Faixa a faixa

Faixa a Faixa| Third Attempt – Beats From The Quarantine [Beatservice Records]

Diretamente da Noruega, Third Attempt apresenta sua jornada através dos beats do Trip-Hop em uma viagem sonora perfeita para mergulharmos durante a quarentena.

O projeto comandado por Torje Fagertun Spilde vem crescendo aos olhos do cenário europeu devido à sua assinatura refrescante que extrai atmosferas do Jazzy e Balearic, com nuances do House e Funk Soul. 
Após lançar uma série de bons releases pela gravadora norueguesa Beatservice, Third Attempt agora retorna ao label trazendo um álbum que mistura a delicadeza do House com as matizes do Hip Hop, entre as batidas suaves de Beats from the Quarantine. O disco conta com 11 faixas, que serão detalhadas uma a uma pelo artista, no nosso faixa a faixa de hoje. Acompanhe.

Third Attempt

Addicted | Uma mistura de amor e autoconfiança. Acho que estava muito entusiasmado com o amor quando produzi isso. Existe um tipo especial de inspiração que acontece quando você passa um tempo com alguém que ama. Eu acho que é por isso que a maioria das letras que você ouve na música gira em torno disso. Logo depois que eu e ela encerramos o dia, fui para o meu estúdio e comecei do zero em uma nova música. Estava com um bom humor mais “funk”  para dizer o mínimo, então o bloco de construção desta faixa tornou-se uma amostra do Jazz Funk dos anos 70. Tocando com o rhodes, aprimorei os acordes do sample enviando tudo por um monte de VST fx (reverb / delay). Guitar rig sendo um dos meus favoritos (usei um monte neste álbum). Pesquisei mais na minha biblioteca e encontrei este trecho de vocal comovente que se encaixa perfeitamente na faixa. Foi daí que tirei o título da faixa, “Addicted to your love”. Depois da ponte, quis recriar a sensação de frio na barriga. Mas as borboletas não fazem muito som (pelo menos não reconhecíveis).

Então baixei alguns sons de fogos de artifício do Youtube, que criaram esse clímax aprimorado por uma atmosfera densa de FX (roland space echo) antes que o Funk começasse a entrar. No final, experimentei uma das palestras de Moodymans. Ele é uma grande inspiração para mim e gostei muito do que ele disse aqui. Falar sobre menos é mais conceito. Eu realmente gosto de abraçar isso em minhas produções, então fez sentido começar o álbum com um pensamento claro sobre isso.

Front to the Back | Esta é um pouco diferente do que eu costumo fazer, já que é fortemente inspirada no Hip-Hop da velha guarda. Batidas pesadas e descontraídas com muita energia. Uma espécie de versão de alguns dos sons com os quais cresci. Entretenimento do início dos anos 2000, fitas VHS de qualidade duvidosa, videoclipes e videogames. Esta faixa contém, na verdade, uma amostra de uma das telas de carregamento de meus videogames favoritos de infância. Tempos divertidos no Gamecube! Algo que eu me imaginaria ouvindo se pudesse patinar. Acho que isso significa que é melhor ouvir esta faixa em volume mais alto e em movimento.

Make it Double | Uma faixa para madrugadas e bebidas fortes. Foco pesado na guitarra, baixo e bateria aqui. Também inspirado no Funk e no Jazz. Queria criar algo que soasse como uma banda tocando, mas ainda tivesse aquele toque eletrônico. Eu realmente gosto da sensação de faixas com BPM em torno de 100. Há mais espaço entre cada hit e um groove especial que você não consegue com coisas mais uptempo. Gravado com minhas confiáveis ​​teclas vocais, mas é sutil em baixa frequência. Lembro-me de ter trabalhado nisso muito tarde da noite, provavelmente sem dormir. Sempre acontece algo interessante quando começo a “baixar a guarda” depois de horas de trabalho ininterrupto. O que significa que paro de ser tão autoconsciente e crítico a cada passo que dou. É por isso que adoro trabalhar até tarde. E provavelmente porque essa faixa tem aquela sensação de beco escuro, místico e nebuloso.

Missing Feeling | A ideia para esta faixa seria originalmente um remix de uma antiga canção de trabalho de Blues / Folk. Acabei não usando o vocal. Mas parte da percussão são samples de ferramentas e objetos em uso, que ainda permanecem na faixa, dando ao som uma sensação mais orgânica. Algumas das chaves e costeletas de órgão da ideia original se tornaram os blocos de construção para a nova versão. Quanto à bateria principal, breakbeats sampleados e cortados parecem ter se tornado essenciais para minhas faixas. Costumo manter alguma forma de Soul / Funk / Disco groove como base. O simples fato de poder usar uma gravação de um kit de bateria real como base dá a tudo uma sensação totalmente diferente. Decidi seguir um caminho diferente, como o Jazz, quando reutilizei gravações de uma sessão que fiz há muito tempo, na Tvibit. Tive a visita de um saxofonista chamado Ruben Bratli no estúdio. Um cara realmente talentoso que estuda música em Tromsø. Gravamos um solo de saxofone sobre uma versão anterior muito diferente. Uma parte do solo foi repetida, e essa melodia se tornou o riff principal. Depois de mais algumas sessões, incluindo amostras de congas/sons de triângulo do Youtube, essa faixa começou a ganhar vida. Esperamos que seja um momento no qual você também possa se perder.

Please Hold | A história por trás dessa é bem engraçada. Durante o início do lockdown na Noruega (março do ano passado), de repente perdi toda a minha renda. Nada de shows, basicamente tudo cancelado durante a noite. Então eu não tinha dinheiro e precisava entrar em contato com benefícios sociais para sobreviver. Os escritórios foram fechados, então você teve que ligar por telefone. Mas, obviamente, eu não era o único nesta situação, então a espera foi horrível. Todos tentaram ligar ao mesmo tempo. E para piorar as coisas, a música de espera era um lixo completo. Tive que passar por isso, mas tudo deu certo no final. Mas isso fez minha mente funcionar. Eu gostaria que essa música de espera fosse levada mais a sério. O que aconteceria se a música fosse realmente boa? E se algo tão legal tocasse que você não quisesse que a pessoa do outro lado tocasse? Esta é uma versão imaginária do que soaria li.

Interlude | Basicamente, uma introdução alternativa para Rain. Ouça o homem falando e você entenderá;)

Rain | Mais uma faixa sentimental. Tarde da noite, postes de luz brilhantes, chuva forte, insônia. Feitos durante a estação de escuridão em Tromsø, que basicamente dura meses a fio com escuridão total. A certa altura, você nem vê o sol por um tempo.

Construí em torno de uma amostra de Jazz, acho japonês, dos anos 70. A linha de baixo foi aprimorada com o Trilian, um VST favorito meu que parece realista, muito parecido com uma gravação de um baixo real. Semelhante a Addicted, peguei tudo no Guitar Rig e aprimorei a atmosfera do sample original com reverb e delay. Adicionados clipes de gravações de campo que fiz do lado de fora, carros passando. Eu não queria uma gravação real da chuva, pois achei que era muito barulhento e tirei o foco da música. Então, fiz os pratos principais soarem como gotas de chuva, com um atraso LFO +. Uma vez por ano eu crio o que eu mesmo chamo de “faixa da temporada negra”, esta era para 2020.

Images | Acho que essa é a minha favorita do álbum. Sendo um grande fã do antigo DnB jazzy, DnB / Jungle, eu queria criar algo com uma vibração semelhante. Este está cheio de sintetizadores em camadas, sintetizadores condutores e uma atmosfera densa. Normalmente, tenho tendência a criar um espaço e uma sensação que se inclina para o lado visual da experiência musical. Portanto, foi muito interessante ouvir Deems Taylor (compositor e crítico musical no início dos anos 1900) falar sobre essa forma exata de música. Imagens que podem passar por sua mente enquanto ouve. Sua imaginação sugere isso enquanto você ouve. Inteiramente abstrato, subconsciente. Música absoluta! Todos nós já passamos por isso, mas eu não fui capaz de colocar isso em palavras antes de ouvi-la falando sobre isso. Coisas muito, muito interessantes. E é claro que é muito natural incluir esses pensamentos na minha música.

Mirage | Desidratado e desolado em um deserto vazio, você sente alguma esperança no horizonte. Para seu desespero, sua mente está pregando peças em você. O que você pensou que tinha visto não era nada. Mais milhas de areia esperam por você? Ou talvez haja água na próxima colina?

Air | Esta é minha primeira faixa na qual experimentei uma fórmula de compasso diferente de 4×4. Música para longos dias de verão descuidados. Santana diz isso melhor na entrevista que dei aqui. “Assim que a música entra no ar, você vê as pessoas mudando. Os humores, os sons, a forma como falam, todo o ambiente. É mais natural, quando as pessoas são elas mesmas, sabe?”.Cocoon | Você já viu um bicho da seda tecendo um casulo? O ano passado foi difícil. Muita coisa mudou, de repente ficou difícil fazer as coisas girarem, chances perdidas, as pessoas se tornaram involuntariamente distantes. Eu poderia continuar com isso,  mas nem tudo é ruim. Também se tornou uma chance de trabalhar em mim. Tirar o melhor proveito do meu espaço, pensando mais, criando mais. Não posso deixar de me relacionar com o bicho da seda. Quem sabe, talvez um dia isso se transforme em algo lindo?

A música conecta.

Compartilhe