READING

JAM aposta forte em seus residentes, abre espaço p...

JAM aposta forte em seus residentes, abre espaço para projeto Sessions e convida RHR para estreia em POA

A tradição que todo estado do Rio Grande do Sul possui frente a música eletrônica se deve a força somada entre os projetos realizados na capital e no interior. Hoje, não há quem discorde que o estado possui uma cena espalhada, com boas ideias sendo executadas em diferentes cidades e regiões.

A parte mais recente da história da música eletrônica gaúcha diz muito sobre o que foi feito em cidades como Passo Fundo, Caxias do Sul e Santa Maria. Entretanto, é um tremendo equívoco esquecer tudo que tem sido feito e especialmente o que foi feito por Porto Alegre do ponto de vista histórico e contemporâneo também.

+ DBeat compartilha memórias importantes sobre a cena gaúcha

A capital gaúcha é uma daquelas cidades com uma tradição clubber de longa data. Desde o fim dos anos 80, com o lendário club Ocidente, passando pelos anos 90 com o também lendário Fim do Século: a música eletrônica faz parte da formação artística da cidade e historicamente possui um papel decisivo na formação deste mercado para todo sul do Brasil.

Entretanto, desde o começo dos anos 2000 que o foco deixou de ser os clubs para dar força e espaço as festas itinerantes. Fulltronic, Mix Bazar, Fusion, Disconexo e Spin movimentaram projetos interessantes em toda grande Porto Alegre e mais recentemente a Levels foi criada para representar um novo marco na cena eletrônica da cidade, recolocando POA na rota de grandes artistas mundiais. Coletivo Arruaça, Neue, Plano, Base e Vorlat também representam bem esse cenário atual.

Como a Levels se tornou protagonista em uma brilhante reconstrução de cenário

Nunca houve um hiato ou uma parada total de atividades relacionadas a dance music em momento algum, mas a cidade sentiu muito a ausência de um club regular e sério destinado a música eletrônica. Apesar disso, o momento atual é de efervescência e é justamente para consolidar o desenvolvimento dessa cena e de seus profissionais que o JAM Club surge como uma alternativa para tudo o que está quente na cidade este momento.

A imagem pode conter: uma ou mais pessoas, multidão e área interna

O JAM é uma consequência desse momento atual e tão importante quanto necessário para sequência do mesmo. Um bom club é capaz de oferecer um salto de qualidade para a cena tornando-a mais profissional e auxiliando até mesmo no desenvolvimento dos demais projetos já existentes na cidade – é assim que uma economia criativa sustentável deve se relacionar e funcionar.

Novo projeto em Porto Alegre tem foco na música de vanguarda e gastronomia de ponta.

Logo de cara, o JAM demonostrou uma preocupação que diz muito sobre a seriedade do projeto: moldar um time de residentes forte e que representem bem a profundidade de sua proposta musical. Gabriel Bernardo aka GB, Posada e Bernardo Ziembik apresentam um equilíbrio sedutor de características que resulta em um perfil de equipe preparado para preparar a pista para diferentes headliners.

Os residentes terão no JAM Sessions um espaço para convidar artistas que se identifiquem para tocar na cabine do club. Como em uma jaz session o improviso é bem vindo e os artistas podem surpreender a pista com diferentes formatos de apresentação. Para primeira edição do projeto, GB convida Roni aka RHR para compartilhar energia e alguns beats na pista do JAM esta quarta-feira, véspera de feriado no Rio Grande do Sul.

RHR vem de um warm up elogiado para Helena Hauff no último fim de semana em São Paulo. Sua estética street com sonoridade electro faz dele um dos nomes mais originais e surpreendentes dessa nova geração de artistas brasleiros. Somado a isso tudo, vale destacar que esse será o seu debut em Porto Alegre. Além de GB, Tabu e KIKA, dois nomes importantes da cena regional porto-alegrense completam o line up do encontro.

Outras JAM Sessions já estão confirmadas para Outubro e Novembro, quando Posada e Bernardo Ziembik receberão seus convidados. Paralelamente a parte musical, vale destacar que a casa montou uma equipe qualificada de hostess, promoters e staff que são essenciais nesse processo de consolidação da identidade do club. Mas informações sobre o evento que acontece HOJE você confere aqui:

A MÚSICA CONECTA. 


Alan Medeiros é publicitário, sócio-fundador do Alataj e nome por trás da Beats n' Lights Management.

RELATED POST

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

INSTAGRAM
SIGA-NOS