Vitrola
Vitrola
Vitrola

Vitrola | Review: Chico Buarque – Construção

Anos 60 e o Brasil vivia o momento político-social mais marcante da sua história. A ditadura militar, instaurada em 1964 com a promessa de uma breve intervenção política, dissolveu o Congresso Nacional, suprimiu liberdades civis, torturou e exilou opositores e censurou todos os meios de comunicação do país por 21 anos. Ao longo deste período, muitos artistas optaram pelo autoexílio para não sofrerem as amargas consequências perante as denúncias ao regime escritas em suas canções. 

Chico Buarque já era conhecido por suas composições líricas, sambistas e cheias de sentimentalismo, mas com letras um tanto quanto distantes do período que estava sendo vivido (fato criticado por outros artistas). Porém, em 1969 ele foi para a Itália, permanecendo no país por 15 meses escrevendo, além de outras composições, parte do que viria a ser a sua maior obra-prima e um dos trabalhos musicais mais importantes do século XX no Brasil.

O álbum Construção foi lançado em 1971 e é considerado uma evolução e ruptura poética de Chico, que, muito mais maduro, focou em escrever sobre as mazelas daquele período, denunciando a ditadura e provocando autoridades. Com letras apuradas e uma ironia incomum, o compositor reuniu 10 faixas que viriam a ser suas assinaturas em toda a sua carreira.

A primeira faixa do álbum, Deus lhe Pague, dá o tom da obra com uma letra forte e melodia sombria onde o poeta fala sobre a desgraça enfrentada durante o período de repressão que será um dia recompensado por Deus. A partir daí, tem-se um conjunto de composições inteligentes que, cheias de trocadilhos, disfarçadamente retratam e criticam a ditadura. Cotidiano conta a história de um casal imerso e acomodado pela rotina, enquanto Samba de Orly fala sobre a chegada dos brasileiros exilados no aeroporto de Paris.

Já a música que dá nome ao álbum, Construção, é uma obra peculiar onde Chico conta a história de um pedreiro condenado a morrer no trabalho. A grande sacada é a conexão entre as palavras que vão aparecendo ao longo da história contada de maneira que, no decorrer da música, percebe-se que todas elas foram milimetricamente encaixadas na poesia. Ao final, o compositor ainda traz estrofes de Deus lhe Pague, também conectando as canções e transformando a faixa em uma das mais importantes da história do Brasil. 

Além dessas destacadas, o álbum também conta com grandes sucessos do artista com as músicas Desalento, Olha Maria, Valsinha, Minha História, Cordão e Acalanto. A obra ainda tem a participação de Tom Jobim, Toquinho, MPB4 e Trio Mocotó. Um disco indispensável para os amantes da música brasileira e que merece ser ouvido e apreciado por todos nós. 

A música conecta.

+++ Confira a entrevista que fizemos com L_cio, produtor que assina o clássico remix da faixa Construção

+++ Leia mais: Como Água Viva, de 1978, transformou pra sempre a carreira de Gal Costa