Entrevistas
Nick Warren Nick Warren Nick Warren Nick Warren Nick Warren
Nick Warren Nick Warren Nick Warren Nick Warren Nick Warren
Nick Warren Nick Warren Nick Warren Nick Warren Nick Warren
Nick Warren Nick Warren Nick Warren Nick Warren Nick Warren

Alataj entrevista Nick Warren

Recebam o gigante Nick Warren no Alataj. Integrante do majestoso hall de artistas que carregam sonoridades progressivas por gerações, Warren é um dos maiores representantes do Progressive House. São 32 anos de um trabalho consistente em diversas frentes do cenário, como DJ, produtor, label boss do The Soundgarden e A&R do Hope Recordings.

Como um artista muito ativo, ainda que a pandemia tenha lhe proporcionado momentos de descanso, ele apareceu diversas vezes em 2020 com lançamentos de alto nível. Em 2021 não foi diferente e ele começou com o EP Dead Eyes Opened / This Is Love, em colaboração com seu parceiro de longa data, Nicolas Rada. 

Em 2017 nós tivemos o prazer de entrevistar Warren e, felizmente, ele voltou para contar sobre esse e outros projetos, além de algumas dicas para quem tem o sonho de um dia alcançar o sucesso que ele carrega consigo. 

Alataj: Olá Nick, tudo bem? Estamos muito felizes de ter você conosco novamente! Você nos concedeu uma entrevista em 2017 e de lá pra cá o mundo da música mudou muito – e imaginamos que de sua carreira também. Conte-nos um pouco sobre o momento em que você vive hoje.

Nick Warren: Foram longos nove meses de bloqueio em 2020, mas também gostei muito do tempo de inatividade e de poder ficar em casa. Em seguida, fomos convidados a fazer alguns eventos de bolhas sociais com capacidade limitada na América do Sul e deixamos o Reino Unido antes do próximo bloqueio no início de janeiro. Os eventos têm sido ótimos, muito melhores do que eu esperava, apesar de todos os novos regulamentos em vigor.

Como veterano da música eletrônica, você acompanha as mudanças do cenário há décadas e um dos fatores que revolucionou essa história foi o avanço da tecnologia. Como você avalia esse cenário explosivo de artistas, labels, mídias sociais e conectividade que vivemos hoje? Você acha que perdemos algum espírito do movimento da música das décadas passadas?

Acho que a maior mudança é que o público em geral perdeu o interesse em comprar música. Os serviços de streaming são agora “a” plataforma importante, por isso é muito difícil para os jovens artistas eletrônicos fazer disso um trabalho em tempo integral. Assim que a normalidade retornar, é claro que os clubs e festivais estarão lotados, mas o futuro está com os jovens fazendo música eletrônica experimental e eles precisam de toda a ajuda que puderem ter. A mídia social é outra grande mudança e é incrível estar em contato direto com pessoas de todo o mundo.

Você sempre foi um artista muito ativo em termos de lançamentos, não apenas em sua carreira solo, mas também com o Way Out West. No cenário que vivemos hoje, você acha que ter um ritmo interessante de lançamentos é necessário para manter-se em evidência no mercado? 

Sim, acho que é importante lançar música, mas eu diria que é fácil fazer muito. Em vez de lançar sua música constantemente durante todo o ano, meu conselho para um artista seria lançar quatro ou cinco coisas por ano e torná-las especiais.

No caso de novos artistas, o que mais você acredita ser importante para conquistar um espaço no cenário?

Claro, use todas as plataformas de mídia social para promover, envolver e espalhar a palavra sobre o que você faz. Tente ser uma vantagem para sua gravadora ou para um promotor, ao invés de uma pessoa com um grande ego.

Seu último lançamento é O EP Dead Eyes Opened / This Is Love. Como se deu o processo criativo e dentro do estúdio dessas faixas? Alguma inspiração especial?

Dead Eyes Opened é uma versão cover de uma faixa dos anos 80 da banda australiana Severed Heads. Adorei o original e sempre quis tentar criar minha própria versão. This Is Love é novamente inspirado nos anos 80 e é mais uma faixa groove que funciona muito bem na pista de dança.

Dead Eyes Opened foi produzida em colaboração com Nicolas Rada, um parceiro de longa data. Considerando seu outro projeto, imaginamos que você goste de trabalhar em equipe dentro do estúdio, certo? Há alguma razão especial? Como é o workflow com mais de uma pessoa na produção?

Nico e eu sempre trabalhamos remotamente nas pistas. Eu tendo a iniciar as ideias e Nico adiciona sua magia e faz a mixagem e o groove certos.

Você é label boss do The Soundgarden e também A&R do Hope Recordings, trabalhos que implicam em uma visão mais ampla do cenário enquanto mercado da música. Você acha que chegaremos a um momento de saturação desse mercado ou de ausência de novidades em termos criativos de artistas?

O trabalho de um A&R é continuar tentando encontrar novos artistas e novas ideias para manter a gravadora avançando. As coisas podem ficar muito estagnadas com muita facilidade se você seguir o mesmo caminho musical a cada lançamento. No The Soundgarden estamos sempre procurando por músicas novas e emocionantes em vários gêneros, e temos alguns lançamentos incríveis programados para este ano.

Você também é reconhecido por sets bem construídos, versáteis e ainda assim muito coerentes ao longo de sua carreira. Além disso, você já correu o mundo e cada pista de dança nova é um novo desafio. Como é possível se conectar com tantas pessoas diferentes e com culturas diferentes para entregar um trabalho satisfatório?

Muito obrigado! É tudo sobre amar o que você faz. Eu ainda fico animado em tocar músicas novas, toda semana eu recebo algo que mal posso esperar para tocar para as pessoas.

Tours, diversas gigs, jet-lags, tempo em estúdio, trabalho nas gravadoras e ainda um tempo para sua vida pessoal. Administrar todas essas funções requer um preparo e equilíbrio mental importante, certo? E você provavelmente deve ter vivido ótimas e péssimas experiências em relação a tudo isso. Como manter a saúde mental em dia para realizar todas as tarefas necessárias?

Dormir é muito bom para você. Enquanto estou em turnê, tento dormir talvez quatro horas por dia, mesmo 15 minutos irão ajudar. Em casa gosto de dormir pelo menos oito horas por noite e acho que o segredo é ir para a cama cedo e acordar cedo, perder metade do dia não faz bem para você.

As linhas sonoras progressivas se mantêm desde os seus primórdios, presentes até mesmo em outros estilos, mostrando que ela ultrapassa gerações e ainda se mantém atual e perfeita para grandes pistas de dança. Você concorda com isso? O que você acha necessário para produzir uma música atemporal?

Acho que o gênero sobreviveu ao longo dos anos porque evolui e os produtores envolvidos não têm medo de abraçar novas tecnologias. Um exemplo de algo que seria descrito como progressivo é a música que o incentiva a ser criativo e a pensar de forma diferente.

Tempos difíceis vivemos, mas sempre com a esperança de que vamos melhorar e voltar a nos encontrar. Uma pergunta para Nick Warren enquanto artista, profissional e também ser humano: o que você espera do mundo para os próximos meses?

Esperançosamente, até o final do ano, alguns países estarão voltando ao que lembramos ser normal e, em 2022, talvez o mundo seja o mesmo. Mas acho que ainda precisamos ser pacientes. Sempre tenha esperança e seja positivo!

A música conecta.

Compartilhe