Entrevistas
Paula Tape Paula Tape Paula Tape Paula Tape Paula Tape
Paula Tape Paula Tape Paula Tape Paula Tape Paula Tape
Paula Tape Paula Tape Paula Tape Paula Tape Paula Tape
Paula Tape Paula Tape Paula Tape Paula Tape Paula Tape

Alataj entrevista Paula Tape

Paula Tape é uma artista chilena que carrega em seu design sonoro uma capacidade de seleção singular, pinçando sonoridades de outros tempos e outras culturas. Algo a se admirar. Seus sets podem representar aulas musicais que carregam suas raízes e ecletismo, buscando ideias mais experimentais que não vemos comumente. 

Jovem e com sede de desbravar o mundo, ela atualmente reside em Milão, onde pôde se conectar mais profundamente com uma das vertentes que costuma explorar em suas construções: o Italo Disco. Por essa razão, equilibra a carreira de DJ e produtora com as ações para a Tempo Dischi, selo de Dance Music que tem como objetivo central reviver preciosidades musicais provenientes da Itália.

Conversamos com ela para saber um pouco sobre sua história, seu presente, suas ambições para o futuro e o novo single Octava Dimension, em colaboração com Volantis e remixes de Elias Mazian e Tornado Wallace. Confira!

E falando nisso, sempre que penso na música eletrônica chilena me vem a história da primeira rave emblemática que aconteceu durante o eclipse, mas isso tem muito muito tempo. Como está o cenário da música eletrônica chileno atualmente? 

Não consigo imaginar o quão louca aquela rave deve ter sido. Eu ainda era muito bebê, mas vários amigos mais velhos contaram sobre aquela festa e, pelo que sei, houve uma cena antes daquela rave icônica. De qualquer maneira, eu não moro no Chile há cinco anos. Devido à burocracia, só consegui voltar no final de 2019, apenas dois meses após o surto social. Encontrei uma situação de não liberdade, só toquei em uma festa em uma zona onde havia barricadas na rua com fogo fora da boate, cheiro de gás lacrimogêneo, etc. Não sei se posso responder essa pergunta com precisão. Das redes sociais de meus amigos agora, parece que Santiago está muito ativa e a cena vive.

Para nós, latinos, estar na Europa é a chance de ter o trabalho na música eletrônica melhor reconhecido em nível mundial e também há muita coisa para se inspirar. De alguma forma, essa mudança geográfica impactou na sua formação artística? 

Tudo me inspira aqui, até o oxigênio e um céu azul acima dos meus olhos. A Europa ajudou a minha expansão dos sentidos, no sentido de que tenho muitas boas influências ao meu redor. Aprendi algo fundamental como me esforçar para fazer melhor, ser mais disciplinada, ser profissional é muito importante para alcançar o que você deseja.

Sabemos que ser mulher nesse cenário masculino ainda é um desafio. A questão de gênero impactou sua trajetória em algum momento?

Sim, agora é mais fácil do que antes, mas ainda há um longo caminho a percorrer para essas questões. Eu prefiro manter o foco nas minhas coisas do que dar muita atenção a pensamentos malignos, críticas vazias, odiadores e pessoas com mentes muito distorcidas que estão na cena musical, eles podem ser homens ou mulheres e eu sinto muito por eles.

E como você percebeu a cena de música eletrônica de Milão desde que se mudou? Sei que existe um lado muito forte voltado para o Techno, mas também o Italo Disco não recebe esse nome à toa, certo? O que você curtiu ali antes da pandemia chegar?

Sim, o Techno é grande em Milão, para outros gêneros é difícil encontrar um lar, antes da pandemia havia alguns bons eventos pela cidade. Eu gostaria de apontar para o futuro ao invés de pensar em como era, há uma nova geração de DJs e produtores chegando e estou feliz por isso.

Pesquisar parece ser o centro do seu trabalho, já que ao ouvir seus sets, percebemos que você é uma verdadeira seletora. Como é esse workflow de pesquisa para se ter tantas músicas diferentes? 

Sempre tento seguir minhas intuições. Tento misturar faixas que de uma forma ou de outra sejam coerentes entre si, mesmo que sejam estilos diferentes, adoro ter escolhas diferentes. Minha identidade está ligada ao meu gosto e minha formação, tento confiar isso às coisas tanto quanto possível.

E por falar em pesquisa, conte-nos um pouco sobre seu trabalho com a Tempo Dischi? É uma curadoria focada nos sons da discoteca italiana? Vi que o Rush Hour faz a distribuição e bom, acredito que o Antal sabe mais sobre a música brasileira do que nós aqui. Alguma coisa do Brasil que você tem no case?

Sim, Tempo Dischi é dedicado à música italiana de uma certa época. Procuramos produzir boas peças de coleção que as pessoas possam apreciar ou até descobrir pela primeira vez. É realmente empolgante conhecer o passado da produção italiana.

Minha escolha do Brasil é The Brother’s Rap – Rap’Agode (Remix), do The Brother’s Rap EP.

Seu último lançamento é o single Octava Dimension em colaboração com Volantis e que conta com remixes de Elias Mazian e Tornado Wallace. Conte-nos sobre o processo de produção com ele, qual é a mensagem por trás da música?

No estúdio com Volantis a intenção original era “vamos ver o que sai” sem muita definição, apenas por diversão. Tivemos uma sessão de composição, ideias, etc., então pensamos em incorporar um vocal meu. Eu normalmente escrevo letras, pensamentos, para canções futuras e este vocal apareceu. Ele fala sobre o carma e a energia em uma dimensão onde o carma vai se curar para estar pronto para enfrentar os desafios da vida. Somos muito gratos a Elias Mazian e Tornado Wallace por dar uma segunda vida à versão original.

E como foi o processo com a gravadora? Você poderia descrever o coletivo Alzaya para nós?

Alzaya é muito mais do que um rótulo; é uma série mensal de eventos no Tempio Del Futuro Perduto em Milão e um programa de rádio na Radio Raheem. Volantis e Nicodemo, os fundadores, também cuidam da programação do Superlove Milan, no coração da cidade. Eles estão trabalhando muito para espalhar seu próprio som e fazer networking com pessoas de todo o mundo.

Não poderíamos seguir sem mencionar a crise que acometeu o mundo no último ano. Como a pandemia te impactou artisticamente? E agora que vemos uma luz no fim do túnel, quais são os planos para Paula Tape?

É paradoxal de certa forma. Viver em constantes altos e baixos é muito desgastante mentalmente, mas ao mesmo tempo deu-me outra intuição, outra sensibilidade e uma forma diferente de criar de forma positiva. Por enquanto, estou me concentrando nas coisas positivas que fui capaz de alcançar, apesar de todas as dificuldades. Tudo o que a pandemia tirou de mim, eu entrego a mim mesma. Eu tenho um EP de quatro mixes originais para lançar nos próximos meses, alguns remixes e uma faixa em uma compilação pelo selo australiano Planet Trip. As coisas estão cada vez melhores em relação à cena dos clubs na Europa, espero que o mesmo aconteça na América do Sul e no resto do mundo, e posso esperar para começar a viajar novamente.

Agora para finalizar, uma pergunta clássica do Alataj: o que a música representa na sua vida? 

Ela representa o universo onde quero viver.

A música conecta.

Lançamentos

Radar | Weval, Whitesquare, Innellea. E mais

Do Minimal ao Techno abarrotado de elementos e do House clássico até uma versão mais límpida, há sempre algo bom para colher aqui

Notícias

Sementes de ontem, VA de hoje: conheça o novo lançamento da Indica Label

Colaboração está recheada de Minimal com 12 artistas brasileiros

Invites

Invites | Bernardo Pinheiro: atemporalidades do Brasil e do mundo

Uma playlist diversa que resume um pouco da vasta pesquisa do artista, explorando House, Disco, Jazz e, claro, brasilidades