Around the World | Sisyphos, Berlim

Quando pensamos em Berlim e sua vida noturna, imediatamente vem a nossa cabeça clubs lendários como Berghain/Panorama Bar, Watergate, Tresor e outros grandes festivais que acontecem por lá. De fato, a capital alemã é um dos, se não o maior polo da música eletrônica mundial, por que, muito mais do que suas famosas festas, Berlim respira esse cenário de diversas formas e através de muitos outros clubs e eventos que nem sempre aparecem entre os highlights da mídia, como o Sisyphos.

+++ Salve para ler depois: Berghain: metonímia da cena, metáfora da vida

Ele está situado no bairro de Rummelsburg, região que, por ser muito antiga, é composta por diversos prédios comerciais abandonados. Nesse caso, o club se instalou em uma fábrica de biscoitos para cachorros. Se você já achou essa parte interessante, o local é considerado o País das Maravilhas de Alice dos berlinenses. Afinal, ele é um oásis maravilhoso com muitos detalhes.

Lá você encontrará uma mistura de playground adulto super detalhado com uma área ao ar livre que se assemelha a uma praia com muito espaço, uma lagoa que entorna o local, um deck de observação, um caminhão de bombeiros antigo com uma plataforma para relaxar com espreguiçadeiras, uma pizzaria e um labirinto de pistas de dança que podem encher até 5 andares. Dizem que você pode se perder por horas ou talvez dias dentro dessa fábrica, já que ela abre na sexta-feira e encerra suas atividades apenas na segunda.

Além disso, ao contrário da famosa política de atendimento dos clubs alemães, o Sisyphos possui uma equipe educada e ágil, desde o segurança na portaria até os atendentes de bares. Isso não significa que você entrará logo de cara no club, talvez tenha que passar por algumas perguntas e a espera pode ser longa, mas como o local não está entre os mais conhecidos da cidade e o público é basicamente local, há chances de você ser barrado. 

O club também é conhecido pelos seus preços justos, tanto na entrada (10 euros) quanto nos produtos vendidos. O soundsystem conta com o poderoso Funktion-One no piso principal e a programação musical da fábrica raramente é divulgada, porém já passaram por ali nomes como Richie Hawtin, Gregor Tresher, Sascha Dive, os brasileiros Victor Ruiz, Kalil, entre outros artistas. Kalil já foi algumas vezes no club, sendo que três delas para tocar. A última gig aconteceu em outubro de 2019 e ele conta com suas próprias palavras como é sua experiência:

KALIL | “Quando você chega lá, os responsáveis pelos artistas são muito legais, a equipe é muito bacana, são muito solícitos, no resto do club também. O ambiente é meio pós-punk, com decoração misturada, artefatos feitos a mão, bastante luzes de natal penduradas… é uma decoração bem berlinense, tudo pichado, mas tudo muito limpo.

Lá fora tem uma área onde tem a pizzaria que é muito boa, inclusive. De manhã eles também vendem frutas. Tem várias pistas e ambientes, uma que é mais house e afro beats, um lounge com puffs que parece um circo e duas pistas principais onde em uma delas até rola algumas bandas. A principal cabe umas 600 pessoas no máximo e eles, volta e meia, mudam o lugar do palco. Durante o verão eles montam uma pista no espaço de fora que parece uma praia.

Como é um club que abre sexta e fecha segunda, tem gente de todo tipo. A experiência é muito legal por que quando fui tocar na sexta, voltei no domingo e encontrei pessoas que estavam lá na sexta também! Tem gente de todos os gostos por que a variedade de música é grande, mas o público é super tranquilo.

Também rola aquela política ‘no phone’ onde eles colocam adesivos nas câmeras e proíbem fotos e vídeos, então você nunca vê gente fazendo vídeos ou preocupada com o ego, estão lá pela música e pela festa, o que traz essa mística nos clubs em Berlim. Outra coisa legal é que todos os artistas recebem o mesmo cachê, não importando se você é um super DJ conhecido ou se é um local que está iniciando, levando igualdade entre os profissionais.

É um club muito especial pra mim, primeiro club que eu toquei na Europa e um lugar que já fui diversas vezes. É muito legal, vale a pena!

A música conecta.

+++ Around The World é a coluna que apresenta grandes festas, clubs e festivais ao redor do globo