

9. Bob Moses (2014)

Estreia memorável do duo canadense no club em uma Moving e você já pode imaginar como a pista virou um portal. Quem ali dançava foi levado para longe através das melodias ímpares da dupla. 

10. Derrick May (2015)

Um dos grandes nomes da música eletrônica do mundo esteve presente na comemoração de 15 anos do club. Toda a versatilidade e bagagem de um pioneiro deu o que falar. Foi de chorar!

11. Joris Voorn (Junho 2015)

Mais uma MotherShip pra conta. Sua passagem no D-Edge foi memorável. Lucky Star – Superfunk versão original dentro do club definitivamente é a cereja do bolo de melhor noite.

12. Carl Craig (2016)

Mais uma Moving que fez história, talvez uma das noites mais especiais desta festa. Diretamente de Detroit para o D-Edge, mais um pioneiro da música eletrônica que veio deixar sua marca.

13. Superafter 5 anos (2016)

Todos os residentes do Superafter e da Mothership (a festa que rolava antes do after) + o big boss no line e o resultado? 1500 pessoas passaram pelo club em uma noite história só com local heroes.

14. After Hush (2017)

Não poderia faltar uma noite com o ícone dos afters, mister Solomun, e o que podemos dizer é que essa foi lendária. O set entre ele, Butch e Ratier durou das 09h até mais ou menos 18h. 

15. Aniversário do DJ Mau Mau 50 anos (2018)

Uma das noites memoráveis do Superafter, camisetas e máscaras com o rosto de Mau Mau foram distribuídas na pista em sua homenagem. Lotação máxima desde o começo da noite e um set de seis horas de um dos grandes nomes nacionais.

Marcio Techjun, um dos residentes mais antigos do D-EDGE, colaborou com a seleção e indicou cinco noites históricas para fechar:

16. Loco Dice (2019)

O artista já teve algumas passagens no club, todas sempre marcantes, mas sua mais recente vinda foi realmente especial, sendo citada como a melhor de todas por Ratier. E se ele tá falando, a gente acredita!

17. Ricardo Villalobos (2007)

A primeira apresentação do chileno foi algo que ficou na história do club: foram sete horas de set entre as sonoridades minimalistas e uma mistura coerente com os demais gêneros. 

18. Sven Vath (2006) 

Long set surpresa de oito horas em um after especial após o festival Skol Beats de 2006. Neste ano eu toquei com ele no mesmo palco do festival, e após a apresentação dele, conseguimos arrastá-lo para o clube, que lotou em tempos que nem tínhamos redes sociais.

19. Aniversário 10 anos MotherShip (2013)

Uma noite muito incrível, pois preparei um set com as músicas que marcaram essa década e o resultado foi uma resposta do público tão contagiante, que o previsto era um long set de quatro horas e virou um long set de 11 horas e meia, com pista cheia do início ao fim. A festa acabou às 15h30 da tarde.

20. Adiel (2020)

A italiana deixou o povo de queixo caído em sua apresentação no ano anterior na Mothership e aí rapidamente foi escalada para retornar em 2020, em uma das últimas festas do club. Na ocasião ela fez de novo: deixou todo mundo no chão.

A música conecta.