bodycode bodycode bodycode bodycode bodycode
bodycode bodycode bodycode bodycode bodycode
bodycode bodycode bodycode bodycode bodycode
bodycode bodycode bodycode bodycode bodycode

Alataj entrevista Bodycode

Muitos de vocês conhecem o sul-africano Portable, conhecido por suas produções conceituais, profundas, carregadas de sentimentos e com um toque de percussão que, quando em conjunto, transformam em uma mistura sonora muito característica do artista. Acontece que ele, assim como outras figuras da música, tem uma mente criativa expansiva que o leva para outros caminhos dentro do estúdio e, no caso, Portable trocou os BPMs lentos por batidas mais aceleradas e atmosfera bem mais voltada para a pista de dança através de seu segundo projeto: Bodycode.

+++ Portable assina o Alaplay 300 e fala com exclusividade sobre os desdobramentos de seu som

A mente por trás de ambos os projetos, Alan Abrahams,vinha executando-os simultaneamente há algum tempo. Um breve hiato nos trabalho de Bodycode aconteceu entre 2016 e 2019 e ele retornou no ano passado com alguns lançamentos, mostrando que essa outra faceta musical segue mais viva do que nunca. O último release dele é o single Take Me Away, apresentado pela gravadora Khoikhoi na última sexta-feira (9). Uma faixa linear, hipnotizante e muito dançante, como se espera em uma boa pista de dança. 

Alataj: Olá Alan, tudo bem? Muito obrigada por falar com a gente! Você iniciou a sua carreira atendendo primeiramente pelo nome de Portable e o projeto Bodycode veio depois. Algum motivo especial para a criação desse segundo pseudônimo? 

Bodycode: Eu queria pegar a essência do som do Portable e instalá-lo em um projeto puramente de dança. Acontece que os artistas Ghostly e Espectral estava em uma das minhas apresentações em Detroit e conversamos sobre um novo projeto que eu estava pensando em começar, Bodycode, e assim que ouviram eles adoraram e começamos a lançar os álbuns por esse alias. A principal diferença é que Bodycode é um projeto voltado para a pista de dança.

Como projetos de sonoridades distintas, o seu workflow no estúdio também acontece diferente quando vai produzir para cada um deles? Quando você entra no estúdio já sabe em qual projeto vai trabalhar?

Eu quase nunca sei para onde o processo de composição irá, então eu realmente não posso julgar se será uma faixa Portable ou Bodycode. Tudo depende do humor.

Você está lançando seu novo single Take’s Me Away pela Khoikhoi. Como surgiu a ideia para a track? Como você tem lidado com a sua criatividade neste período que estamos atravessando?

Take’s Me Away eu compus para meus shows ao vivo, então o lockdown e o Coronavírus aconteceram e se tornou ainda mais uma prova do poder da música para transportar você. O isolamento tem sido complicado, mas eu me joguei em minhas produções de vídeo e minha música para tentar me manter positivo, porque isso vai acabar …

A faixa segue uma linearidade e conta com uma atmosfera hipnótica. Especificamente nela, como aconteceu o seu workflow? Você segue uma dinâmica padrão na produção de faixas ou cada uma acontece de maneira diferente?

Sim, cada faixa tem um fluxo composicional diferente … às vezes estou fora na floresta e anoto ideias no meu equipamento portátil, muita engenharia adolescente, por exemplo, é perfeita para isso. Outras vezes, como agora, está chegando o inverno, eu componho no estúdio. A composição musical pode se inspirar em muitas áreas da minha vida, uma exposição, uma música no rádio, uma ideia ao ler um livro, ou cozinhar ou dar um passeio.

Especificamente com Take’s Me Away, gravei todos os vocais em um ou dois takes e realmente os cantei por vários compassos, para realmente obter o efeito hipnótico, como um mantra, então preenchi a música … com esta faixa eu gravei com equipamento analógico em quase toda ela, então havia realmente muito pequenos loops, mesmo que eles estivessem fazendo a mesma coisa, mas em cada vez, apenas um pouco diferente … Eu imaginei essa sensação que se tem quando uma música te envolve uma pista de dança, e realmente “te leva embora”.

Com Bodycode, as faixas são mais focadas em momentos dentro da pista. Como acontece a conexão entre estúdio e cabine? Você leva a track ao público apenas quando está pronta ou durante sua criação? Ou ainda testa e sente a necessidade de mudanças de acordo com o feedback do público?

Na maioria das vezes as músicas são testadas em uma pista de dança. Quando estou tendo uma performance live todo fim de semana ou em uma turnê pelo Brasil por exemplo, com três ou quatro shows seguidos, eu preciso mudar e apimentar para mantê-la interessante para mim, então com Take’s Me Away testei durante o verão europeu, na verdade há um vídeo dele durante um festival no meu Instagram.

O projeto Bodycode teve uma pausa de três anos. Isso aconteceu propositadamente? Como e por que do seu retorno?

Não foi realmente planejado, eu estava trabalhando no álbum do Portable para a K7! e também lancei um projeto ao vivo chamado Portable presents Ranger para a escolha do selo britânico Waella…

Nós achamos muito interessante o trabalho que você desenvolve como diretor e captador de imagem seus próprios clipes. Quando essa linha de atuação chegou em sua vida? Você tem a ideia e faz produção do vídeo ou trabalha com mais pessoas?

Tudo começou com Surrender, eu fiz isso sozinho, então com o passar do tempo descobri que usar minha paixão por vídeo para fazer meus próprios videoclipes é uma válvula de escape mágica.

Sempre tive uma paixão por cinema e arte e acho o processo de fazer um videoclipe bastante semelhante ao de fazer música. Como videoclipes para minha gravadora, tenho total liberdade criativa. Não estou precisando fazer um videoclipe de pessoas dançando em volta de uma piscina ou algo parecido, então é muito divertido … Aqui em Paris eu tenho minha câmera comigo quase o tempo todo, filmando um minuto aqui e um minuto ali… então quando chega a hora de fazer um vídeo, eu me aprofundo nesse tesouro. É minha outra paixão, se não estou fazendo música, estou filmando ou editando um vídeo.

No momento, estou trabalhando com um poeta na África do Sul em um projeto de videoarte. Eu filmo, mando pra ela, ela escreve um poema inspirado nas imagens e aí eu faço a música pra unir tudo.

Estamos passando por um momento jamais visto na história do entretenimento. Como você tem lidado com esse período? Você acredita em grandes mudanças quando retornarmos às atividades?

Lidei com esse período sendo criativo e indo em frente, tendo em mente que isso também vai passar, acho que definitivamente haverá uma mudança fundamental na forma como conduzimos nossas vidas.

Para finalizar uma pergunta tradicional do Alataj. O que a música representa em sua vida?

Música para mim é um veículo para transcender a vida cotidiana, nossos corpos inteiros funcionam em ciclos rítmicos e a música toca nisso, transformando o mundano em uma espécie de paraíso na terra.

A música conecta.

*Arte da capa por Bea Michel