Recondite Recondite Recondite Recondite Recondite
Recondite Recondite Recondite Recondite Recondite
Recondite Recondite Recondite Recondite Recondite
Recondite Recondite Recondite Recondite Recondite

Alataj entrevista Recondite

Todo artista em algum momento de sua carreira deve se perguntar: será que estou no caminho certo? O que preciso fazer para obter os melhores resultados? Quais são os propulsores da minha criatividade e como mantê-la acesa com o passar dos anos? Estas e muitas outras são reflexões realmente importantes para se conhecer e entender suas capacidades, necessidades e para se manter centrado em seu objetivo.

Recondite é uma dessas figuras que sabe onde quer chegar e o que realmente precisa fazer para alcançar suas metas na carreira. Talento reconhecido desde o início de sua trajetória, ele percorre o mundo através de seu live act ou DJ set e é muito respeitado por seu trabalho como produtor, emplacando sucessos por grandes gravadoras como Innervisions, Afterlife, Dystopian, Watergate Records e Ghostly Internacional.

+++ Desconstruímos a história da Afterlife na coluna Case

O artista é realmente uma figura fora da curva por também se manter humilde e aberto ao público quanto seus questionamentos, metodologia de trabalho e tantos outros assuntos que tivemos a honra de questioná-lo em um bate-papo realmente interessante e engrandecedor para qualquer um que trabalha dentro do ramo do entretenimento. Vale lembrar que ele está confirmado para dois importantes eventos no Brasil: dia 27 de março na edição #11 da RESSONÂNCIA, e dia 28 na Timetech 2020 que rola na Usina5.

Alataj: Olá Recondite, tudo bem? é uma honra poder conversar com você! Primeiramente, vimos em sua biografia que você é baseado em Lower Bavaria, na Alemanha. Como era a cena eletrônica da região quando você teve seu primeiro contato com a música? Ela te influenciou de alguma forma no som que você produz?

Recondite: Olá, obrigado por me receber. Infelizmente não moro mais na Baviera (um estado da Alemanha). Voltei por um período muito curto, mas há quatro anos estou em Berlim. A cena da música eletrônica lá era e é muito pequena. De fato, no momento em que esse gênero se tornou interessante para mim, havia mais coisas acontecendo nesse sentido do que agora. Nós tínhamos uma noite regular de música eletrônica em um clube chamado Bogaloo e havia alguns pioneiros nos decks que realmente sabiam o que estavam fazendo antes mesmo que eu entendesse algo sobre techno e música eletrônica.

Meu contato com a música foi muito antes, por toda a minha família. Não particularmente tocando um instrumento, e sim ouvindo e explorando as coleções de discos de meus pais e meus tios. A partir daí comecei a desenvolver meu próprio gosto e comprar músicas (compradas por meus pais para mim). Foi realmente importante, já que eu ainda era uma criança. Sou grato por esse amor pela música em minha família e pelo apoio que recebi em uma idade muito jovem.

Desde o início da sua carreira você chamou atenção de labels renomadas no mundo muito rapidamente como Innervisions, Afterlife, Dystopian, Watergate Records, Ghostly Internacional, além de também tocar em pistas e festivais importantes no mundo em pouco tempo. A que você deve sua ascensão explosiva?

Muitos fatores. Tanto quanto estar na hora certa, no lugar certo, outros fatores precisam surgir para se desenvolver uma carreira na música. Também acho muito importante um apego emocional sólido à música e um desejo de desenvolver a individualidade e a personalidade dentro de uma estética sonora. Encontrar a medida certa entre permanecer fiel a si mesmo e também adaptar-se aos ambientes exigidos fora, caso você não sinta que precisa se comprometer, é um fator importante. Eu acho que ter confiança em si mesmo também ajuda, fazendo o que quiser, sem ser exigente, carente e/ou arrogante.

Seu mais novo álbum Dwell foi lançado recentemente e ele mescla formas musicais diferentes dentro da linha melódica e obscura que é de sua característica. Como foi o processo de criação desse projeto?

Enquanto trabalhava nos primeiros esboços do álbum, encontrei as primeiras ideias que levaram a sete ou oito arquivos que seriam potencialmente transformados em faixas finalizadas – então eu percebi que poderia ser um álbum. Fiz mais algumas músicas e pensei: ‘Ok, se eu terminá-las, quem sabe, talvez seja um trabalho coerente que funcione como um álbum’.

Enquanto eu trabalhava na música, percebi que é uma estética bastante conhecida da Recondite, mesmo que eu não estivesse planejando trabalhar em algo que soasse tradicionalmente Recondite. Eu também não estava pensando em trabalhar em algo que pareça completamente novo ou diferente. Eu simplesmente não estava planejando, estava apenas fazendo música sem uma agenda por trás disso. Então, enquanto eu estava no processo, pensei comigo mesmo: ‘isso é bom ou ruim? É algo que eu deveria terminar ou apenas outro álbum do Recondite que soa igual aos outros?’.

Percebi que estava morando na minha própria estética sonora e estava refletindo e pensando sobre essa questão de ser bom ou ruim. Cheguei à conclusão de que era uma coisa boa, porque estava tentando refletir sobre o porquê de pensar que seria uma coisa ruim em primeiro lugar. Por que eu chegaria à ideia de que poderia ser ruim manter a mesma estética? Eu pensei comigo mesmo: ‘Bem, a única razão pela qual eu acho que é uma coisa ruim talvez seja porque outras pessoas diriam que é uma coisa ruim’.

Então conclui que, se estou com vontade de experimentar e tentar fazer algo diferente, tudo bem, mas se não tiver, ótimo também. Eu disse a mim mesmo: ‘Ok, vale a pena terminar este projeto, porque é mais uma adição ao meu trabalho, onde acabei de apresentar idéias de minhas atmosferas, gostos e interpretações musicais favoritas’. Notei que hoje em dia as mudanças, o desenvolvimento, a tentativa de se reinventar e a vontade de se renovar às vezes são feitos apenas pela causa de serem novos e renovados, não por causa de algo interno. É mais sobre a pressão externa que está sendo exercida sobre você para sempre ser diferente e se reinventar.

Isso é especialmente verdadeiro se você trabalha no mundo dos DJs, onde muitos vêem seu trabalho como algo em que sempre precisam ter as músicas mais recentes e mais recentes. Eles sempre querem estar no ritmo dos tempos e sempre têm as faixas mais atuais. Percebi que as coisas funcionam um pouco diferente para mim, porque minha ideia principal é produzir minha própria música e encontrar meu próprio estilo. Eu não deveria reagir demais às tendências e aos hypes, para mim é mais interessante encontrar uma cor pessoal que ninguém possa realmente imitar, você sabe como um indivíduo…

Então comecei a pensar na palavra alemã ‘ainda está de pé’, que é uma palavra alemã para habitar. Mas eu não queria usar uma palavra em alemão novamente (Hinterland). Achei a palavra habitar muito interessante e pensei mais sobre o significado dessa palavra. Pensei em uma situação em que você poderia usar a palavra habitar, como quando você faz uma caminhada e está andando pela natureza em algum lugar e não se apressa, apenas para e dá uma olhada no cenário de onde está, que está morando.

Você está morando no caminho que você segue e acho que é uma coisa muito agradável de se fazer, especialmente nos tempos de hoje. Você sabe, sente-se e reflita sobre o que você tem, e não sobre o que você pode se tornar ou qual é a próxima coisa, ou quão importante é o futuro, apenas aproveite o momento e resida no que você tem, então esse é o todo. Este foi o processo de reflexão para o nome do álbum.

Poucos artistas possuem a quantidade de álbuns lançados como você, além de EPs e singles lançados anualmente. Isso revela uma capacidade criativa imensa. De onde vem sua maior inspiração para produzir? Ela vem naturalmente ou você adquiriu a partir de uma disciplina dentro do trabalho?

Minha abordagem é tentar manter o máximo de segurança possível dos meus processos criativos. Tento bloquear as pressões externas (expectativas, críticas), mas também as internas (como expectativas sobre mim mesmo, uma linha do tempo ou um plano fixo que eu teria para um projeto). Para mim, só assim eu posso garantir que consigo fluir livremente com a minha criatividade e até agora sinto que sou livre. Contanto que tenha uma sensibilidade de quando quero me sentar e tocar alguma música sou capaz de criar alguma saída.

Uma vida que se divide entre tours, gigs, produções e outras tarefas deve ser bem exaustiva, já que você deve enfrentar longos vôos, jet lags, noites mal dormidas, entre outras dificuldades. Como você mantém o equilíbrio emocional para executar todas as suas tarefas?

Existem cinco regras muito simples – que pelo menos funcionam para mim:

  • Não faça muitos shows por ano. Eu recomendo um máximo de 80-90. É claro que isso se aplica apenas se você estiver na posição privilegiada para ter solicitações de reserva suficientes. Muitos DJs em turnê ativa na cena techno tocam em torno de 100 a 150 shows por ano – a criatividade está morta nesse ponto. Talvez apenas jogue mais nos primeiros 1-2 anos de sua carreira para descobrir como é e para estabelecer e desacelerar depois.
  • Mantenha uma rotina saudável de nutrição e exercício. SAUDÁVEL! Não é extremo. Tome uma bebida pequena de vez em quando se quiser, mas não se perca. Exercite-se na academia do hotel, 15 minutos de ioga, 15 minutos de esteira, mas não se mate! Sempre beba água suficiente.
  • Reflita sobre sua capacidade individual. Conheça a si mesmo. O que é bom pra você? O que é ruim? O que prejudica sua criatividade? O que agrava isso?
  • Não superestime as mídias sociais. Em turnê sozinho muitas vezes você se vê percorrendo as mídias sociais nos aeroportos ou em carros, não deixe ficar muito perto de você. Isso te afasta da auto-reflexão. Ironicamente e ESPECIALMENTE se você tentar ter uma abordagem de mídia social muito honesta e aberta.
  • Durma!!!!! Você tem que dormir o suficiente depois de cada show! No mínimo de 6 horas. Isso ão é negociável.

Você já veio ao Brasil mais de uma vez e realizou apresentações muito bem comentadas. Qual é sua visão sobre o público brasileiro? Você acompanha o trabalho de algum artista do nosso país?

O Brasil é sempre especial em termos de energia de multidão. Eu tive alguns dos meus momentos de atuação mais intensos com o público durante os shows no Brasil. Eu acho que a música eletrônica é realmente muito apreciada por aí. Eu sigo meu amigo Davis do Brasil e, de tempos em tempos, ele me mostra artistas locais.

+++ Davis assinou o Troally de número 200. Ouça aqui!

Para finalizar, uma pergunta pessoal. O que é música para você?

Oh, muitas coisas. Pode ser um silenciador ou um agressor, uma ferramenta para contar uma história ou pode ser a própria história.

A música conecta.

+++ Leia também: Alataj entrevista VNTM